Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Incendiar o país para andar de metro

por henrique pereira dos santos, em 22.03.18

O país tem um bolo financeiro robusto, oriundo da União Europeia, para apoiar políticas de coesão.

Naturalmente, estas políticas de coesão pretendem ajudar as regiões mais pobres a aproximar-se dos níveis sociais e económicos das regiões mais ricas.

Seria por isso de esperar que:

1) resultando os incêndios de problemas económicos estruturais do mundo rural;

2) tendo esses problemas na base uma séria falta de competitividade das economias que poderão gerir combustíveis;

3) sendo essa gestão essencial para ganhar controlo sobre o fogo,

o governo, qualquer governo (a percepção da falta de coesão territorial como um dos problemas centrais do país é largamente consensual), se empenhasse em usar os recursos disponíveis para a coesão na promoção da competitividade das regiões mais pobres.

Pois não é nada disso que se passa, o que se passa é o que governo decidiu (e essa é uma decisão nacional de afectação de recursos comunitários, não é uma decisão de Bruxelas) que os fundos de coesão, em grande parte, devem ser usados para aumentar o fosso entre as regiões mais ricas e as regiões mais pobres, alocando-os ao financiamento dos metros do Porto e Lisboa.

Economia circular, descarbonificação e outros narizes de cera que tais são os argumentos invocados, como se não fosse possível ter políticas de descarbonificação, economia circular e outras que tais nas regiões mais pobres, por exemplo, no desenvolvimento de um verdadeiro sistema de transporte a pedido que evitasse as centenas de camionetas vazias a circular todos os dias em regiões de baixa densidade, ou a gestão racional do fogo, para reduzir as emissões de carbono, ou o aumento da matéria orgânica do solo e na complexificação dos povoamentos florestais autóctones para aumentar as suas funções de sumidouro de carbono, só para citar três exemplos.

A responsabilidade política sobre as consequências dos fogos não se mede pelo que se passou no dia 15 de Outubro (ou não é sobretudo aí), a responsabilidade política sobre os fogos mede-se no facto do governo ter feito uma escolha clara: prefere deixar arder o país onde não há votos, se for esse o preço a pagar por aumentar um pouco menos o preço dos bilhetes nos metros de Lisboa e Porto, onde se ganham as eleições.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • António

    Portugal está cheio de Salazarinhos.

  • Anónimo

    Presumo que a medida não se aplica aos bovinos mac...

  • Anónimo

    ..." Mas não nos acontece, tal como o filho mais v...

  • Anónimo

    Este andaço para pouparem a vida dos animais é dev...

  • Anónimo

    Modas e vontade de ficar bem na fotografia...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds