Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fechar os olhos aos problemas

por henrique pereira dos santos, em 25.02.24

"Sim e demorou sete anos. Um terreno comprado à Câmara de Lisboa, com luz verde, num leilão, demorou sete anos para ser aprovado".

Esta é a resposta de Pedro Soares dos Santos à pergunta sobre a nova sede do grupo Jerónimo Martins, cujo projecto foi aprovado há meses, pelo que li.

Estamos a falar de um edifício vendido pela própria câmara municipal, em leilão, para o uso que terá e, mesmo assim, demora sete anos a ser aprovada a sua construção.

No Barreiro corre a história, que nunca confirmei, de que quando Alfredo da Silva decidiu fazer as fábricas que fez no Barreiro, quis contratar um projectista francês (se não me engano, para a história isso é irrelevante).

Quando o informaram de que sim, seria possível contratar esse projectista, mas isso atrasaria o começo das obras em um ano, perguntando-lhe o que fazer, terá respondido que plantassem batatas.

Mesmo que a história não seja verdadeira serve para ilustrar a ideia de que um investimento parado é destruição de valor e o país acha normal que entre o momento da venda do terreno pela Câmara e o início das obras passem sete anos.

Se fosse um caso isolado, enfim, era mau, mas era um caso isolado, mas o quarteirão da Artilharia Um está há 19 anos em bolandas (vale a pena ler o que escreve sobre o assunto Margarida Bentes Penedo) e poderia dar milhares de outros exemplos, para quem não repara nos tempos infindos entre um edifício ter uma placa de obras e realmente entrar no mercado.

Não se pense que é apenas na construção que é assim, é em tudo e, infelizmente, não é apenas no Estado (basta pensar no tempo infindo que gastamos em atrasos no princípio das reuniões e no facto de em muitas organizações não ser habitual definir uma hora de fim das reuniões).

Diz-se que Jardim Gonçalves se recusava a começar fosse que reunião fosse sem ter a acta escrita (durante a reunião poderia mudar-se o que fosse preciso, claro).

O país tem um problema sério de eficiência e o Estado potencia brutalmente essa ineficiência e, no entanto, andamos entretidos, numa campanha eleitoral, a discutir o que farão os partidos que perderem em vez de se pretender saber o que farão os partidos que ganharem.

A nossa capacidade de fechar os olhos para não enfrentar os problemas é homérica (a tal ponto que ninguém pergunta a ninguém do PS o que pensa das opções políticas do partido no tempo de Sócrates, não estou a falar das questões de justiça, essas podem ir sendo discutidas nos sítios que se quiser, mas o PS e os seus dirigentes de então, que são os mesmos de hoje, nunca foi confrontado com as suas responsabilidades anteriores à troica e que conduziram à troica e à assinatura do memorando de entendimento, o que é extraordinário, tendo em conta o sarilho em que nos meteram).


22 comentários

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.02.2024 às 22:47

Masi uma vez reflexos do nosso desastrado jornalismo...
Sem imagem de perfil

De anónimo a 26.02.2024 às 01:30


"...e, no entanto, andamos entretidos, numa campanha eleitoral, a discutir o que farão os partidos..."
"...mas o PS e os seus dirigentes de então, que são os mesmos de hoje..."


Ora aí está a consequência de um sistema eleitoral em que se vota em partidos: impunidade perpétua, total, em relação aos erros cometidos por governos dependentes dos partidos e não dos eleitores. Óbviamente que os dois partidos, PS e  PSD, estão de acordo em manter o actual sistema eleitoral. E não há PR que se atreva a mudar tal deturpação da democracia.
Além disso o método de Hondt soma grosseira iniquidade ao criar deputados eleitos com 1/3 dos votos!, de outros, mas com o mesmo poder nas votações do "democrático" hemiciclo. Doentia e nada democrática estabilidade.

Os resultados de semelhantes governações, após meio século, são bem visíveis.



Por outro lado democracia eleitoral é outra coisa. Num sistema eleitoral em que os eleitores votam escolhendo o seu candidato a deputado, uninominalmente, tudo é diferente. Um deputado que não o mereça nunca será re-eleito. Tal como um Primeiro Ministro.
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 26.02.2024 às 02:17

"... suas responsabilidades anteriores à troica e que conduziram à troica e à assinatura do memorando de entendimento, o que é extraordinário, tendo em conta o sarilho em que nos meteram)." (HPS)


A primeira vez que lhe mostrei gráficos de dívida pública de vários países foi em  11/10/2023 em comentário que escrevi neste seu post https://corta-fitas.blogs.sapo.pt/nao-gosto-que-me-enganem-e-uma-coisa-8039764 .


A segunda vez que o fiz foi recentemente, em 23/2/2024, em comentário  neste seu post https://corta-fitas.blogs.sapo.pt/mais-alem-8176389 .


Como parece não ter olhado para os gráficos, ou não ter aprendido nada com aquilo que é neles mostrado, volto a insistir. 


Primeiro gráfico: evolução das dívidas públicas alemã e portuguesa 


https://d3fy651gv2fhd3.cloudfront.net/charts/germany-government-debt.png?s=germanygovdeb&v=202402241011V20230410&w=850&h=400&d1=19990304&url2=/portugal/government-debt
(alternativa: https://tradingeconomics.com/germany/government-debt , mas necessita de trabalho no gráfico de 25 anos) 


Até 2013 nota alguma diferença substancial no andamento das curvas de dívida pública alemã e portuguesa? Não acelera o crescimento das duas dívidas a partir de 2008, aquando do início da crise chamada de Grande Recessão? Porque continua a omitir o facto de ter sido a Grande Recessão a responsável pela aceleração dos endividamentos? Será que ainda não percebeu?


Segundo gráfico: evolução das dívidas públicas dos PIIGS



https://en.macromicro.me/collections/546/euro-debt/6103/govt-gross-debt-gdp-percent-piigs



À excepção da Itália, não acelerou o crescimento das respectivas dívidas a partir de 2008? Será que ainda não percebeu qual a causa da vinda da Troika e vai continuar a insistir no mesmo disparate?


Como complemento, repito algo que escrevi em comentário no seu post de há dias atrás e cujo link figura acima:


"3. Não tenha ilusões. As dívidas soberanas, concretamente a nossa, estiveram sob ataque especulativo, tal como a libra inglesa esteve em 1991-1992, tendo resultado na sua saída do Sistema Monetário Internacional. ..."


Convém também ter presente que a dívida pública do Japão já ultrapassou 200% do PIB, nas calmas e sem intervenção externa. (https://www.imf.org/external/datamapper/CG_DEBT_GDP@GDD/CHN/FRA/DEU/ITA/JPN/GBR/USA
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 26.02.2024 às 06:56

Leio tudo o que escreve com atenção e, no entanto, nunca consegui ler uma linha sua, das muitas que escreve, sobre os memorandos de entendimento que permitiram o resgate financeiro da Alemanha
Sem imagem de perfil

De balio a 26.02.2024 às 09:42


O argumento que Elvimonte está a fazer é que "o resgate financeiro da Alemanha" não foi necessário tão-somente por a Alemanha ser a Alemanha, e não por ela ter sido mais cuidadosa a contrair dívida do que Portugal.
Já agora, atualmente é a Alemanha quem está a ser apanhada com truques de ter um orçamento-sombra, tipo aquelas coisas que dantes criticavam na Grécia.
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 26.02.2024 às 20:16

Fora da aleivosia de que muitos continuam eivados aqui no burgo, por esse mundo fora todos os que analisavam objectivamente o desenrolar da Grande Recessão iniciada em 2008 diziam que Portugal era um dos países mais atingidos pela crise. 


E citavam as quedas abruptas de receita fiscal e de crédito à economia, a onda de falências, entre elas a do BPN, o boicote da oposição ao governo minoritário, de que o PEC IV é exemplo paradigmático, o crescente endividamento, comum à generalidade dos países europeus, o contágio dos problemas da dívida grega e o ataque especulativo a que esteve sujeita a dívida portuguesa - tudo como consequência da Grande Recessão de 2008.


Por cá, os que permanecem eivados de aleivosia, continuam olimpicamente a ignorar a realidade, por mais gráficos que se lhes mostre. Até podem não fechar os olhos aos problemas, mas não os conseguem abrir para lhes determinar as causas. 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 26.02.2024 às 21:14

Nunca lhe ocorreu perguntar-se a si próprio por que razão Portugal era um dos países mais atingidos pela crise?
Alguma vez perdeu tempo a comparar o PECIV com o memorando de entendimento?
É que o PEC IV era bem mais recessivo e austeritário que o memorando de entendimento.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 27.02.2024 às 13:16


A resposta a essa pergunta depende da latitude.


https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/austeritario/31910
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 27.02.2024 às 20:20

Olhe para este gráfico de dívida em percentagem do PIB entre 2008 e 2012 de vários países europeus, à excepção do UK todos na moeda única e portanto sujeitos à política de crédito expansionista conduzida pelo BCE anteriormente:
https://en.wikipedia.org/wiki/File:Eurozone_Countries_Public_Debt_to_GDP_Ratio_2010_vs._2011.png



Compreende que em percentagem do PIB tínhamos uma dívida semelhante à França e à Alemanha em 2008?
Compreende que foi nos países periféricos (Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha) que as dívidas mais cresceram?
Sabe que esses são dos países com menor integração tecnológica no processo produtivo, cujas causas são seculares?
Etc., etc....


"The crisis in Europe generally progressed from banking system crises to sovereign debt crises, as many countries elected to bail out their banking systems using taxpayer money. [recorda-se do BPN?]
...
 Iceland, Italy, Ireland, Portugal, France, and Spain also improved their budget deficits from 2010 to 2011 relative to GDP.

...
This indicates that despite improving budget deficits, GDP growth was not sufficient to support a decline (improvement) in the debt-to-GDP ratio for these countries during this period.

...
According to the CIA World Factbook, from 2010 to 2011, the unemployment rates in Spain, Greece, Italy, Ireland, Portugal, and the UK increased. France had no significant changes, while in Germany and Iceland the unemployment rate declined."

(https://en.wikipedia.org/wiki/Great_Recession)


A não aprovação do PEC IV terá sido a causa próxima da vinda da Troika. Já antes tinha havido sinais idênticos com a questão do endividamento da Madeira, se não estou em erro e outros de que já não me recordo. Do ponto de vista do investidor de dívida soberana tudo sinais errados, que me levariam a fugir e a apostar antes numa posição "short". Mas nunca saberemos, apenas podemos especular. Em todo o caso, em 2014 continuava a haver pelo menos um gestor de fundos a assumir posições (short) contra a dívida portuguesa (vd. https://archive.nytimes.com/dealbook.nytimes.com/2014/02/03/a-lonely-bet-against-portugals-debt/). 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 27.02.2024 às 21:28

"o PEC4 corrigia Portugal, sim senhor. Aumentava impostos, privatizava empresas estratégicas, cortava no serviço nacional de saúde e na escola pública, congelava o salário mínimo, facilitava os despedimentos e as expulsões de inquilinos. Por isso, se um desconhecido de repente lhe oferecer flores, desconfie: isto era a antecipação do programa da troika e não era diferente senão em detalhes menores (era até mais exigente quanto aos prazos e intensidade dos cortes orçamentais). Era o que era, mas não era uma alternativa à austeridade. Era a austeridade" (Francisco Louçã)
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 28.02.2024 às 00:11

Nunca coloquei isso em causa. A questão é se a não aprovação do PEC IV foi o sinal derradeiro que levou à vinda da Troika. Mas nunca o saberemos. Que para o investidor de dívida pública foi um sinal profundamente negativo, que levou ao acumular das posições "short" contra a nossa dívida - o ataque especulativo a que já fiz referência - disso não tenho dúvidas. Eu também não compraria mais dívida pública portuguesa e apostaria antes numa posição "short".


Nota: nas bolsas, quando as descidas são substanciais, por vezes proíbe-se o "short selling" (venda a descoberto); no caso das dívidas públicas algo semelhante não é possível.
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 28.02.2024 às 01:11

Sobre CDSs, sua relação com a dívida publica portuguesa, com a Grande Recessão e como permitem assumir posições short.


https://www.reuters.com › article
Portuguese 5-year CDS hits record 153.4 bps-CMA

Jan 28, 2010 — The cost of insuring Portuguese government debt against default rose to a record high of 153400 euros per 10 million euros of exposure on ... 


https://www.reuters.com › article
Portuguese, Irish CDS rise after supply, downgrade

Aug 25, 2010 — It means the cost rises to 305,000 euros to protect 10 million euros worth of Portuguese government bonds.


How did Michael Burry make money off CDS?
Shorting the housing market: Burry invested in credit default swaps (CDS) on subprime mortgage-backed securities (MBS), which essentially allowed him to bet against the housing market. As the value of these securities fell, Burry made money from the CDS


CDS were one of the financial instruments at the centre of the 2008 financial crisis. Bear Stearns and Lehman Brothers were among the many banks that issued CDS to investors on mortgage-backed securities (MBS) - mortgages bundled together into one package - among other types of derivative.
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 28.02.2024 às 17:16

Ainda sobre CDSs e ataque especulativo à dívida portuguesa.


"The main objectives of this research are to determine the factors responsible for the market pricing of sovereign default risk, to analyze the causalities of Credit Default Swaps (CDSs) spreads that have been taken as a proxy variable for the market pricing of sovereign default risk, to examine possible pricing discrimination and asymmetries between SWEAP and non-SWEAP (Not South-West Euro-Area Periphery) countries, structural changes in the pattern of the CDS spreads throughout and after the crisis, and possible evidence of speculation against the SWEAP group of countries.


In a panel data regression setting, we have constructed a dynamic pricing model of sovereign default risk for 13 euro area countries using quarterly data for the period 2008–2013. We spotted structural changes in the pattern of CDS spreads across 2010, identified as the worst year of the Eurozone crisis, as well as significant speculation and financial discrimination against SWEAP countries by the financial intermediaries associated with this derivative market."
("Chapter 20: The European Sovereign Debt Crisis and the Role of Credit Swaps", https://www.worldscientific.com/doi/10.1142/9789814566926_0020 )
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 26.02.2024 às 20:20

"Porque continua a omitir o facto de ter sido a Grande Recessão a responsável pela aceleração dos endividamentos? Será que ainda não percebeu?"



Esqueceu aquela parte anterior em que os governos de blocos decadentes como a Europa baixaram os juros  para niveis record para aquecerem a economia e dizerem que o crescimente 3% continuava sem resolverem os profundos problemas de um bloco que foi criativo até aos anos 50-60 do século XX  e passou a ser distributivo, ou seja quando a compra de votos pelos impostos passou a ser a natureza dos regimes?
Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 26.02.2024 às 07:55

Ena! Vamos ter habitação social e a preços moderados na Artilharia Um. Ali não vai haver franceses endinheirados. Vai ser só povo, bom povo.
Sem imagem de perfil

De RR a 26.02.2024 às 11:47

Só reparou agora, que soube que um privado tem autorização para construir (ao fim de 7 anos de ter comprado aquilo), no quarteirão da Artilharia Um??
Então e o Estado, ou a Câmara, não podiam já ter feito um bonito bairro de casinhas para o povo em tal quarteirão devoluto???
Ou só quando alguém compra vêm os invejosos beatos com a conversa da especulação?
Continuasse o quarteirão da Artilharia Um como estava e nenhuma beato se preocupava com aquilo...
Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 26.02.2024 às 12:26

Raramente passo por ali. Lembro-me de lá passar há uns anos e de em X em X metros haver um presente de cão.
Fui ver, parece que são uns terrenos que eram propriedade do BES e que tal terá contribuido para a demora. Coisas ligadas a direitos de construção. 
Especulação? Nunca ouvi dizer que a construção civil fosse coisa de filantropia.
Seja. Está de ver que naquele local vai ser tudo barato, tudo para o menino e para a menina. Venham eles, a 1 milhão no mínimo. Quem não pode comprar sempre pode ir viver para o Fogueteiro. Até estão servidos com a Fertagus.
Sem imagem de perfil

De RR a 26.02.2024 às 14:10

Reafirmo: enquanto aquilo esteve com caça de cão de X em X metros, nunca levantou preocupações aos beatos. Agora que alguém vai construir, temos especulação... 
Assim são os beatos tugas ...




Sem imagem de perfil

De Nelson Gonçalves a 27.02.2024 às 07:31


Fazendo de advogado do diabo: o Grupo JM (se não estou em erro) tem a sede fiscal na Holanda e a maior parte do negócio fora de Portugal. Querem uma sede no centro de Lisboa porquê ?



Se a querem em Portugal, porque não em Pombal ? Terreno não falta, tem duas linhas de combio, duas auto-estradas, a 1h30 de Lisboa e Porto. Ou Leiria, ou Figueira da Foz, ou Bragança, ou etc.



Tudo isto para dizer que certamente num dos 308 municípios que existem em Portugal, certamente encontravam um ou dois onde teria sido muito mais fácil e rápido fazer a sede.



Critica-se muito (e bem) o centralismo de Lisboa, mas se um grupo empresarial como o JM se limita a Lisboa, como criticar as outras empresas mais pequenas e mais dependentes da proximidade à corte alfacinha ?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 27.02.2024 às 08:49

Está enganado, a sede do grupo Jerónimo Martins, das poucas multinacionais portuguesas de sucesso, é em Portugal, a holding tem sede fiscal nos Países Baixos, mas não é a sede operacional do grupo.
Quanto ao resto, estamos de acordo, era possível ter a sede noutro lado qualquer, as razões para preferirem ter em Lisboa teria de lhes perguntar.
Sem imagem de perfil

De VV a 28.02.2024 às 18:16

Os funcionários e outros colaboradores que irão exercer cargos na sede da empresa ficariam muito felizes de ir viver para Chaves. Até fica na fronteira, ideal para intercâmbio cultural e empresarial com Verin......
Sem imagem de perfil

De Nelson Goncalves a 28.02.2024 às 20:04


Certo. Seguindo esse raciocínio não se podem construir nada fora de Lisboa.



O que é que os trabalhadores da Jerónimo Martins pensam ou querem, não sei.

Eu, se tivesse o salário de gestor e vivesse em Chaves, sei que teria uma vida de lord.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Jo

    Duas ou três empresas não são concorrência.O ajust...

  • balio

    cito um dicionário cuja primeira edição é de 1956R...

  • henrique pereira dos santos

    Eu cito um dicionário cuja primeira edição é de 19...

  • balio

    Os dicionários atuais já incluem montes de estrang...

  • balio

    As maiores empresas em Portugal estão numa posição...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D