Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Incendiários e condutores de automóveis

por henrique pereira dos santos, em 22.07.19

Ontem acabei a jantar tardíssimo (como eu gosto de sandwiches de carne estufada, com manteiga, por mim substituía todas as sandwíches de carne assada por carne estufada, desde que a carne passe pelo menos cinco hora em lume brando, e o copo de vinho branco depois soube-me pela vida) porque depois de me ter comprometido a ir a uma das televisões, pediram-me para ir a outra e entre os dois programas (à hora de jantar) tinha de atravessar Lisboa de lés a lés.

O assunto era fogos. Eu bem explico que do que sei alguma coisa e gosto de falar é de paisagem, e lá vou contrabadeando ideias sobre a paisagem no meio dos fogos, mas fogos é que é o assunto.

No primeiro sítio onde estive, pressionado pelo tempo para me ir embora (tinha sido a outra televisão a falar comigo primeiro, portanto não queria chegar atrasado por causa da concorrência) e ao fim de meia hora em estúdio a ouvir falar de incênciários e afins, já se devia ver o fumo a sair das orelhas, tal era a minha irritação, quer com a insistência no tema, quer com a trafulhice política do ministro da administração interna usar a percepção pública errada para fugir às suas responsabilidades.

Depois dos dois programas, fui vendo aqui e ali comentários e, inevitavelmente, aparece o argumento sistemático, usado como sendo definitivo: sem ignições não há incêndios, portanto a questão está nas ignições.

Meus amigos, não vou maçar-vos a repetir que ignições há sempre, que se eliminarmos todas as ignições de origem humana apenas estamos a criar fogos mais violentos e extensos quando houver uma ignição natural, que 1% das ignições dão origem a qualquer coisa como 90% da área ardida, que a geografia das ignições não coincide com a geografia dos grandes incêndios (o maior número de ignições ocorre onde há mais gente, os problemas com os maiores incêndios estão nas zonas onde há menos gente), que 80% das ignições ocorrem num raio de dois quilómetros das aldeias, onde os fogos são mais fácil e rapidamente dominados, que nos últimos anos reduzimos as ignições em um terço, ou seja, dimuímos as ignições em mais de 30%, e que isso não teve qualquer reflexo na área ardida, e outros argumentos factuais e racionais porque sei que o argumento: "não havendo ignições, não há fogos" não é do domínio da racionalidade mas do domínio da fé.

Por isso, num último esforço, venho apenas falar-vos de uma analogia.

Todos temos a ideia de que sinistralidade rodoviária é um problema sério no país. E também sabemos que é hoje um problema de muito menor dimensão do que já foi.

Pois bem, se não houver condutores de automóveis, não há sinistralidade rodoviária, mas o facto é que a sinistralidade rodoviária diminuiu, ao mesmo tempo que aumentou o número de condutores rodoviários. E nunca ouvi ninguém defender que para resolver a sinistralidade rodoviária a questão chave é acabar com os condutores porque sem condutores não há acidentes rodoviários.

Era só isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.07.2019 às 11:22

até chamam reacendimento a uma 'ignição' mal apagada
mais 34 anos de geringonça e parece que estou na Lua quando for ao concelho de Mação onde passei férias 50 anos
Sem imagem de perfil

De António a 22.07.2019 às 13:40

E no entanto tudo se encaminha para acabar com os condutores. Ironias.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 23.07.2019 às 10:03

Pus-me ontem a pensar porque é que no concelho de Mação há tantos fogos grandes, enquanto que no concelho da Idanha-a-Nova há tão poucos.
Talvez seja porque em Mação as árvores são sobretudo eucaliptos e pinheiros, enquanto que na Idanha são mais azinheiras.
Mas talvez tenha também a ver com o queijo da Idanha. Na Idanha todas as terras são pastoreadas por cabras e ovelhas, de cujo leite se faz queijos afamados. Em Mação não há pastoreio.
Habituámo-nos a só beber leite de vaca e comer queijos de leite de vaca. É mais barato. Mas em Portugal o que se deveria subsidiar era a produção e o consumo de queijo e leite de cabra.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 23.07.2019 às 14:54

Há também a mixomatose e a doença hemorrágica viral.
Dantes em Portugal havia montes de coelhos. Os quais comiam muita vegetação, certamente. A partir da década de 1960 os coelhos foram dizimados por essas doenças. Isso estará a promover o crescimento desmesurado da vegetação.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Excelente comentário. Renovo-lhe os meus parabéns....

  • Anónimo

    Maria Muito obrigado pelo seu comentário.Acrescent...

  • Anónimo

    Sem dúvida. A Constituição em vigor -obra de socia...

  • Anónimo

    Concordo com os comentários «Anónimos», vale bem a...

  • Anónimo

    Com o devido respeito pelas opiniões contrárias, e...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D