Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E quanto ao PS?

por henrique pereira dos santos, em 30.03.24

A minha interpretação da posição da AD e do Chega no arranque dos trabalhos parlamentares já terá ficado clara, sobretudo somando o artigo de hoje no Observador.

A tese central é a de que o inimigo principal do Chega é o PSD e "a ideia de que o debate no parlamento português já não é tanto um debate entre adversários políticos que têm ideias diferentes sobre as políticas a seguir, mas um debate sobre grupos sociais que temem pela sua sobrevivência: uns porque temem perder o que sempre foram, outro porque quer garantir que chega onde os outros chegaram", tendo o Chega uma "necessidade de caos" para atingir os seus objectivos.

Hoje interessa-me responder à perplexidade da esquerda da esquerda que, com razão, fez notar que o acordo do PS com a AD para desbloquear o impasse institucional era um acordo muito desequilibrado para o lado da AD, visto que a AD obteve tudo o que queria - garantir a eleição da mesa que repunha a prática institucional que António Costa tinha destruído, com a indicação dos nomes que a AD pretendia no que lhe dizia respeito - sem que o PS realmente tivesse tido algum ganho real.

Ninguém acredita que o parlamento não seja dissolvido antes de se chegar ao momento em que o PS indica o presidente da AR mas se, por milagre, o parlamento ainda estiver em funções nessa altura, é uma vitória tão grande da AD, que até lhe fica bem a magnanimidade de entregar a presidência da AR ao PS.

Por que razão o PS aceitou um acordo que lhe é tão desfavorável (independentemente de imediatamente ter posto a correr a ideia de que tinha sido o PS o verdadeiro condutor de todo o processo)?

Aparentemente, o PS ficou tão surpreendido como a AD com "Korbut flip" do Chega.

Até ao momento em que se contaram os votos da primeira eleição, o Chega alimentou a ideia de que iria votar favoravelmente Aguiar Branco (aparentemente para ampliar a dimensão do gesto de vassalagem que esperava que a AD viesse a fazer depois) e a esquerda passou a manhã toda a dizer que afinal a AD, na primeira necessidade, tinha ido a correr para os braços do Chega.

Esta é uma ideia base do PS: radicalizar a sua posição para obrigar a AD a aparecer de braço dado com o Chega, uma ideia exactamente simétrica, e complementar, da do Chega que consiste exactamente em radicalizar a sua posição para a AD aparecer de braço dado com o PS.

Acontece que para o PS esta ideia é meramente tática, visando ter ganhos de comunicação, sendo estratégica para o Chega, que pretende cavalgar a ideia de que o PS e o PSDois são a mesma coisa, portanto quem quer uma vida diferente, tem de votar no Chega.

Para surpresa do PS (do Chega, da comunicação social e minha) a AD, em vez de entrar em parafuso e ir a correr fazer todas as cedências necessárias para não passar pela humilhação de não conseguir eleger um presidente da AR, encolheu os ombros e disse que havendo uma coligação negativa entre PS e Chega, que se chegassem à frente e elegessem quem quisessem, a AD iria manter a sua posição inicial.

E deixou o assunto correr, apesar do coro da comunicação social a assinalar a incapacidade da AD resolver o assunto, o barulho do Chega a pôr-se em bicos de pés e dos zig-zagues do PS para evitar deixar sedimentar a ideia de que fazia parte de uma coligação negativa com o Chega e de que era um partido irresponsável, mesmo em questões meramente institucionais.

Quando Montenegro foi ter com Pedro Nuno Santos, evitando a cedência à chantagem do Chega, manteve-se na mesma: recusava deixar de votar nos nomes indicados pelo Chega, que era a sua obrigação constitucional, e mantinha a candidatura de Aguiar Branco o tempo que fosse necessário até o parlamento encontrar uma solução.

Ou o PS cedia, mesmo encontrando uma maneira de salvar a face, ou ficava associado ao bloqueio institucional criado pelo Chega, o que podia ter custos eleitorais relevantes no futuro.

Com a impossibilidade de dissolver o parlamento nos próximos seis meses, com duas eleições nos próximos meses em que o PS não quer aparecer coligado com o Chega no bloqueio das instituições, o PS cedeu e propôs uma solução que, no essencial, é uma derrota em toda a linha, como muito bem assinalou a esquerda da esquerda (o PS não tem nada a temer desse lado, é só pôr Fabian Figueiredo falar o mais possível, que a questão da fuga de votos do PS para o BE fica resolvida definitivamente).

O resultado final é Aguiar Branco a propor uma revisão do regimento da Assembleia e um aviso sério da AD ao PS: tenham lá cuidado com o que fazem porque não temos problema nenhum em pôr nas mãos da coligação PS/ Chega a resolução dos problemas que quiserem criar, escusam de agitar o fantasma das alianças da AD com o Chega, porque existem tanto quanto as alianças com o PS.

A vida está difícil para a AD, mas não está mais fácil para o PS, o Chega, os pequenos partidos e nós.


9 comentários

Imagem de perfil

De O apartidário a 30.03.2024 às 10:40

A vida está dificil para o país (e para nós em geral) mas já estava há vários anos, quando os jogos políticos e eleitorais se faziam entre os partidos ditos do sistema (sem o Chega).

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucklucky

    Com o jornalismo que existe no ocidente é inevitáv...

  • lucklucky

    Break even é zona depressão.

  • Anonimo

    Não dá para sair com break even?

  • Anonimo

    Esquerda e direita. Os extremos woke. Os que dizem...

  • Anonimo

    Ou se calhar era uma questão de tecnologia. Não de...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D