Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ganhar tempo

por henrique pereira dos santos, em 31.10.20

O governo (deveria escrever o Governo, talvez, porque é este e os outros) podem ter os mais diversos especialistas como conselheiros, que todos concordarão numa coisa: numa doença infecciosa respiratória, há uma subida da incidência, um pico ou planalto e uma descida.

Isto é certo como os impostos.

O problema central dos governos que têm medo de ser claros sobre o que é um surto epidémico, admitindo logo à partida que não há surtos de doenças altamente infecciosas, potencialmente fatais, sem mortes e hospitalizações, é gerir a expectativa de eleitorados que acreditam piamente que tudo o que acontece no mundo é controlado por nós - "e se todo o mundo é composto de mudança, troquemos-lhe as voltas que ainda o mundo é uma criança", acrescentou José Mário Branco ao soneto "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades".

Reconhecendo isto, António Costa não se engana no que é a sua prioridade: chegar politicamente vivo ao fim das fases mais dramáticas da epidemia.

Como adoptar medidas radicais de confinamento liquida a base económica do país e da legislatura, a opção estratégica passa a ser bastante mais simples.

O fundamental é tomar medidas que, ao mesmo tempo, sejam simbolicamente fortes e práticamente irrelevantes para a economia. Terem ou não algum interesse para a gestão da epidemia passa a ser uma questão secundária: se possível, que sejam positivas para a gestão da epidemia, claro, mas se não for possível, paciência, os placebos servem perfeitamente para gerir a confiança e criar escapes para o medo.

O que levanta o problema da gestão do peso simbólico no tempo: se disparo um canhão agora, fico sem essa possibilidade no futuro.

António Costa tem sido bastante competente na gestão deste equilíbrio político frágil.

Primeiro toda a gente fala em três mil casos nos dias seguintes, preparando medidas muito visíveis, como a imposição de máscaras ou a proibição de circulação entre concelhos, qualquer das duas com tantas excepções que passam a meras "recomendações agravadas".

Depois os casos são mais de quatro mil, marca-se um conselho de ministros extraordinário para falar de medidas futuras e tomar algumas medidas imediatas com as mesmas características das anteriores (como o recolher obrigatório, por exemplo).

Começa a falar-se de um confinamento mais alargado no princípio de Dezembro, o que dependerá de como estará o nível de contágios, hospitalizações e mortes nos dias anteriores.

E o Natal vai servir de fusível: se o pico, ou planalto ainda não for evidente e o medo tiver crescido o suficiente, tomam-se medidas muito radicais (com excepções, claro), mas se o pico ou o planalto for suficientemente convincente (como é possível, nessa altura terão passado três meses desde o começo da subida acentuada de casos e dois meses da subida de mortes), pode anunciar-se que o êxito das políticas de contenção permitem um Natal mais distendido, salvando o ano comercial de muitas empresas e diminuindo a pressão social.

Desengane-se quem queira ler as medidas à luz da sua consistência com a ideia de que é preciso fechar tudo e o mais rapidamente possível para evitar males maiores: António Costa já não acredita nisso e está apenas a executar a política defendida na declaração de Great Barrington, sem o dizer a ninguém.

Podia ser pior, António Costa podia mesmo acreditar nos falcões do fecha tudo e já, e agir em conformidade, em vez de estar, como está, meramente a ganhar tempo sem ser responsabilizado pelo que suceda, responsabilidade que, em qualquer caso, já endossou aos cidadãos mal-comportados.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.10.2020 às 18:00

Dos seus melhores textos. Muito bem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.10.2020 às 22:23


Os testes para detetar este virus têm que ser capazes de registar qualidade e quantidade, em cada caso de infectado.
Qualidade (quando à virulência) do vírus em cada infectado pois o vírus vai perdendo virulência.
Quantidade, o potencial, o estado de exito do vírus, a situação viral em cada caso de infectado, "doente" ou não.
A imunidade do grupo obtem-se porque indivíduos de um grupo contactam outros do mesmo grupo, não intensamente.

Esses outros já "infectados", assintomáticos, com o seu organismo resistindo ao vírus, "infectam" os outros com pequenas quantidades de vírus já com pouca virulância. Por sua vez estes, com sucesso, criam "facilmente" anti-corpos.
Uma caracteristica de este vírus, nos humanos, é provocar uma hiper reação do sistema imunitário, sendo esta a causa do colapso do organismo infectado. Este vírus, artificial, demasiado diferente do usual cria uma reação impar, prejudicial.

Com todo mundo fechado em casa nada disto jamais acontecerá.
Sem imagem de perfil

De V.Valente a 01.11.2020 às 01:35

declaração de Great Barrington.... ???  Essa é aquela com milhares de assinaturas médicos... que nao existem ? LOLLOL  Que qualquer ignorante no tema como o HPS pode la ir e assinar como médico ?  ah essa !   Ok

A esta altura do campeonato continuar com essa lenga lenga... começa a sair da paródia e a entrar no criminoso
Sem imagem de perfil

De Susana V. a 01.11.2020 às 08:10

Tem toda a razão. É isto.
Imagem de perfil

De Bic Laranja a 01.11.2020 às 08:55

Mais uma em cheio. Mas é memo.
Cumpts.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.11.2020 às 00:47


Já pensaram que números "ocorrência de infectados" todos os telejornais apresentariam se ano passado tivessem andado a testar as mesmas populações sobre ocorrência de vírus da gripe comum sazonal?.
Já se percebeu que não se deve confundir a comprovada letalidade de este covid com "ocorrência de infectados".
E a letalidade de este "covid" deve-se também ao facto de na infância e mesmo na juventude, ainda com um pertinente activo sistema imunológico, o nosso organismo não ter sido exposto a este artificial, incomum e invulgarmente extra-sazonal, vírus.

Claro que enquanto não houver vacinas faz todo o sentido seguir atentamente as medidas de precaução actualmente preconizadas pelas autoridades.     

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Vasco Silveira

    ..." temos 3 instituições: as forças armadas, os b...

  • Anónimo

    Pois! Isso foi notícia. Mas é claro, indignnações ...

  • Jose Miguel Roque Martins

     O problema é parecer ou  querer serem p...

  • Anónimo

    Os militares não actuam de livre vontade. Tem que ...

  • Anónimo

    Brilhante artigo. Mais um crme da responsabilidade...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D