Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Liberal e pragmático

por henrique pereira dos santos, em 23.02.24

"Nesta história, há pormenores deliciosos. Por exemplo, a crença na possibilidade de desenhar a cidade ‘moderna’ perfeita, capaz de condicionar (de forma também ela perfeita) a vida dos indivíduos nas cidades, foi partilhada pela União Soviética e pelos Estados Unidos. Le Corbusier era desse ponto de vista neutral – segundo o próprio, as suas cidades eram possíveis em qualquer regime político. E aquilo que as suas cidades pretendiam alcançar falhou redondamente, como a antropóloga Jane Jacobs demonstrou a partir de um trabalho etnográfico notável".

Este parágrafo está no artigo de hoje de José Bento da Silva no Observador, que me parece muito interessante.

A minha educação formal assenta nesta ideia de planeamento racional, em especial na escola de arquitectura paisagista sobre a qual se pode ter uma ideia visitando esta exposição na Gulbenkian sobre o mais influente e discreto dos arquitectos paisagistas da primeira geração, Viana Barreto.

Que não restem dúvidas sobre a minha imensa dívida intelectual para com Caldeira Cabral, o grande intelectual que trouxe para Portugal as ideias e fundamentos da escola alemã de arquitectura paisagista, sobre os quais, Viana Barreto, Álvaro Dentinho, Ilídio de Araújo (não foram os únicos, mas penso que tenham sido os mais relevantes, nas diferentes linhas  de trabalho de cada um) desenvolveram e estrumaram um corpo doutrinário que Ribeiro Telles veio a popularizar (esta exposição foi há muito tempo, mas o seu catálogo existe e deu origem a muita investigação posterior, em grande parte suportada no trabalho de Teresa Andresen, para quem tiver interesse em aprender mais sobre esta história).

Acontece que se a minha educação formal foi nesse sentido (com especial destaque para a influência de Alexandre Cancela de Abreu), a minha experiência profissional, em especial o estudo da evolução das paisagens rurais (que começa com Robert de Moura, se aprofunda com Ilídio de Araújo quando trabalhei com cada um deles, e se vai autonomizando intelectualmente com o longo e permanente apoio de Teresa Andresen, e se cristaliza na tese que fiz com a sua orientação (e a co-orientação, muito importante, de Carlos Aguiar e Miguel Bastos Araújo)), me levou por outros caminhos, mais cépticos em relação ao poder do planeamento.

Passo a passo fui reforçando a convicção de que Ilídio de Araújo estava carregado de razão quando afirmou numa conferência que o mais relevante de um processo de planeamento é o que restaria se no dia da apresentação do plano um mafarrico qualquer queimasse todos os seus elementos materiais (João Menezes, um dos melhores presidentes do Instituto de Conservação da Natureza com que trabalhei, e trabalhei com todos os que houve, dizia frequentemente o mesmo, com a linguagem da gestão, e demonstrou-o com os resultados que conseguiu na melhoria do Instituto que geriu).

Não tenho hoje dúvidas de que uma boa parte dos problemas transversais de habitação das grandes cidades se devem a esta ideia, errada, de que a sua gestão centralizada, assente em regras administrativas desenhadas para obter o melhor resultado social possível, é uma das causas da ineficiência que gera a falta de habitação.

Não apenas porque criam dificuldades reais na adaptação do mercado de habitação à procura que existe, mas também porque dificultam a adaptação do mercado de trabalho a essas ineficiências, deslocando-se facilmente para os sítios em que as cidades e a gestão do território sejam mais eficientes.

Com alguma dose de ironia, cito frequentemente a dificuldade de discussão sobre a mudança da capital administrativa de Portugal para Castelo Branco para explicar que a discussão de planeamento centralizado tem constrangimentos que nada têm a ver com a racionalidade cartesiana, tal como acontece com as decisões dos indivíduos.

Tal como ninguém consegue explicar por que razão se continua a investir em universidades em Lisboa e Porto, em vez de as deslocar para sítios em que possam responder mais eficazmente às necessidades de integração social, alojamento, miscigenação social de que os alunos, enquanto destinatários finais, e as universidades, enquanto instituições, seguramente beneficiariam muito mais que com a situação actual.

O que me leva à minha posição actual sobre estas eleições, mantendo a minha base liberal de avaliação de alternativas, com o pragmatismo de saber que, antes de tudo, o essencial é remover a camada de estatismo que nos sufoca, no governo, nos jornais, nas escolas, na sociedade, limitando a nossa liberdade de fazer escolhas.

Depois de oleado os mecanismos de funcionamento da sociedade e da economia, então poderemos discutir se o melhor é ir mais para um lado ou para outro.

Para já, temos simplesmente de pôr o sistema em funcionamento, removendo a ferrugem que o tolhe.


11 comentários

Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 23.02.2024 às 09:11

o estado foi e será sempre a pior criação do ser humano.
os socialismos exercem, com todo requinte de malvadez, a sua função castradora.
muitos políticos têm comportamentos piores que os marginais. 
Sem imagem de perfil

De balio a 23.02.2024 às 09:41


por que razão se continua a investir em universidades em Lisboa e Porto


Em boa parte, diria eu, porque a maioria dos professores, que são quem mais poder tem nas universidades, rejeitaria terminantemente mudar para outros locais.
Sem imagem de perfil

De balio a 23.02.2024 às 09:44


antes de tudo, o essencial é remover a camada de estatismo que nos sufoca


Mas o Henrique tem alguma ilusão de que é possível que outro qualquer partido vá remover essa camada de estatismo?


O Henrique não tem essa ilusão. O Henrique sabe que, como sugeriu noutros posts anteriores, não se trata de remover o estatismo, trata-se apenas de ter estatistas diferentes a gerir o estatismo.
Sem imagem de perfil

De Figueiredo a 23.02.2024 às 12:02

«...O liberalismo é o partido dos novatos que se insinuaram entre o povo e os seus grandes homens. Os liberais sentem-se como indivíduos isolados, não responsáveis perante ninguém. Não partilham as tradições da Nação, são indiferentes ao seu passado e não têm ambição pelo seu futuro. Eles procuram apenas a sua própria vantagem pessoal no presente. O seu sonho é a grande Internacional, na qual as diferenças de povos e línguas, raças e culturas serão obliteradas...» - Arthur Moeller van den Bruck
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 23.02.2024 às 15:19

O seu sonho é a grande Internacional, na qual as diferenças de povos e línguas, raças e culturas serão obliteradas"  ------------- Tal e qual o dogma principal da Igreja catholica( universal ) 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.02.2024 às 17:31

"...a cidade moderna perfeita..."
Tapiola?...
Juromenha
Sem imagem de perfil

De FLMoura a 23.02.2024 às 18:12

"o mais relevante de um processo de planeamento é o que restaria se no dia da apresentação do plano um mafarrico qualquer queimasse todos os seus elementos materiais"

Ainda assim algumas regras urbanísticas serão necessárias para que não existam os Famões e Caneças que infelizmente nos são dados a observar nas horas passadas nas filas da CRIL.
O meu sonho é poder integras zonas de habitação com zonas de trabalho para que as pessoas não tenham que se deslocar.
Utopias !!! 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 23.02.2024 às 19:34

Famões e Caneças servem as pessoas que lá vivem, e não as pessoas que passam no IC19 a ver as vistas.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 24.02.2024 às 11:21

"que infelizmente nos são dados a observar"



Isso implica uma politica estética e do gosto. Ela certamente existe - por exemplo não podemos andar nus na rua - mas convém reduzi-la ao minimo ou atacamos uma das mais importantes liberdades,a da criação.
Sem imagem de perfil

De Bilder a 24.02.2024 às 15:41

Interessante blog que descobri hoje


https://correiodaguarda.blogs.sapo.pt/serra-da-estrela-associacoes-ambientais-1167116

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Jo

    Duas ou três empresas não são concorrência.O ajust...

  • balio

    cito um dicionário cuja primeira edição é de 1956R...

  • henrique pereira dos santos

    Eu cito um dicionário cuja primeira edição é de 19...

  • balio

    Os dicionários atuais já incluem montes de estrang...

  • balio

    As maiores empresas em Portugal estão numa posição...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D