Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Henrique Oliveira e a sociedade aberta

por henrique pereira dos santos, em 28.02.21

João Pires da Cruz escrevia um dia destes que o que nos separava da Suécia não eram as estratégias diferentes de gestão da epidemia, mas sim a capacidade de aprender. Tinha toda a razão: nos dois sítios foram tomadas decisões, mas na Suécia foi produzida informação largamente disponível para toda a gente (ser boa ou má é uma questão diferente), fizeram-se discussões racionais sobre os resultados obtidos e eventuais erros cometidos e as decisões seguintes incorporaram os resultados (sempre precários e provisórios, claro) dessas discussões, sendo por isso diferentes das primeiras.

Pelo contrário, em Portugal a informação tem enormes fragilidades (há coisas muito boas, como o sistema de monitorização da mortalidade, por exemplo), é extremamente assimétrica, a cultura de discussão franca e aberta é mínima e o resultado é que não aprendemos, tomamos sempre as mesmas decisões, seja agora, seja no ano passado.

A mera justificação de António Costa para não abrir já a escolas, baseada na comparação dos números com o anterior período de desconfinamento, é de bradar aos Céus, um exemplo acabado de como não aprendemos, nem fazemos nenhum esforço sério para aprender, apenas nos esforçamos para demonstrar que sempre tivemos razão (todas as generalizações são abusivas e esta não foge a esta regra, com certeza as coisas não são preto e branco).

Talvez um exemplo seja útil para explicar a falta que nos faz o verdadeiro escrutínio, o debate e a substituição da autoridade pela racionalidade.

contágios henriq oliveira.jpg

Este gráfico foi apresentado por Henrique Oliveira, dentro da sua campanha para demonstrar como o fecho de escolas foi fundamental. O gráfico tem uma alteração feita por Fernando Batista que consiste em introduzir o ponto das eleições presidenciais, a verde, para levantar uma questão relevante: como é que o fecho de escolas numa Sexta-feira tem um efeito determinante quando no Domingo seguinte há umas eleições que põem em contacto milhares de pessoas, de milhares de bolhas sociais diferentes?

O gráfico foi apresentado assim: "Hoje consegui obter o almejado gráfico dos contágios em Portugal.
O pico dos contágios foi no dia anterior ao fecho das escolas. O confinamento do "postigo" conseguiu, durante dois ou três dias estabilizar os contágios a um nível elevadíssimo de 12.000 diários oficiais DGS, mesmo antes do dia 21, mas o fecho das escolas teve um efeito drástico."

Explicações úteis sobre como foi obtido o gráfico, zero, apenas um argumento de autoridade "consegui obter".

O mais interessante é que na imensa complexidade que é o desenvolvimento de uma epidemia, Henrique Oliveira consegue isolar e ter certezas sobre o efeito do confinamento do postigo, identificando exactamente o seu efeito nesta curva de contágios.

Naturalmente alguém questiona este gráfico chamando a atenção para o facto do Instituto Ricardo Jorge produzir um gráfico de casos (não contágios), que coloca o pico de casos a 18 de Janeiro, o que é evidentemente incompatível com um pico de contágios a 21, como pretende Henrique Oliveira.

insa 26 fev.jpg

O resultado de alguém questionar o primeiro gráfico, apresentando este segundo, não é o que seria normal, uma discussão sobre os dois gráficos para perceber de onde vêm e o que querem dizer, o resultado é o bloqueio de qualquer discussão, com Henrique Oliveira e Jorge Buescu (um senhor que ficou instantaneamente famoso no mundo da epidemiologia quando logo no início da epidemia previu que dentro de dias Portugal teria 12 milhões de infectados) a desconsiderarem o trabalho do Instituto Ricardo Jorge: "Eu fiz o gráfico com dados fidedignos, o pico da incidência registada é mesmo a 29 de Janeiro. ... (sobre o boletim do Ricardo Jorge) "viste o R0? Totalmente errado em todos cálculos que se possam fazer. Fazem correcções arbitrárias não justificadas na literatura das datas das incidências, etc etc etc... Enfim, este boletim corresponde à qualidade de quem o faz..." ... "O INSA repete essa asneira à exaustão desde o princípio. Em nenhuma parte do Mundo é 2. Vivem em Marte? Ignoram totalmente a literatura? Alienação da realidade?" ...  "OLha, na última reunião do Infarmed em que o BN citava o Rt como 0,67, "o mais baixo da pandemia"... estava de facto em 0,82, quer calculado por mim quer pelo Carlos, e já tinha tido um mínimo há 10 dias. Não sei que raio de contas eles fazem!" ... "usam o modelo seird mas de forma totalmente errada..." ... "Acabei de perder a fé nos cálculos do INSA, pelos menos sobre o R." ... "se o R está errado desde o início, e é fácil, imagina o resto...", etc..

Se eu gostasse de usar argumentos de autoridade, diria que não deixa de ser irónico que matemáticos que ouviram falar de epidemiologia há um ano se entretenham a dar lições ao departamento de epidemiologia do Instituto Ricardo Jorge, mas eu não tenho o menor respeito por argumentos de autoridade e acho perfeitamente razoável que se questione o trabalho do Instituto Ricardo Jorge, mais que isso, acho fundamental que isso se faça.

Tal como acho útil questionar o trabalho de toda a gente, porque é da crítica séria, desassombrada e frontal que podemos ir melhorando, incluindo questionar o primeiro gráfico que Henrique Oliveira usa para defender a sua tese.

Henrique Oliveira faz este gráfico de forma simples: pega na incidência acumulada a sete dias (aparentemente centrada), medida pelo número de casos, parte do pressuposto de que há dois dias de diferença entre sintomas e registo de teste positivo pela DGS, e mais cinco dias entre contágio e sintomas e faz um gráfico de contágios que é uma deslocação do gráfico de casos para sete dias antes.

Que problemas existem com isto?

Estabelecer dois dias de intervalo entre o início dos sintomas e o registo do caso positivo é manifestamente absurdo. Pode ser que o Instituto Ricardo Jorge, que usa uma técnica que todos as autoridades europeias usam para transformar reposicionar os casos no início dos sintomas, esteja a cometer erros nesse processo, mas o que é verdadeiramente seguro é dizer que é uma tolice dizer que apenas existem dois dias entre sintomas e registo de teste positivo.

Todos nós conhecemos, com certeza, dezenas de pessoas que testaram positivo, eu conheço, mas não me lembro de em algum dos muitos casos que conheço terem passado apenas dois dias entre os primeiros sintomas e o resultado positivo do teste.

Ou seja, o gráfico de Henrique Oliveira precisa de ser recuado pelo menos dois dias (um número que estou a definir arbitrariamente, acho que é curto, mas prefiro errar contra o meu argumento, para evitar qualquer dúvida sobre má-fé), isto é, o fecho de escolas apareceria depois da linha verde do gráfico, bem dentro da descida brutal de contágios e sem qualquer sinal de os ter influenciado.

Assim sendo, a interpretação do gráfico de Henrique Oliveira, que já era fraquinha, torna-se impossível de sustentar: o pico de contágios já não é no dia anterior ao fecho de escolas, mas três dias antes, e a tal demonstração do efeito do fecho do postigo é anterior ao dito fecho.

Tudo isto só discutindo o tempo que decorre entre sintomas e registo de caso positivo, matéria para a qual não tenho informação de qualidade, ao contrário do Instituto Ricardo Jorge que diz que é bem mais que o que diz Henrique Oliveira.

Henrique Oliveira respondeu-me que tinha as previsões fantásticas e que batiam certinhas num relatório oficial que fez. Naturalmente perguntei se podia ter acesso ao relatório.

Respondeu-me que evidentemente que não.

Henrique Oliveira, pelos vistos, desconhece que todos os documentos oficiais são públicos (as excepções estão definidas na lei) e acha normal passar o tempo a influenciar decisões que afectam milhares de pessoas sem disponibilizar abertamente a informação que usa, para que essas decisões possam ser escrutinadas e, por essa via melhoradas.

Duvido que a academia sueca esteja tão viciada como a academia portuguesa no segredo que permite usar a autoridade como argumento.

E isso é uma responsabilidade que a academia portuguesa carrega às costas e um factor brutal que nos empurra para a pobreza e para a fragilidade institucional que nos caracteriza.



12 comentários

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 01.03.2021 às 04:05


"(há coisas muito boas, como o sistema de monitorização da mortalidade, por exemplo)"


Pergunta: Discrimina quem morreu por causa do covid de quem morreu com covid?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 01.03.2021 às 06:17

Não, é um sistema de acompanhamento da mortalidade geral:
SICO - eVM (min-saude.pt)
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 01.03.2021 às 09:40

A ministra Temido terá dito ontem que ainda não percebeu, em se falando de covid, o que se passou no Natal e que também ainda não conseguiu apurar a data exacta em que terá ocorrido o pico maior da epidemia. 
Estará a ministra a ouvir opiniões contraditórias da verdade dos matemáticos, arvorados em cientistas?
Sem imagem de perfil

De balio a 01.03.2021 às 11:07

Também fiquei perplexo com essas declarações da ministra. Será que ela deixou de acreditar na tese de que a culpa foi do Natal?
Sem imagem de perfil

De Susana V a 01.03.2021 às 15:23

E por causa disso os jornalistas caíram-lhe em cima (programa “E o vencedor é” de hoje na radio observador). Porque eles, os jornalistas sabem tudo e perceberam tudo. Que raça... 
Quando conseguirmos olhar para isto com algum distanciamento, o jornalismo vai ficar muito mal na fotografia...
Sem imagem de perfil

De balio a 01.03.2021 às 09:47


não aprendemos, nem fazemos nenhum esforço sério para aprender, apenas nos esforçamos para demonstrar que sempre tivemos razão


Não me parece que esta crítica a António Costa tenha cabimento.


António Costa melhorou muito na gestão da epidemia da primeira para a segunda vaga. Não fez confinamento. Não encerrou as escolas. Fez medidas de acordo com a incidência da epidemia em diferentes partes do território nacional. Tudo diferente daquilo que fizera na primeira vaga. Claramente, reconheceu que errara e tentou corrigir os erros.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2021 às 09:58

eles atrás
elas `frente
Sem imagem de perfil

De balio a 01.03.2021 às 11:05


O resultado de alguém questionar o primeiro gráfico, apresentando este segundo,



Quem é que questionou o primeiro gráfico?


o resultado é o bloqueio de qualquer discussão, com Henrique Oliveira e Jorge Buescu a desconsiderarem o trabalho do Instituto Ricardo Jorge: "Eu fiz o gráfico com dados fidedignos, o pico da incidência registada é mesmo a 29 de Janeiro. ... (sobre o boletim do Ricardo Jorge) "viste o R0? Totalmente errado em todos cálculos que se possam fazer. Fazem correcções arbitrárias não justificadas na literatura das datas das incidências, etc etc etc... Enfim, este boletim corresponde à qualidade de quem o faz..." ... "O INSA repete essa asneira à exaustão desde o princípio. Em nenhuma parte do Mundo é 2. Vivem em Marte? Ignoram totalmente a literatura? Alienação da realidade?" ...  "OLha, na última reunião do Infarmed em que o BN citava o Rt como 0,67, "o mais baixo da pandemia"... estava de facto em 0,82, quer calculado por mim quer pelo Carlos, e já tinha tido um mínimo há 10 dias. Não sei que raio de contas eles fazem!" ... "usam o modelo seird mas de forma totalmente errada..." ... "Acabei de perder a fé nos cálculos do INSA, pelos menos sobre o R." ... "se o R está errado desde o início, e é fácil, imagina o resto...", etc..



De onde vêem estas citações todas? Quando é que Oliveira e Buescu desconsideraram o trabalho do I.N.S.  Ricardo Jorge? Oliveira e Buescu são associados, colaboradores, formam um partido?
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 01.03.2021 às 11:24


A minha caderneta de cromos já não tem espaço para mais. Pelo que não me vou dar ao trabalho de ir ver quem é Henrique Oliveira. 


Mas o que os cromos demonstram quase sempre é uma confusão entre correlação e relação causal. E esse é um erro epistemológico grave, indigno de qualquer cientista que se preze - ignorantes e intelectualmente desonestos excluídos - e habitualmente apanágio dos charlatães e dos vendedores de banha da cobra.


Correlação não é causalidade. Uma correlação, por si só, é incapaz de estabelecer uma relação causal - um princípio científico básico e elementar.


O facto do número de "casos", de "contágios", ou qualquer outro parâmetro descer (sofrer uma variação, no caso geral) após a implementação de uma qualquer medida não-farmacêutica, não implica que essa medida seja a causa da descida do parâmetro. Por uma razão simples: não sabemos qual seria a evolução do parâmetro caso a medida não tivesse sido implementada. A única coisa que se pode afirmar é que existe uma correlação entre a medida e a descida do parâmetro - nunca uma relação causal.


Para se poder concluir que a implementação da medida era a causa da descida do parâmetro tínhamos que dispor de um grupo de controlo onde a medida não fosse implementada e no qual se verificasse um resultado diverso na evolução do parâmetro. Este é, aliás, o princípio subjacente aos ensaios clínicos controlados, onde se tem sempre o grupo da intervenção (pelo menos um), ao qual é administrado o fármaco que se pretende testar, e o grupo de controlo, a que se administra usualmente um placebo. Mesmo assim, não é suficiente que os resultados entre os dois grupos sejam diferentes: eles têm também que ser estatisticamente significativos. 


Fica assim demonstrado, para além das considerações elencadas no post, que as conclusões a que chega Henrique Oliveira sobre os efeitos do confinamento do "postigo" e do fecho das escolas estão feridas de vício formal, ofendem os mais elementares princípios científicos e se situam ao nível do charlatanismo. Se Henrique Oliveira tem pretensões de cientista, devia retractar-se ou demitir-se imediatamente.  
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 01.03.2021 às 12:09

Isto também quer dizer que o governo escolhe os cientistas por critérios pouco científicos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2021 às 12:31

Não deixa de ser curioso que a ministra da saúde, numa entrevista à LUSA, tenha aflorado a questão do frio na incidência da chamada " 3.ª vaga", alegando que poderá ter tido uma influência que ainda não terá sido determinada. https://sicnoticias.pt/especiais/coronavirus/2021-03-01-Marta-Temido-assume-responsabilidades-pelo-Natal-mas-e-cedo-para-explicar-subida-de-casos

“A governante considerou que, para perceber as consequências no aumento de casos em janeiro das decisões tomadas pelo Governo no Natal, é preciso entender o contributo de alguns factos, como o frio, a época de festas e as novas variantes.

"Nós entrámos no mês de dezembro com um nível com o qual todos nos sentimos confortáveis, na relação à pandemia, em termos de pressão sobre os cuidados de saúde. E acho que temos ali três efeitos conjugados", afirmou.

A ministra sublinhou o papel da variante detetada no Reino Unido, que, sabe-se hoje, já estava em circulação: "O Reino Unido só alertou a Organização Mundial de Saúde no dia 14 de dezembro, mas também sabemos (..) que nós sequenciámos os primeiros casos já em janeiro e (...) que hoje conseguimos olhar para trás, com o espelho retrovisor, e antecipar que já tínhamos a variante em circulação".

O frio - "que às vezes é ridicularizado" - e a "menor disponibilidade para adesão às medidas de proteção" contra a covid-19 são outros dos fatores determinantes apontados pela governante.”

É preciso voltar a perguntar aos especialistas: o acontecimento climatérico de frio em excesso, que durante 3 semanas se instalou em portugal, foi tido em conta nos modelos? Sim ou não?




Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2021 às 16:46

Poderá também ser a falta de humidade nesse período. E, ou outros factores que não conhecemos.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Neve da Bélgica à Turquia. Em Portugal desde o fim...

  • Anónimo

    E para não deixar morrer o assunto, um texto escla...

  • Jose

    Ontem, já era tarde. Urge a necessidade, até para ...

  • Jose

    Esses acontecimentos começaram a 19 de Abril, con...

  • Anónimo

    Os nossos governantes já deixaram de governar para...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D