Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Idiotas úteis

por henrique pereira dos santos, em 22.10.16

"Em suma, dada a precariedade financeira ainda subsistente, toda a prioridade da atuação económica deve ser urgentemente encaminhada para o crescimento económico sustentável e para a criação de um clima de confiança duradouro dos investidores, combinado com um adequado equilíbrio orçamental. Se tal não suceder, uma subida das taxas de juro da dívida portuguesa poderá ter consequências muito nefastas."

Este é o consenso básico em matéria económica.

Nos últimos anos tivemos duas experiências para lidar com a situação:

a) admissão de que a restrição financeira decorrente da dívida punha em risco o financiamento da economia e, consequentemente, investir tudo na criação de confiança nos potenciais financiadores, dando sinais claros de que se percebeu que a trajectória da dívida tinha de ser invertida, usando a política orçamental para, o mais rapidamente possível, ganhar margem financeira (o governo anterior e a troica ou, mais precisamente, o inverso);

b) considerar a restrição financeira como uma criação ideológica que era preciso cumprir o menos possível para libertar recursos para o investimento que redundaria no crescimento económico, investindo tudo no cumprimento formal das regras mas sem mostrar a menor preocupação com a substância do problema do endividamento excessivo (a actual maioria).

Podemos comparar resultados: "as taxas de juro nacionais chegaram a atingir valores máximos de mais de 17% antes de iniciarem um processo de descida para um mínimo de cerca de 1,7% nos primeiros meses de 2015, a que se seguiu uma subida gradual para os atuais cerca de 3,2%".

Perante isto o que fazem os bem pensantes da direita?

Reclamam porque os responsáveis pela primeira opção são fracos e deveriam ser substituídos por outros, mesmo não sabendo quem são e o  que valem, e desvalorizam o facto de os que existem e estão disponíveis, fracos ou não, terem apresentado resultados muito mais tranquilizadores que os apresentados por quem os substituiu.

São os que procuram sempre o óptimo, como se não soubessem que é inimigo do bom.

A esquerda sempre promoveu activamente os "idiotas úteis" e, ao menos nisso, continua muito clássica.




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    "Temos de chegar aos 70% de imunidade"? E fala-se ...

  • Eremita

    O Henrique tem uma tendência forte para não repara...

  • henrique pereira dos santos

    Tem razão não reparei que estava a falar de Itália...

  • Eremita

    Claro que isto é matemática. Todas as nuances que ...

  • Eremita

    Ah,  não era mesmo alucinação. Henrique,...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D