Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Economia e sustentabilidade

por henrique pereira dos santos, em 17.02.20

Uma boa parte das políticas de sustentabilidade que conheço partem do princípio de que o fundamental é dar cabo do capitalismo (um dos gurus mais vocais dessa tese é João Camargo, que vale a pena ouvir para ter a certeza sobre o que não fazer).

Aqui vão três exemplos de que talvez o problema não seja capitalismo a mais, mas literacia económica a menos.

No século XIX, um trabalhador em Lisboa gastaria cerca de 70% do seu rendimento em comida, dos quais 30% em pão. Hoje gastamos cerca de 16 a 17% do nosso rendimento em comida, o que inclui os cerca de 30% de desperdício alimentar que ocorre nas nossas casas - coisas que compramos e deixamos estragar, restos que não comemos, partes dos alimentos que são usáveis e comestíveis e deitamos fora, etc..

Se quisermos reduzir o desperdício alimentar, temos duas opções:

1) esperar (de preferência sentada, por causa das varizes) que toda a gente tenha a consciência do desperdício alimentar que geramos, por isso tenha a vontade de o diminuir e, depois, ainda tenha o tempo e a sabedoria para estar no supermercado e na cozinha o tempo suficiente para optimizar o uso de alimentos, gastando uma hora de trabalho para reduzir em 30% uma despesa que representa 17% do rendimento que se poderia obter gastando essa hora de trabalho a aumentar os rendimentos;

2) optimizar a eficiência da economia de produção, logística, conservação e preparação de alimentos, diminuindo desperdícios e aumentando a competitividade e o valor da nossa actividade económica.

Boa sorte para os que apostam todas as fichas na primeira hipótese, mesmo sabendo que quanto mais conseguirmos resultados na primeira hipótese mais facilmente obtemos resultados na segunda.

Os segundos e terceiros exemplos tomam-me menos tempo por estarem escritos em dois artigos de hoje do Observador.

"Durante alguns anos temos assistido à resistência dos moradores de Lisboa ao dito alojamento local o que é, no mínimo, irracional. Se os ditos moradores colocarem as suas casas numa plataforma de alojamento de curta duração e forem viver para junto da praia, não só é financeiramente proveitoso, como a sua qualidade de vida crescerá em muito se o seu local de trabalho também se deslocar."

Quem quiser aprender mais sobre isto, é ir ler o João Pires da Cruz.

"Do abandono, a que muito do nosso espaço florestal está votado, o fogo não é uma causa, mas sim um sintoma, uma consequência. Não estamos a pagar a pronto um padrão aceitável de fogo. Acabamos por pagar, a prazo e com juros, uma elevada factura (em vigilância, em meios aéreos, em reconstruções, em falências, em cheias, em poluição, etc.) que não apaga a dimensão trágica deste fenómeno recorrente, e que afecta tudo e todos: mortes, paisagens horríveis, perda de valor, bens destruídos, animais mortos, etc, etc… É desta forma dolorosa que queremos pagar a conta do fogo?"

Quem quiser aprender mais sobre isto, é ir ler o João Adrião.

 



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 17.02.2020 às 10:07

a sua qualidade de vida crescerá em muito se o seu local de trabalho também se deslocar

Ora, claro, mas o problema é que o local de trabalho não se desloca!

Se as pessoas de Lisboa não saem de Lisboa para irem viver para um sítio mais agradável, isso é porque, para infelicidade delas, os seus locais de trabalho permanecem em Lisboa!

Se as pessoas se queixam de o alojamento em Lisboa estar muito caro, é porque são obrigadas a viver em Lisboa para poderem trabalhar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.02.2020 às 12:57

compre um porco , desperdício alimentar zero.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 17.02.2020 às 16:26

optimizar o uso de alimentos, gastando uma hora de trabalho

Otimizar o uso dos alimentos frequentemente não gasta trabalho, poupa-o.

Por exemplo, poupa-se imenso trabalho não descascando batatas, não descascando cenouras, não descascando kiwis, não descascando beterrabas, utilizando todo o agrião (e não somente as folhas) na sopa. Também se poupa trabalho evitando comprar (e carregar para casa) coisas em excesso e aproveitando melhor outras que já se compraram: usar as folhas do alho-francês na sopa, fritar os talos de couve (portuguesa ou galega) para os comer.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.02.2020 às 20:02

e as cascas das favas..abrem-se as favas cortando dos lados e  a direito , como o feijão verde , para ficarem bem  cortadas e depois dá-se uma fervura para tirar o amargo e cozinham-se como se quiser. dão uns bons peixinhos da horta.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Zé dos Grelos

    Não existe nenhuma pandemia, trata-se apenas de sa...

  • Anónimo

    os enormes holofotes sobre uma infeção que pode vi...

  • Anónimo

    A OMS não aconselhou o fecho de fronteiras no iníc...

  • Anónimo

    O autor do texto enxerga fora da caixinha. Parabén...

  • Anónimo

    para escapar ao golpe militar do familiardesfrizou...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D