Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Henrique Neto, a politica energetica e o regime

por Jose Miguel Roque Martins, em 04.08.20

 

henrique neto .jpg"Porque fizeram o que fazem todos os governos socialistas, transformar erros de gestão em dívida. Até quando vamos deixar que estes erros e as roubalheiras sejam pagos pelos nossos filhos e netos?"

Ontem, no Observador, Henrique Neto, apresentou um excelente artigo, em que denuncia, mesmo sem casos de policia,  a  péssima Política Energética Nacional, mais  uma das muitas razões pelas quais somos pobres. E espanta-se com mais do mesmo, a propósito da nova coqueluche do regime, o Hidrogénio Verde. Outro elefante branco em gestaçao. È evidente que, assim, não vamos lá. 

Destacado militante socialista durante décadas, Henrique Neto, Homem integro sério e inteligente, não conseguiu manter a sua filiação política de décadas. Nem conseguiu deixar de ter um resultado pifio na sua candidatura á Presidencia da Republica, uma inevitabilidade conhecida, superada pela sua vontade que a politica conte com vozes desinteressadas e lucidas. 

Porque se afastam tantos Homens grandes dos partidos politicos? 

PS: É cada vez menor a crença nos partidos do arco do poder. Os resultados do regime justificam a tendência. Ou há uma regeneração rápida destes  partidos,  ou vamos ter populismo a sério. 



23 comentários

Sem imagem de perfil

De Isabel a 04.08.2020 às 11:44

Quem decide o resultado das eleições é a tv. Imaginem o seguinte: durante as próximas presidenciais, Marcelo aparece uma vez por semana 10 minutos na tv e Ventura aparece todos os dias 5 horas em vários programas. Quem vos parece que ganhará as eleições? Têm dúvidas?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.08.2020 às 13:28

Excelente post. 
Henrique Neto era o meu candidato favorito na altura, por todas as qualidades que o JMRM apontou e muitas mais. E nem sequer pertenço àquela área política. Tive pena de ter de converter o meu voto em voto útil, mas, à época, era urgente travar certa candidatura. O papel de HN em Belém seria bem diferente daquele a que hoje assistimos. Mas não voltarei a repetir o erro.
Sem imagem de perfil

De PNFerreira a 06.08.2020 às 13:45

Subscrevo por inteiro as suas palavras. E sublinho com vigor (e embaraço...) a última frase.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.08.2020 às 13:41


JM Roque Martins:


-----Se juntar isto:


"Com uma presença de 2 em 2 meses no Parlamento, é pouco provável que a oposição consiga agora escrutinar ao pormenor as acções do actual Governo, como é próprio de um Estado de Direito de tradição ocidental, com a agravante de nos encontrarmos às portas de uma crise devastadora. Juntando a isto uma comunicação social, cuja independência, rigor e escrutínio nunca foram fortes, e um histórico de corrupção e compadrio entre elites políticas e grandes empresas, temos o caldo cozinhado para um desastre colossal."


-------a isto:


"com um escrutínio na Assembleia reduzido aos mínimos, por muito que pense que está a retirar palco a Ventura, Rio está a abrir-lhe mais uma vez a porta para que este se afirme como a única voz da oposição. O crescimento do Chega resulta muito mais da complacência e conformismo da direita do que se possa pensar."





Tem a receita para o crescimento do populismo a  sério. E de quem é a culpa?!


(tirado daqui)
https://observador.pt/opiniao/a-direita-a-procura-do-preste-joao/ (https://observador.pt/opiniao/a-direita-a-procura-do-preste-joao/)





Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 04.08.2020 às 17:46

Pois é, o outro também era muito honesto era tão honesto que eu tinha de nascer duas vezes para ser igual a ele. Mas depois apareceram as acções manhosas, a quinta da coelha, o saco azul do BES, enfim tudo coisas íntegras.
Criticar é fácil, fazer é um bocadinho diferente. Porque é que esse senhor não apresenta soluções?
Deixem governar quem está a governar e as eleições se encarregarão de punir os responsáveis. Tal como fizeram quando correram com o passos.
Imagem de perfil

De Jose Miguel Roque Martins a 04.08.2020 às 18:38

Na minha opinião, a alternância dos actuais partidos não tem corrido bem. 
Somos um pais na cauda da Europa em termos de riqueza, sem que eu encontre uma explicação que não seja incompetência. Mesmo os casos de policia que têm acontecido não justificam tanta falta de criação de riqueza. 
Acredito que os partidos tradicionais mudam, surge um novo que seja bom e tome conta do poder ( pouco provável) ou então vamos continuar alegremente a marcar passo. 



Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 04.08.2020 às 19:55

Você tem razão os actuais partidos são medíocres. Mas veja a alternativa de votar nas extremas.

Veja o que aconteceu em Espanha, quanto tempo é que tiveram para formar governo? E o governo é melhor?

Para governar é cada vez mais necessário arranjar consensos, não só nacionais mas também internacionais.

Olhe para Cuba (supondo que o povo apoiava o governo) o que é que o povo ganhou em manter aquele regime?

Agora em ponto mais pequeno. A reivindicação dos professores. O que é que os professores ganharam com o extremismo do Mário Nogueira?

Casa onde não há pão todos ralham e ninguém tem razão. É evidente que esta “crise pandémica” rebenta com qualquer economia e isso inevitavelmente dá origem a populismos e os populismos dão origem a ditaduras. A ascensão do Hitler por exemplo teve a sua origem numa crise económica.

Cabe a cada um de nós manter a lucidez necessária para distinguir o trigo do joio. Caso contrário aquilo que iremos obter nas próximas eleições é uma vitoria de Pirro.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.08.2020 às 15:54

Acho que a sua observação acerta na mouche do dilema. Se nada fizermos ( continuar a votar nos de sempre) continuamos com a mediocridade do costume. Se votarmos em partidos de protesto ou pequenos, gera-se a ingovernabilidade. 
Apesar de tudo, acredito que os partidos de poder têm que perceber que têm que mudar. Não é para eles confortável fazerem coligações com extremistas. 
Se conseguem mudar, o que é realmente o ideal, é que não sabemos! 
E no entretanto, como em Portugal, lá temos o PS atrelado a pior que por cá anda! 
Sem imagem de perfil

De Iletrado a 04.08.2020 às 21:01

Jose Miguel Roque Martins
O que é o populismo?
Boas pedaladas.
Imagem de perfil

De João Sousa a 04.08.2020 às 21:31

Em 2011, Henrique Neto foi o convidado de Mário Crespo no Plano Inclinado, programa da Sic-Notícias. Nesse programa, Henrique Neto falou muito criticamente da influência que a maçonaria tem no PS. Na semana seguinte já não ouve emissão do Plano Inclinado: o programa fora "suspenso para ponderação". No universo de Harry Potter, havia "aquele-cujo-nome-não-deve-ser-pronunciado". Para António José Teixeira, na altura director de programas da Sic-Notícias e eterno satélite do poder socialista, há "organizações fraternas" cujo nome também não deve ser pronunciado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.08.2020 às 09:14

João Sousa, nem mais. E uma influência muito maior e muito mais perniciosa do que nós julgamos, pobres ignorantes profanos. Pretendem um Homem Novo? Novinho em folha? Uma outra "civilização", não a que tínhamos. Pois o seu esboço ou projecto  (como queiram) está aí, bem à vista para quem queira "ver". Já foi demolido o "Trono" e ao "Altar" já só falta um bocadinho. O resto vem por acréscimo... em grande, mas de joelhos diante de um outro "altar". 

Segui sempre esse programa de que fala e todos nós constatámos como se cumpririam as profecias feitas por Medina Carreira. Não faltaram avisos sábios alertando (para quem quis ouvir) daquilo que se estava a passar com a governação da altura e do desastre que se seguiria em consequência. Estava mesmo à frente do nariz que iríamos bater estrondosamente no fundo e em cheio, mas como sempre... ninguém fez caso. Como a Cassandra que também ninguém ouviu.
E cá estamos a pagá-lo até hoje. Mas  pior "mesmo" é essa incapacidade que se mantém de grande parte das pessoas não conseguirem relacionar e estabelecer nexos de causalidade. Continuaremos pobres e cada vez mais, mas sobretudo pobres de espírito. E com um problema persistente de iliteracia, acrescento. Porque é aí, principalmente,  que reside a relação verdadeira com tudo o resto. Um povo inculto, pouco educado/instruído é pouco atento e pouco dado a exigências com o "resto".  E como os fizeram    (intencionalmente) dependentes e  estão em maioria,  é a vontade da maioria que prevalece. E assim "levamos" com  governos a quem dá um jeitaço (oh! se dá!) de que tudo, assim, se vá mantendo e perpetuando. Alimentam-se uns aos outros... e estamos nisto, sem solução à vista. Um caso de estudo.
Tudo isto é tão confrangedor e de uma indigência tal, que dói. Refiro-me aos governantes. Que gente é esta? Que nos tem apoucado de forma continuada?  E consentido que nós e a nossa História sejamos rebaixados, enxovalhados e o nosso passado insultado? E permitido que um povo seja calcado e tenha de suportar tamanha humilhação? 

Onde há quem nos possa _ com um golpe de asa _  valer?  

LR



Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.08.2020 às 15:56

 O paradoxo é exatamente o afastamento daqueles que poderiam mudar, para melhor, a classe política. Como podem os potencialmente melhores políticos chegar ao poder? 
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 05.08.2020 às 16:41

É tão reconfortante saber que a culpa disto estar mal é sempre dos outros. Ah! Malvado governo, malvada democracia.
Porque é que as maiorias é que têm de prevalecer? Porque é que o meu voto num partido insignificante não tem mais valor?
Vem Dom Sebastião, vem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.08.2020 às 17:35

Julgo que o D. Sebastião regressaria de bom grado à sua Ilha envolta em nevoeiro, se visse como  lhe puseram o país.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.08.2020 às 19:02

Não faça julgamentos precipitados, Carlos Sousa. O que lhe permite dizer ou concluir que eu esbanjo o meu voto em pequenos partidos? Não o faço.
E se está satisfeito com esta nossa democracia, tão peculiar, ainda bem e que lhe faça bom proveito.
Não é uma questão de exigência, mas gostaria de uma Democracia mais consolidada, o que só se atinge com um investimento profundo e sério na Instrução, na Educação, na Cultura, na Ciência. Não tem sido essa a opção feita. Acredito que pessoas mais informadas e eleitores mais atentos ao país, fazem escolhas mais esclarecidas . Não concorda? Sabe, o tal "elevador social" é uma urgência e faria toda a diferença, traria uma grande mudança ao país, de facto. Mas... o que temos é um país muito pobre a quem criaram dependências. Vota-se  com os bolsos. Vazios, a maior parte das vezes, infelizmente. Foi isso que eu disse e sublinhei. Agradeço, pois, que não faça interpretações precipitadas ou veja intenções enviesadas nas minhas palavras.
LR
 
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 05.08.2020 às 21:41

Ó LR,

Eu não estou satisfeito com esta democracia, nem me está a fazer bom proveito.

O que eu acho é que não podemos confundir a estrada da beira com a beira da estrada.

É muito bonito idealizar um país com o tal elevador social, o povo todo ilustrado, os governantes seríssimos, enfim o país das maravilhas.

Mas a realidade infelizmente, é outra. Temos o país que temos, com o povo que temos e com os governantes que temos. E temos de olhar para a maioria como a única forma de garantir uma governação estável para todos.

Fazer eco dos profetas da desgraça obriga o tal “povo inculto” a procurar a solução nos populismos e lá estamos nós a perpetuar o sistema.

Eu não faço interpretações precipitadas, não gosto é de julgamentos baseados apenas na ideologia. Se há culpados são todos da extrema-esquerda à extrema-direita e nós como eleitores também não estamos isentos.

Seja para o bem ou para o mal somos todos responsáveis pela forma como está o país, dizer que os outros fizeram mal e que eu não contribuí em nada, não é uma forma séria de falar sobre a situação do país.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.08.2020 às 09:45

Finalmente! Chegou ao cerne da questâo e parece-me que clama por mudança, ao afirmar:


" estamos a perpetuar o sistema" ;  "nós como eleitores também não estamos isentos (de culpas) ". 


Contudo, também considero algumas das suas afirmações de um fatalismo muito conformado e sem esperança :
 " a realidade infelizmente é outra, temos o país que temos, com o povo que temos e com os governantes que temos" (sic). 
 Ora eu não vejo nenhuma razão para não podermos mudar e termos: 
 "o  povo todo ilustrado, com governantes seríssimos, enfim, o país das maravilhas"(sic). 
Parece-me que aceita com muita resignação a nossa triste realidade como um Destino ou um desígnio contra o qual não se pode lutar.  Parece-me ver aí uma desistência de quem já não acredita numa mudança no seu país. 
Na minha opinião, acho sempre que podemos contrariar a situação, mudar e melhorar.
 Por isso, insisto (para voltar de novo ao mesmo princípio): em nome de uma Democracia melhorada,  mais avançada e mais desenvolvida é urgente tornar os cidadãos mais informados e mais instruídos. Não há outra maneira. Essa é a base de tudo e a maior riqueza dum país. Caso contrário, continuaremos como sempre, anquilosados, atrasados, com baixos salários, com baixas qualificações, sem perspectivas, sem futuro  e submissos, quietos, mansos e contentinhos na "cauda da Europa". Não aceite isso, considere que cidadãos mais esclarecidos não se deixam manipular facilmente e exigem melhores governos e não os largam, fazendo atentamente o escrutínio sistemático dessa governação. Temos pago muito caro porque a nossa pobre democracia tem-se resumido praticamente ao acto de votar e esgota-se aí. Depois "desliga-se", cada um vai à sua vida e  passa-se um cheque em branco ao poder. E tudo por não saberem _ não relacionam? _ que também eles têm um grande poder na mão. Na caneta, mais propriamente.
LR


PS- Acha mesmo que a procura de "uma governação estável" é sinonimo de boa governação? É que nós já tivemos esse  grande, enorme  exemplo de estabilidade. Parece que durou 48 anos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.08.2020 às 10:50


Mas não deixe de ler o interessante texto que segue, pois é o melhor exemplo de que um grande investimento em políticas públicas em Educação é o caminho e a prioridade para o nosso país.


https://observador.pt/opiniao/mais-vale-acabar/ (https://observador.pt/opiniao/mais-vale-acabar/)

(da autoria de João Pires da Cruz)
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 06.08.2020 às 11:12

Ó LR,
O que tivemos durante 48 anos não foi uma governação estável, foi uma governação imposta, não confunda.
E também não sou fatalista sou realista.
O que é que ganhamos, como povo, em estar a alimentar utopias?
Não acha que contribuímos melhor para o bem comum, se cada um de nós fizer o seu papel?
E é precisamente o facto de haver cada vez mais gente a não " desligar" depois de votar
que faz com que o sistema tenha a sua progressão. Não é com a rapidez que o LR gostaria, mas é aquela que no actual contexto melhor serve o país. 
Olhe para o caso de Espanha, quanto tempo tiveram para formar governo?
Acha que o governo deles é melhor que o nosso? Para não falar do regime...
Ó LR não se foque nas coisas más, pense no que temos de positivo e no que pode fazer para ajudar a melhorar. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.08.2020 às 12:04

Não quero essa progressão, que pressupõe um movimento lento, um arrastar contínuo e sem fim.
Quero acção, eficácia e rapidez para ontem. Mudança.
LR
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 06.08.2020 às 13:25

Bom, sendo assim, só mesmo uma revolução. Vamos embora a isso, e apoio já temos? Quantos são?
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 05.08.2020 às 19:24

Pois, foi por o país estar tão bem que o Sebastião fez o 25 de Abril. 
A não ser que você tenha a mesma teoria que o outro quando dizia que o país estava melhor mas as pessoas é que não percebiam. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Elvimonte

    "Já agora quanto há Vit. D" Ah... Há de facto carê...

  • Anónimo

    O problema não está só nos "pivôs", nas suas forma...

  • voza0db

    Basta ver que para se entrar para uma faculdade de...

  • voza0db

    Pois...O engraçado é que em pleno século XXI ainda...

  • Anónimo

    Como não sou negacionista sobre a existência deste...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D