Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




… e pergunta a maioria absoluta: «Foi para isto?!»

por José Mendonça da Cruz, em 30.03.24

Luís Montenegro recebeu dos portugueses um bom capital: uma vitória por escassa margem, e a ordem para negociar e mudar. Negociar para mudar, não, obviamente, com quem a maioria absoluta dos portugueses quis rejeitar, o Partido Socialista. Negociar para a mudança.

Luís Montenegro e a AD poderiam ter aprendido alguma coisa com António Costa, que em estritas questões de sobrevivência é genuinamente hábil. Costa não hesitou em aliar-se com partidos esses sim antidemocráticos, para governar e, de passagem, engolir os aliados.

Mas não aprenderam nada. E, hoje, Luís Montenegro e a AD decidiram negociar com o PS, e deitar o capital todo pela janela, para não mais o recuperar.

Fio-me muito em certas imagens, e o rosto acinzentado, luzidio, a atitude corporal nervosa de André Ventura ao saber da partição da presidência da Assembleia da República, dizem-me que não esperava aquilo. Esperava negociar e obter alguma coisa que pudesse empunhar. Negociar in extremis, é claro; negociar a falar grosso, é claro; negociar ao fim de umas quantas contradições, é claro; e, depois, ceder. No fim, relevaria até os disparates extemporâneos com que Melo e Rangel se entretiveram a cavar fossos em bicos dos pés. [Quem creia que Ventura estava irredutível, terá que pensar que sacrificou intencionalmente a vice-presidência da AR, um completo absurdo].

Mas a AD preferiu negociar com o PS. E, assim, numa demonstração de embaraço verdadeiramente lamentável, assim e de uma penada só atirou a fiabilidade pela janela fora. E, com este gesto canhestro, a AD cometeu várias coisas, todas elas lamentáveis.

A primeira coisa que cometeu foi subscrever a ideia antidemocrática do Livre e do Bloco de que as novas bancadas da Assembleia são compostas de uma maioria de esquerda e uma minoria de direita constituída pela AD. Há depois, segundo esta tese, uma inexistência, um fumo, um vazio: 50 deploráveis eleitos por mais de um milhão deles. Perante a opção de Montenegro e da AD a extrema-esquerda sorri e esfrega as mãos.

A segunda coisa que a AD cometeu foi hipotecar de vez toda a capacidade de governar. Desde hoje, a AD só poderá tomar as medidas que o PS a deixar tomar. O PS sorri e esfrega as mãos.

Segue-se, portanto, que a AD cometeu uma terceira coisa, um outro erro: o de condenar-se a eleições antecipadas.

A AD cometeu, por fim, a quarta e mais grave de todas as coisas: no momento em que deitava fora o capital que lhe fora confiado, riu-se de quem lho confiou. O que a faz correr o risco de, nas eleições antecipadas a que se condenou, devolver o centro ao PS, a maioria à esquerda toda, e o primeiro lugar da oposição ao Chega (quanto ao CDS, lá terá provavelmente que desatarraxar a placa outra vez). E o PS ri a bom rir, e esfrega as mãos.

E o eleitorado, que pensa? Não faço ideia, mas imagino. Imagino a esquerda a dizer: «São burros, nunca se entendem, estão de saída não tarda». Imagino a maioria absoluta do eleitorado a dizer: «Foi para isto?!»

Publicado no Observador


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Jorge a 30.03.2024 às 09:59

Na mouche. 
Imagem de perfil

De O apartidário a 30.03.2024 às 10:15

"Imagino a maioria absoluta do eleitorado a dizer: «Foi para isto?"  ----------------------------   Muito provavelmente grande parte desse eleitorado até continua a pensar que sim.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.03.2024 às 11:13

O PSD  transmite a impressão de  ser fiel seguidor ( "aluno" ?.) da parasitagem  "comentadeira" televisiva...
Esperem-lhe pela pancada...
Juromenha
Sem imagem de perfil

De rui castro a 30.03.2024 às 11:32

o ps gosta do poder, mas não o sabe utilizar. cativações foram medo de 4ª bancarrota. deixaram as reivindicações para a AD.
não dou a mínima importância à retórica política.
por baixo da mesa cheira a bloco central na ementa.
Sem imagem de perfil

De anónimo a 30.03.2024 às 12:02


Ao escolher o apoio de um PS muito esquerda o L. Montenegro/PSD optou pelo politicamente correcto. O problema é que o terreno está completamente minado, nos orgãos intermediários de poder o PS está instalado e domina. 
Montenegro rápidamente vai constatar o seu destino, PM só em nome. 
Imagem de perfil

De O apartidário a 31.03.2024 às 18:30

A turbulenta eleição do Presidente da Assembleia da República confirmou a tese do perspicaz Rui Tavares. Efetivamente, os três blocos são uma realidade, porém, a sua constituição e visão ideológica diverge substancialmente daquela que o porta-voz do Livre sugere. O modelo, a matriz, a grelha de interpretação do mundo político ocidental, alicerçado na clássica dicotomia entre esquerda e direita, desmoronou. A tradicional divisão assente na organização económica cedeu lugar a um novo paradigma cujo âmago é a identidade. A gritante clivagem que se manifesta é entre globalistas e nacional-populistas, dado que é a identidade nacional a única com força para se opor à avalanche da “governança” global. 

Confrontada com o impasse, a corrente do liberal globalismo em Portugal optou por uma solução pouco inovadora: consensualizou-se dividir o mandato em períodos de dois anos, atribuindo os primeiros dois a Aguiar-Branco e, posteriormente, outros dois a Francisco Assis. Esta é uma prática estabelecida ao longo dos anos no Parlamento da União Europeia (UE), um dos mais infames centros do liberal globalismo, resultante do consenso entre os grupos políticos que o Partido Socialista (PS) e o PSD integram, respetivamente o Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D) e o Partido Popular Europeu (PPE). O leitor não se engane: a atual elite política dominante na UE é vincadamente anti-nacional. O Chega destaca-se, inequivocamente, como o único partido com representação parlamentar que se posiciona em oposição ao globalismo. De facto, a defesa de uma “Europa das nações” traduz essa postura num ambiente de marcada clivagem identitária.

Jorge Humberto Pinto no Observador (artigo Esquerda e direita já não existem) 


Sem imagem de perfil

De Monte claro a 30.03.2024 às 13:24


Foi o Chega que quebrou o acordo. Isto é tão evidente como Ventura ser um indivíduo narcisista que se está nas tintas para todos menos aqueles que o bajulam. Eu voto no teu, tu votas no meu, ganhamos os dois, nem esta combinação simples Ventura foi capaz de honrar. 
 
Por que raio 1 milhão de pessoas votou num partido que foi criado com o único propósito de servir de veículo aos impulsos egocêntricos de um tipo que se acha no direito de parar a instituição política mais importante do país apenas porque alguém disse algo que ele não gostou de ouvir é um mistério insondável. Durante 1 dia tivemos não a Assembleia da República Portuguesa, mas sim a Assembleia do Ventura. Se um dia chegar a um ministério, será o Ministério do Ventura, ou o Governo do Ventura, se chegar a primeiro ministro. Como todos os ditadores ou candidatos a tal, odeia o que diz amar, e nada o caracteriza melhor do que os epítetos que aos outros dirige. 


A fronteira não é entre esquerda e direita, pobres ou ricos, velhos ou novos, é entre quem tolera isto e quem não tolera. 


Montenegro parece não tolerar. Faz bem. Mesmo que derrotado no futuro pelas forças vivas, provou querer estar do lado certo da barricada. 
Sem imagem de perfil

De passante a 30.03.2024 às 13:47

Por mim, já duas semanas antes da votação dava como provável o "bloco central". Não estou particularmente admirado.
Já vi um fulano que acha que percebe de política dizer que o Chega  ficava esvaziado se tivesse ido para o governo. Portanto, por medo, o PSD terá perdido a oportunidade de destruir o Chega, e potencialmente suicidou-se a prazo.
A fazer cinquenta anos, o regime tem poucos entusiastas não pagos. A comissão de enterro tem andado muito discreta, devem estar a gastar a verba em senhas de presença e estudos jurídicos.
Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 30.03.2024 às 14:14

Por quanto aqui escreve não o vejo como apoiante da AD mas sim do Chega. É lá consigo. Se se enganou no voto é simples: para a próxima vota no Chega. O que eu duvido é que não o tenha feito agora. Até podem chegar aos 30%, número geralmente apontado como tecto do voto de protesto. Mais que isso duvido. É muito e é nada porque dá para condicionar mas não dá para governar. Daí o seu lamento. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.03.2024 às 14:29

*****
Sem imagem de perfil

De aleitao a 30.03.2024 às 15:18


Claro como água destilada não há. Nunca vi gente tão burra a gerir o PSD.
A AD foi-se e o PSD a caminho da irrelevância, não aprenderam nada com o Rio. Primeiro um Montenegro infantil com o não é não e agora um outro Hugo qualquer coisa a dizer que o PS é amigo para salvar o próximo Orçamento!
Será que esta Malta não se enxerga?

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D