Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Foi a MTV que trouxe popularidade e imagem à música ligeira. Música para todos e a visão dos seus intérpretes em todos os ecrãs. Depois, lentamente, insidiosamente, os discos passaram a ser feitos para a MTV, ou seja, com quantidades crescentes, crescentemente vistosas e aceleradamente curtas de filmes, instantâneos, flashes e explosões. Por fim, o lado negro da Força ganhou: os videodiscos passaram a ser peças publicitárias nervosas, com cadências cada vez mais extremas. E a música foi despromovida a subproduto.

Todos os anos, por esta altura, a cerimónia dos Grammy consagra esta aberração.

Os Grammy de 2014 abriram com Beyoncé. Intérprete poderosa e sensual de composições totalmente olvidáveis, Beyoncé trazia uma novidade. Sentada, em exercícios de ginástica sobre uma cadeira (há quem diga «coreografia»), entoou outra inanidade, mas de forma algo nova: cantava apenas um fio minimalista da canção; mas esse fiozinho despojado ia sendo assoberbado com uma orquestração majestosa, e fumos, e jactos de luz, e estrelinhas e convulsões. Em vez da velha «wall of sound», que era do próprio corpo das canções, uma «wall» de coisa nenhuma, sensacionalista e vaporosa. As duas canções seguintes seguiram o mesmíssimo formato. Veio Katy Perry e cantou também a mera medula de uma canção, mas, novamente adornada com um pleno de «sound and fury meaning nothing». Veio depois Ella Maria, dos Lorde, e, em vez de respeitar a sua notável «Royals» seguiu a linha da moda: assumiu pose e gestualidade de deficiente motora, e cantou a espinha dorsal de «Royals» (que assassinou, de passagem) enquanto a regie a envolvia numa vaga de adornos inconsequentes.

Não era, portanto, um acaso. Era, portanto, uma tendência.

Não foi, assim, de espantar que se lhe seguisse Pink a fazer exercícios em cordas suspensas, mal cantando o que tentava cantar por estar a braços (e pernas) com duras solicitações ginásticas.

A música, essa, é que andava longíssimo, perdida, a coitadinha. Mas para fingir que não, o alinhamento trouxe de seguida, e em sucessão, dois números de voz e piano. Um, de John Legend, cujo nome só por si convida à maior desconfiança, outro, de Taylor Swift, loirinha, bonitinha e miúda popular, e ambos magnificamente medíocres e inultrapassavelmente esquecíveis.

Talvez com a intenção cavilosa de prevenir quaisquer saudades do passado, apresentou-se a incomparável banda Chicago Transit Authority que, no entanto, sujeita ao lastro de Stevie Wonder, que lhe penduraram à ilharga, pouco conseguiu produzir. E houve ainda vez para Willie Nelson e Kris Kristoferson que, como talvez também fosse desejado, demonstraram que já não devem cantar (e em público muito menos).

E de música, de música-música, de música propriamente?

De música houve pouquíssimo, embora alguma coisa.

A nostalgia de ouvir Ringo Starr; a confirmação, com Paul McCartney, de que a música dos virtuosos empalidece os modismos (e a alegria suplementar de ver a bruxa Yoko Ono dançando confrangedoramente ao som dos acordes de Paul); os magníficos Imagine Dragon, embora albardados com um dispensável Lamarr; a voz envolvente e superior da nova cantora country Kacey Musgrave (e o inesquecível metro e meio de pernas que a sustenta); a jovial impertinência dos Daft Punk e de Pharrel Williams; e - sobretudo, sobretudo - a voz original, poderosa, notável do rapper branco Macklemore, de que, felizmente, ouviremos falar muito mais, e de quem, como tudo indica e promete, teremos ainda muita música e poesia.

As coisas acabaram, portanto, e apesar de tudo, bem?

Não. A vacuidade nunca desiste. E, assim, o espectáculo não terminou sem uns minutos de insuportável Madonna, e uma cerimónia de troca pública de alianças entre umas dezenas de casais, entre eles, curiosamente, até heterossexuais.

Nos Grammy é assim. Pode a música intrometer-se brevemente, mas o natural dos Grammy logo regressa a galope: lantejolas em profusão, politicamente correcto à desfilada, fogos de artifício em barda, flashes, fumos e derisão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Imagem de perfil

De João Távora a 30.01.2014 às 17:27

Gostas dos Daft Punk, José?
Imagem de perfil

De José Mendonça da Cruz a 31.01.2014 às 13:49

Muito. Escapar ao tédio da corrente é obra!
Sem imagem de perfil

De David Calão a 30.01.2014 às 18:29

"o rapper branco", ena...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eu não faço exigências irracionais: se os jornais ...

  • Anónimo

    Mas eu também vi cabras sapadoras a destruir os po...

  • Luís Lavoura

    é inevitável haver conflitos entre pastorícia e ag...

  • Luís Lavoura

    O Henrique faz exigências irracionais aos jornalis...

  • Anónimo

    Os fogos resolvem-se antes de se necessário apaga-...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D