Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Farto de parvoíces!

por Vasco Lobo Xavier, em 19.12.14

Manuela Ferreira Leite diz na TVI 24 que a descida do preço do petróleo pode não ser uma coisa boa para Portugal e para os Portugueses, uma vez que outros países (os produtores) ficam mal e isso pode vir a ser prejudicial para Portugal no futuro. Compreendi-te. Estilo aquele tipo que não quer ganhar o euromilhões com medo do que isso possa fazer de mal à família. Pouco depois oiço-a a dizer que a troika acabou, é uma mera referência histórica, não tem de ser seguido o memorando, a austeridade é uma opção do governo, a TAP não tem de ser privatizada. Para Manuela Ferreira Leite, que se lixem os tratados europeus e os acordos firmados. OK, tudo bem, o PCP e o Bloco e até o PS estarão de acordo. Mas Manuela Ferreira Leite, Economista, Comentadora, desconhecerá que os mercados estão atentos aos desvarios e disparates dos portugueses? E os problemas que daí adviriam? Eu percebo que MFL odeie Passos Coelho, já não percebo que utilize esse ódio para se desvalorizar como comentadora ao nível do fundo do mar. Mas é com ela. E com o Paulo Magalhães.

 

Mudo de canal e deparo-me com José Pacheco Pereira, num programa que sigo habitualmente por gostar muito de ouvir o Carlos Andrade a interromper as pessoas com quem não concorda. Dizia JPP, com o mesmo espírito de MFL, que para este Governo só se podiam fazer greves simbólicas, nunca as que afectavam verdadeiramente as pessoas. E que a atitude do Governo, ao decidir a requisição, tornava as greves inúteis. De JPP gosto mais do que de MFL, pelo que vê-lo também a comentar toldado pelo ódio me custa imenso, e tira-lhe a racionalidade e credibilidade.

 

Não me recordo de nenhum Governo que tenha sofrido e aceitado tantas greves como este, que só está a tentar resolver os problemas criados pela cegueira e despesismo dos anteriores Governos socialistas. Todos os meses, as mais diversas empresas públicas dos mais diversos serviços públicos têm entrado em greve estragando a vida à maioria das pessoas e à economia do país, sendo que são sempre as pessoas mais desfavorecidas que sofrem com essas greves. Sempre com o apoio do PCP, do Bloco, da UGT, da CGTP, do Partido Socialista e de António Costa. A greve é um direito tutelado pela lei. A requisição civil também, pelo que a atitude do Governo é perfeitamente legal, ao contrário do que defende JPP.

 

E legítima. Nenhum Governo de nenhum país democrático se pode deixar chantagear e manipular desta maneira. Quando os sindicatos exigem que a TAP não seja privatizada e fazem greve para que não o seja, em plena época do Natal, de turismo, de importância capital para as famílias e para o país, que estão todos nas lonas e a lutar para se manterem à tona, a requisição não só se justifica como se exige. Menos para aqueles que preferem a política da terra queimada. Bloco, PCP, Sindicatos, Soares e seus acompanhantes, JPP e MFL estão-se nas tintas para as famílias portuguesas, para aqueles que precisam da TAP para fazerem as suas viagens, para a economia, para as Ilhas, para tudo, desde que isso afecte negativamente o Governo. Goza-se o PM por ter dito uma vez “que se lixem as eleições” e ninguém de indigna com os que repetem à exaustão “que se lixe o país e os portugueses!”

 

Que pena, que tristeza, quão baixo se desceu.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuel Vilhena a 19.12.2014 às 10:22

Completamente de acordo. O ódio é dos piores sentimentos que um ser humano pode ter!...
Sem imagem de perfil

De ze luis a 19.12.2014 às 17:57

Ainda se for bem dirigido pode trazer uma energia positiva. Mas não é fácil, fácil é dizer mal, tipo defender a Verdade Desportiva quando convém e não abdicar da Herdade Desportiva quando toca a defender o inverso e proteger os apaniguados.


Percebo que se indignem com certos personagens, politicamente próximos, mas já deviam ter mudado de atitude para com eles. Sado-maso, s.f.f.?
Imagem de perfil

De José Manuel Faria a 19.12.2014 às 10:23

que pena não haver transportes terrestres;
que pena faltarem médicos e enfermeiros;
que pena os profs fazerem greve;
que pena haver direito a não trabalhar (greve).


Os direitos dos trabalhadores são todos adquiridos à custa de luta de rua e das greves.
 - sou a favor das greves mas agora não.
Sem imagem de perfil

De FGCosta a 19.12.2014 às 11:09

Há duas situações, para além da deemência que admito estar fora de causa,  em que as pessoas que não merecem qualquer credibilidade:
Quando estão interessadas em torcer os factos de modo a encaixarem nas suas teorias (modus operandi dos politicos e advogados)
E quando são despeitados.
Estes dois "rabujentos fashion" acumulam...
Sem imagem de perfil

De carneiro a 19.12.2014 às 13:48

"percebo que MFL odeie Passos Coelho, já não percebo que utilize esse ódio para se desvalorizar como comentadora ao nível do fundo do mar."
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.12.2014 às 13:57

A urgências de alguns hospitais privados estão cheias de funcionários públicos e os hospitais públicos estão cheios de funcionários do privado a pagar taxas moderadoras muito superiores a algumas consultas de especialidade, só que nós gostamos de chafurdar. Qual será o futuro deste país quando as manadas de amamentados já não tiverem mama nem empresas como a RTP e a TAP para brincar? O que farão os desgraçados? Trabalharão? Dormirão? Irão a consultas de psiquiatria tratar as depressões? E o comité do PCP? O que fará aquela gente depois de 40 anos de exercício?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    A TAP não consegue ser rentável.Frankfurt e Madrid...

  • Anónimo

    "sendo o Estado Português a sua única possibilidad...

  • Anónimo

    De facto, poderíamos ter agido como outros países,...

  • Jose Miguel Roque Martins

    Aqui a vitima não é o Porto, é o contribuinte!

  • Anónimo

    A mesma conversa de sempre, somos mesmo uns parolo...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D