Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É tempo de começar a pensar em remover medidas

por henrique pereira dos santos, em 24.03.20

Disclaimer: eu não percebo nada disto

"the Oxford results would mean the country had already acquired substantial herd immunity through the unrecognised spread of Covid-19 over more than two months. If the findings are confirmed by testing, then the current restrictions could be removed much sooner than ministers have indicated."

Este é um extracto de um artigo do Financial Times ("Coronavirus may have infected half of UK population") em que uma modelação teórica feita por quem sabe, sugere que apenas uma em cada mil pessoas infectadas precisam de tratamento médico, havendo um grau de disseminação pela população imensamente maior que o anteriormente esperado (ver aqui o estudo, eu não percebo metade do que lá está escrito, falta-me conhecimento).

Vai ser preciso confirmar com testes serológicos. Em princípio esta semana, na Holanda, sairá qualquer coisa sobre o assunto e há quem antecipe que as conclusões vão no mesmo sentido.

Se assim for, todas as premissas em que assentaram medidas radicais de contenção social ficam em causa, e é bom que se comece a ponderar seriamente na reversão das medidas mais graves para a economia, independentemente de se manterem as recomendações para uma grande contenção social e para a protecção dos grupos vulneráveis.

É possível que todo este alarido tenha sido claramente excessivo?

André Dias, que já aqui citei, e que sabe bastante mais disto que eu (não sendo difícil, ele sabe mesmo muito, muito mais que eu sobre o assunto) responde à pergunta:

"Os dados iniciais sobre surtos infecciosos são essencialmente ruído com muito pouco para usar como sinal. Primeiro, por algumas semanas não existe agente identificado, depois não há teste específico para o agente, depois só existem testes virológicos (onde estamos agora) e apenas depois aparecem testes serológicos / testes anticorpos.
Os testes virológicos só podem ser realizados em uma janela de tempo muito curto ou ser negativos, portanto, induzem um ruído gigantesco. Os testes serológicos indicam se alguma vez houve contacto com o vírus, para que possam ser feitos em amostragem e devolver dados estatisticamente significativos.
Não existem dados confiáveis para estimar a mortalidade a 1 % ou 5 %. Tudo isto é ruído. O número de pessoas infectadas pode ser o que sabemos ou 10 000 x maior (sim, dez mil vezes). Só com a chegada de testes serológicos começamos a ter uma imagem real de prevalência. Ainda na semana passada os Países Baixos anunciaram que tinham alcançado um teste de anticorpos desses e começaram a testar-se a si.
Para dar perspectiva, a gripe suína começou com estimativas de 30 % - literalmente extinção humana dentro de alguns meses - terminou abaixo de 1 %, abaixo da gripe sazonal e não fez mal. Este é o tipo de ruído com que estamos a lidar.
Os únicos dados minimamente confiáveis que temos de testes virológicos são do cruzeiro Diamond Princess, que esteve em quarentena, porque todas as pessoas a bordo foram testadas dentro de uma janela relativamente curta de tempo. Estes dados indicam 1 % de letalidade numa população muito antiga, num ambiente confinado e compartilhando uma cantina. Podemos ter a certeza de que o mundo fora do cruzeiro terá taxas muito mais baixas. Além disso, menos de 20 % das pessoas foram infectadas e ainda não há explicações para isso.
Uma vez que a letalidade não pode nem ser estimada, todo o raciocínio do medo e pânico é apenas vazio e irracional.
Extremo, extremo e paranóico cuidado é necessário com a libertação de dados iniciais sobre surtos, particularmente com letalidade. A Organização Mundial de Saúde deve responder criminalmente por não controlar estes dados e não garantir que indica a ordem de magnitude do ruído. Foi só e só isso que fez esse "surto"."



11 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.03.2020 às 11:00

Onde posso encontrar esse texto do Andre Dias?
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.03.2020 às 11:07

É curioso que a linha de ação que o Henrique P.S. advoga foi ontem defendida por Jair Bolsonaro e Donald Trump.
No entanto, esses senhores são presidentes de países federais, e nessa medida têm bem menos poder de impôr a sua linha de ação preferida do que o Henrique P.S. talvez gostasse.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.03.2020 às 13:21


Você, Pereira dos Santos, até foi pacífico com um doente mental que passa a sua invalidez a escrever bostas (ver mamadou ba) em muitos blogs. Mal-criadamente o Correia até tem umas notas no seu blog intituladas 'A lavourada da semana'. Mas o Correia é um inferior e, como tal, vive dos os complexos de superioridade.
Abraço,
ao
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.03.2020 às 16:33

O Luís é meu amigo e uma das coisas de que gosto no Luis é da sua liberdade de pensar e dizer o que pensa, sem restrições.
Fazer comentários sobre mim, é como o outro, sobre outras pessoas que comentam o post, acho pouco útil
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.03.2020 às 21:41


Para mim a amizade é uma corente unipessoal.
Agraço,
ao
Sem imagem de perfil

De António Santos a 25.03.2020 às 11:48

"A Organização Mundial de Saúde deve responder criminalmente por não controlar estes dados e não garantir que indica a ordem de magnitude do ruído"

Nos últimos dias tenho reflectido na oportunidade e timing dos alertas desta instituição perante alguns "acontecimentos económicos" que se sucederam. Seria muito interessante estudar as ligações entre esta instituição e a China. Tenho a convicção que o interesse subiria mais exponencialmente que o maldito Covid-19...

António Santos
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.03.2020 às 13:30


Por pessoa conhecida me ter dito que está com Zona — uma resposta aos vírus da Varicela que estão nos nossos corpos, 'adormecidos', desde que tivemos a dita doença na nossa infância.
Se formos fazer análises acerca deste vírus, são todas positivas. Mas a Zona não mata: incomoda.

Tecnicamente, uma análise positiva acerca do SARS-CoV-2 só indica que a pessoa e o tal vírus convivem. Nada garante se a pessoa está doente, nem se a pessoa pode infectar outras.

Numa atitude que é de pura política e que nada tem de científica, vai-se vendendo a ideia de catástrofe. Pode-se pensar quem é que vai ganhar milhões de milhões com este teatro. Há muitos nomes 'grandes' nesta encenação. Quem os desconhecer que pesquise.

Sabe-se que uma grande maioria dos positivos não estão doentes e que uma pequena minoria é que irá precisar de cuidados hospitalares. Quem desconhecer que pesquise.

A evolução científica e epidemiológica irá conjugar a presença do SARS-CoV-2 numa pessoa com a presença de resposta imunitária da pessoa a ele.

Abraço

ao

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.03.2020 às 13:37

 and 

https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/mar/25/uk-coronavirus-policy-scientific-dominic-cummings?CMP=share_btn_tw (https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/mar/25/uk-coronavirus-policy-scientific-dominic-cummings?CMP=share_btn_tw)
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.03.2020 às 16:25

Sugiro que leia o estudo que cito, que é feito por epidemiologistas de topo, em vez de perder tempo com comentários de jornal de pessoas que não percebem nada de epidemias (embora sejam fantásticos noutros campos)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.03.2020 às 14:57

BORIS VIAN ESCUPIRÉ SOBRE VUESTRA TUMBA

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Zé dos Grelos

    Não existe nenhuma pandemia, trata-se apenas de sa...

  • Anónimo

    os enormes holofotes sobre uma infeção que pode vi...

  • Anónimo

    A OMS não aconselhou o fecho de fronteiras no iníc...

  • Anónimo

    O autor do texto enxerga fora da caixinha. Parabén...

  • Anónimo

    para escapar ao golpe militar do familiardesfrizou...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D