Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Haverá um preço a pagar"

por henrique pereira dos santos, em 21.12.20

Gosto de Carlos Antunes.

Não concordo nada com a sua interpretação da evolução da epidemia - Carlos Antunes resume tudo a medidas para a frente e medidas para trás e eu acho que há muitos mais factores em jogo, sendo o efeito das medidas muito discutível e, quiçá, pouco relevante - mas tem uma qualidade rara: dá atenção a toda a gente que comenta o que escreve, nunca o vi perder o registo racional e cordial na resposta às objecções, etc..

Desta vez, de acordo com mais uma peça de campanha do Observador, terá dito o que transcrevo: "“É uma decisão política que resulta do peso de dois aspetos: a reparação económica ou a saúde pública. A decisão cabe à instância política, mas qualquer decisão terá um preço a pagar. Se a reparação económica pesa mais, a consequência serão mais casos, mais internamentos e mais mortes”, diz o investigador, que trabalha com o epidemiologista Manuel Carmo Gomes no aconselhamento científico ao Governo."

A peça em si não me merece muito comentário, tanto mais que a única especialista em epidemias que o Observador foi consultar (os outros são especialistas noutras coisas, medicina familiar, medicina intensiva, matemática aplicada, enfim, coisas úteis para produzir informação que permita gerir uma epidemia, mas são são especialistas em epidemias, como um especialista em borracha não é especialista em fórmula um mesmo que os pneus dos carros sejam fundamentais para o seu desempenho) é afinal favorável a uma gestão equilibrada do Natal.

O que me interessa é mesmo a frase de Carlos Antunes de que qualquer decisão terá um preço a pagar, a adaptação à epidemia da célebre ideia de que não há almoços grátis.

Para tomar uma decisão, ou mesmo para ter uma opinião, seria preciso saber qual o preço a pagar pelas diferentes decisões, visto que todas têm um preço.

Carlos Antunes diz que celebrar o Natal com as medidas em vigor em Portugal tem um preço em mais casos, mais internamentos e mais mortes.

Sensatamente não nos é dito quantos mais casos, quantos mais internamentos, quantas mais mortes.

Mas convém ter a noção de que o preço estabelecido por Carlos Antunes para a ausência de medidas anteriores foi manifestamente acima do que se verificou, em casos, em internamento e em mortes.

Já agora, o preço que Fauci estabeleceu, em casos, internamentos e mortos, para os Estados Unidos, por causa do thanksgiving também foi manifestamente exagerado.

Pelo contrário, o preço que se conseguiria diminuir no Reino Unido e na Alemanha com as medidas tomadas no início de Novembro, não se verificou, estando o preço a ser bem mais alto do que o previsto.

Daqui não se pode concluir nada sobre a qualidade do trabalho destas pessoas todas, a única coisa que se consegue concluir é que a margem de erro associada a este tipo de previsões é altíssima (por exemplo, as previsões das autoridades suecas sobre o Outono/ Inverno e sobre a imunidade de grupo, com base numa abordagem substancialmente diferente, também se revelaram muito pouco precisas).

Mas o mais estranho no que é dito por Carlos Antunes - e por todos os outros com excepção de Elisabte Ramos - não é o facto de ignorarem a incerteza nas suas previsões, mas não considerarem o preço a pagar por se adoptarem as medidas que defendem, nas outras dimensões do problema, a principal das quais é o aumento  da pobreza, quer da pobreza mitigada a que as nossas ricas sociedades conseguem ir dando resposta - pela primeira vez a Unicef distribui apoio alimentar de emergência no Reino Unido - quer a probreza extrema que se verifica maioritariamente em países do terceiro mundo, com estimativas entre 50 a 100 milhões de pessoas a voltarem a ter de viver abaixo do limiar da pobreza extrema.

A pobreza mata e para tomar decisões equilibradas é preciso saber, em relação a cada medida, se os seus efeitos globais têm um saldo positivo ou negativo.

À boa maneira do pensamento mágico que apenas olha para a facturação das empresas e não para os custos, estamos a tomar decisões com o objectivo de melhorar o desempenho de uma das componentes do problema, sabendo que o grau de incerteza sobre o seu efeito é altíssimo, ao mesmo tempo que decidimos, conscientemente, ignorar todos os custos associados às decisões tomadas.

Já não falo, sequer, na forma como vários médicos falam do assunto pondo a tónica no seu cansaço e na capacidade de encaixe dos serviços de saúde, como se a capacidade de encaixe dos serviços de saúde, e o cansaço dos seus profissionais, não fossem consequências de opções políticas de gestão do sector, incluindo coisas espantosas como a permanente oposição da Ordem dos Médicos à liberalização do ensino de medicina em Portugal, achando normal que para defender o status quo no sector, todo o resto da sociedade deva empobrecer e aguentar sacrifícios que estão muito para lá do exigível.

Honra seja a Elisabete Ramos, a única especialista em epidemiologia que o Observador resolveu ouvir, que insiste em que as decisões sejam tomadas olhando para os dois pratos da balança.



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Foi precisamente isso que foi feito com o primeiro...

  • Anónimo

    É aquilo que se faz com os eucaliptos.Quando se co...

  • henrique pereira dos santos

    No fundo foi o que fizemos antes do último fogo, m...

  • Anónimo

    os novos deuses humanos querem contrariar a nature...

  • Susana V

    Interessante. Não seria mais eficaz deixar toda a ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds