Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Erro ou inevitabilidade ?

por Jose Miguel Roque Martins, em 29.09.20

Depois de 1Milhão de mortes contabilizadas por covid, multiplicam-se as vozes clamando pelos erros que permitiram tamanha calamidade. 

O que se poderia ter feito mais, mesmo que pareça absurdo? 

A resistencia em se perceber que não passámos subitamente a sermos invulneraveis é aterradora. E faz adivinhar que as exigencias das populações, continuarão a crescer para alem do razoavel. 

 

 

 

 



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 29.09.2020 às 15:09

As exigências das populações têm razão de ser, não só porque os efeitos colaterais do covid mataram muito mais pessoas no presente, mas também porque os efeitos colaterais da covid irão matar muito mais no futuro. E não falo só desta geração, esta pandemia da parvoíce irá afectar irremediavelmente o desenvolvimento das gerações futuras.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.09.2020 às 16:26

"A resistencia em se perceber que não passámos subitamente a sermos invulneraveis é aterradora. "


Caro Senhor


é de facto aterradora a incapacidade das populações de viver com a vulnerabilidade; tal como o é a incapacidade de relativizar os números ( por ignorância ou , como agora se diz, iliteracia numérica: neste mesmo período de tempo, de janeiro a Setembro, morreram, e  morrem normalmente todos os  anos cerca de 80 .000.000 ( oitenta milhões) de pessoas de outras causas naturais que não o COVID 19. 
Talvez a capacidade de internalizar essa informação ajudasse a compreender-se a vulnerabilidade da vida humana.


Cumprimentos


Vasco Silveira
Imagem de perfil

De Jose Miguel Roque Martins a 30.09.2020 às 13:21

 o problema e que a informação é conhecida, e não parece adiantar nada. 
Sem imagem de perfil

De balio a 30.09.2020 às 10:03


O mundo tem sete mil milhões e pessoas.
Daqui decorre que cerca de 100 milhões de pessoas têm, anualmente, que morrer.
Se um milhão de pessoas morreu com covid-19, isso significa somente um acréscimo de 1% ao número total anual de mortes.
Ou seja, um milhão de mortos é, de facto, um número irrisório.
Pode-se comparar com a gripe "espanhola" de 1919, que terá matado 50 milhões de pessoas - num mundo que era muito menos povoado do que o atual.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D