Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estas vítimas?

por henrique pereira dos santos, em 24.03.23

Pode ouvir-se ao minuto 29 e 45, mais coisa menos coisa.

"o governo está a tentar dar resposta também a este problema. Posso afirmar que neste momento estamos a começar a estruturar, no ministério da saúde o apoio psicológico e psiquiátrico a estas vítimas, justamente porque a igreja não criou nenhum dispositivo de escuta e de apoio a estas pessoas".

Por ano, em Portugal, existem cerca de 2400 processos por abuso sexual de menores (para dar contexto aos números, uma coisa que a mim me parece fundamental mas que agora parece que se chama branquear o que quer que seja, boa parte destes processos dizem respeito à criminalidade on-line).

Vamos admitir, grosseiramente, que estes processos reflectem um terço da realidade (sim, é uma estimativa grosseira, mas não absurda face ao que a investigação sobre o abuso de menores conclui. Em qualquer caso, dar-nos-á uma estimativa por defeito, visto que um terço está bem no limite superior do que se admite), descontemos qualquer coisa, e temos cerca de 7000 casos por ano.

A comissão independente sobre os abusos relacionados com a igreja católica, em Portugal, estimou cinco mil vítimas (no parágrafo anterior falei de processos, podem envolver bem mais que uma vítima, mas depois de fazer esta ressalva, lembremo-nos que estamos sempre a falar de estimativas grosseiras, para dar contexto, nada mais) em setenta anos, portanto, um pouco menos de 75 vítimas por ano (vamos esquecer que as percepções públicas sobre este crime se alteraram muito nestes setenta anos, como lembrou Laborinho Lúcio, "O atentado ao pudor nessa altura integrava o coito anal, o coito oral, masturbação, etc.", o que reflecte bem a evolução da forma como a sociedade olha para estas acções nos últimos setenta anos).

Admitamos que a estimativa da comissão independente é muito baixa e multipliquemos por três, ou seja, estamos a falar de 225 vítimas por ano.

Pois bem, Daniel Sampaio acha normal dizer que "estamos a começar a estruturar, no ministério da saúde o apoio psicológico e psiquiátrico a estas vítimas, justamente porque a igreja não criou nenhum dispositivo de escuta e de apoio a estas pessoas", isto é, Daniel Sampaio acha normal dizer que o Serviço Nacional de Saúde só está a tratar de dar resposta a estas vítimas, por ausência de acção da igreja, esquecendo completamente as responsabilidades do Serviço Nacional de Saúde na resposta, não a estas 225 vítimas anuais que preocupam Daniel Sampaio, mas às outras 7 000 (sete mil) vítimas anuais que estimei, grosseiramente, que existem em Portugal (volto a dizer, esta estimativa tem uma fragilidade evidente ao estar empolada pela criminalidade on-line, por isso fiz sempre opções que maximizam as vítimas no contexto da igreja e minimizam as vítimas no contexto da sociedade, porque apenas me interessa ter uma ideia, mesmo muito grosseira, das diferentes ordens de grandeza do problema).

Caro Daniel Sampaio, tem alguma consciência do que está a fazer a essas sete mil vítimas ao omiti-las totalmente quando fala das 225 vítimas que o preocupam?

Ou, na verdade, ao contrário do que diz, está mais preocupado em contribuir para a renovação da igreja que defende, e não tanto com o problema sério do abuso de menores na sociedade?

Isso explicaria por que não conheço qualquer comentário seu às indecorosas declarações do Secretário de Estado do Desporto, em resposta à sugestão da APAV, de que é altura de olhar para o desporto da mesma forma que se olhou para igreja.

O que o leva a não dizer nada sobre o facto dos dirigentes de tutela do desporto acharem que há uma especificidade nacional que os leva a rejeitar liminarmente uma investigação independente que permita fazer o diagnóstico do que se passa no desporto em Portugal, uma vez que em todo o mundo se verifica que o desporto (como é natural que aconteça em todas as organizações de socialização de menores) é exactamente um dos sectores em que os abusos de menores ocorrem frequentemente?

Não lhe parece que seria bom deixar de se centrar n"estas vítimas" e passar a incluir também "essas vítimas"?

É que, mesmo que se considere a minha estimativa exagerada e se considere apenas um terço do valor dessa estimativa, "essas vítimas" ainda são, pelo menos, dez vezes mais que "estas vítimas".


6 comentários

Sem imagem de perfil

De The Mole a 24.03.2023 às 15:46


O que mostra que o Daniel Sampaio e toda a troupe estão-se a lixar (para não dizer outra coisa, pois não sou Presidente da AR...) para "estas" ou "aquelas" vítimas: apenas lhes interessa avançar as suas agendas e a si próprios.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Objectivamente , a prostituída comunicação "sucial...

  • Anónimo

    Por esse racicínio quando um terrorista se faz exp...

  • balio

    [n]a total e incondicional libertação dos reféns, ...

  • balio

    O Hamas continua a manter sequestrados, sabe-se lá...

  • Beirão

    Todavia a maioria do nosso jornalismo, se não mesm...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D