Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sobre a eutanásia (o projecto que vai ao Parlamento à revelia dos eleitores), afirma o PCP: «A legalização da eutanásia não pode ser apresentada como matéria de opção ou reserva individual. Inscrever na Lei o direito a matar ou a matar-se não é um sinal de progresso mas um passo no sentido do retrocesso civilizacional, com profundas implicações sociais, comportamentais e éticas que questionam elementos centrais de uma sociedade que se guie por valores humanistas e solidários.» Isto e mais algumas coisas bem pensadas diz o PCP num comunicado admirável que se pode ler aqui. Era inevitável que um conservador coincidisse em algum momento ou tema com outros conservadores. Hoje sou comunista.

Hoje sou Cavaquista. O filho do gasolineiro, o homem que come bolo de boca aberta, vale mais em coragem moral e afirmação de princípios do que os membros mais sonoros das elites mais venais que tão cretinamente troçavam dele.

Diz Passos Coelho: «Ao pretender, por absurdo, emprestar mais dignidade na morte por supostamente desejar evitar sofrimento promove-se outro equívoco fundamental: uma vez que já hoje existem meios adequados que podem ser mobilizados para lidar e minorar o sofrimento físico e psicológico (...) o recurso à eutanásia pode representar uma demissão e uma desresponsabilização da sociedade na forma de ajudar os que sofrem.» Um dos motivos dos ódios a Passos Coelho tem a ver com a habilidade que sempre ele teve para desmascarar as intenções encapotadas. E os burros que não o compreenderam, nem compreendem o que lhe devem (ou compreendem, e, portanto, negam) fariam bem se lessem a opinião que publicou aqui, um texto denso e sério que os mesmos burros, obviamente, decerto não compreenderão. Hoje sou Passista com gosto e honra.

Hoje sou João Paulo Segundista que mostrou à evidência, longamente, penosamente, como a dor pode ser digna, o sofrimento nobre e nobilitante, e a assumpção do envelhecimento físico algo de admirável.

Hoje confirmo o nojo à busca histérica de protagonismo do BE, e à leveza protocriminosa do PS, sempre em busca da «modernidade», no caso de ela valer alguma popularidade e uns votos. Hoje confirmo a minha indiferença perante o CDS, que nunca me desilude ao desiludir-me sempre, e que, mesmo num caso como este, toma a posição que seria a minha, mas com argumentos de processo, não de fundo. Hoje, confirmo a minha completa desvinculação em termos intelectuais, éticos, políticos, sociais, comportamentais, desse cadáver trepanado e gasoso que é o PSD do lamentável Rui Rio.




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    (cont.)E se a AR é a Casa da Democracia, não haver...

  • Anónimo

    O Parlamento representa o eleitorado e é uma amost...

  • anónimo

    O desinteresse nasceu e subsiste porque metade do ...

  • Carlos Sousa

    Explicou perfeitamente, só que essa solução leva a...

  • balio

    Não sei de quem é a culpa dos erros nos cadernos e...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D