Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estado de sítio (16)

por João Távora, em 04.04.20

judy_swain_in_gas_mask.jpg

Coronavírus hoje em Portugal – 10.524 casos, 266 vítimas mortais

As coisas estão a correr melhor do que seria de esperar, a rampa ascendente de internados e de óbitos (que é o que me interessa) parece estar a abrandar com consistência, as medidas de confinamento em Portugal parecem estar a resultar de uma forma que nem os mais optimistas se atreveriam a supor. Julgo que contribuem para isso principalmente dois factores específicos da realidade cultural portuguesa, que sendo eles intrinsecamente "defeitos", por uma vez jogam a nosso favor: o nosso perfil económico e geográfico periférico e a unidade política e administrativa de Portugal, o chamado “centralismo”, que favorece a passagem fácil duma mensagem de alarme para a mobilização de uma comunidade nacional identitariamente muito sólida. Perante a apreensão das nossas gentes não é difícil a António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa assumirem um papel paternal e maternal que é sofregamente desejado pelas gentes assustadas, carentes de orientação e referências. Estamos-lhes reverentes, venerandos e obrigados, por uma vez sem ironia.

Ontem de manhã vesti a minha melhor camisa engomada (há que poupar pois a nossa empregada também está em confinamento) para percorrer com a minha mulher os cerca de 800 metros de casa ao centro de São João do Estoril para meter umas cartas no correio. Desse modo usufruirmos em cumplicidade uma falsa mas saborosa sensação de liberdade. A paisagem com que nos deparámos junto à estação dos comboios pareceu-me aterradora de desolação com as múltiplas lojas de comércio local com as portadas corridas onde sobressaíam obscenos grafitis. Quantas delas voltarão a abrir?

Confesso-vos: mesmo gostando da minha casa e ter muito com que me entreter, sofro de bicho-carpinteiro (os médicos chamam-lhe ansiedade, mas como todos sabemos não os podemos levar demasiado a sério) é só com a ajuda de uma corrida matinal à socapa e dum terço em família a Nossa Senhora ao final da tarde que tenho sobrevivido ao confinamento. Aliás, a boa notícia que esta crise nos traz é a oração familiar que praticamos como nunca antes acontecia. 

De resto uma “União Nacional” acrítica à volta das medidas de confinamento por tempo indefinido é perigosa, porque é insustentável. Percebo que seja difícil a quem decide obter os extraordinários resultados do confinamento sem meter muito medo ao pessoal. Mas se a coisa não vira, daqui a pouco tempo metade dos portugueses estará a pão e água e a outra, na melhor das hipóteses a bater com a cabeça nas paredes.

Têm reparado os meus amigos como ultimamente se têm reduzido a partilha de piadas pelas redes sociais, que, diga-se, nas primeiras semanas da crise foram um autêntico consolo? Suspeito que as pessoas estão a perceber que não, que não “vai ficar tudo bem”. De resto eu sou um daqueles privilegiados a quem só cabe obedecer e (insisto) a quem ainda não começou a faltar trabalho.



1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.04.2020 às 19:03

apreciei a ironia da 1ª parte
'o polvo unido não será com vencido'

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Felizmente Deus não "raciocina" como os humanos. ...

  • Anónimo

    Estou a salvo, pois já praticamente não vejo os ca...

  • Pedro Oliveira

    TV Isganiçada

  • Anónimo

    Faça como eu,ultrapasse-os,as ou baipasse-as,os.Nã...

  • Anónimo

    "A televisão actualmente passou a ser um veículo d...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D