Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É amanhã o dia da libertação?

por João Távora, em 30.09.21

A desculpa de que o último ano e meio foram tempos duríssimos para o governo - ouvi-o hoje da Ana Catarina Mendes na TSF, sempre com a disposição de um rottweiler a defender o dono, justificando os bons resultados do PS nas autárquicas - é uma rotunda mentira. A pandemia foi dura para os portugueses sim, mas um bálsamo para o governo, que andou em roda livre num jogo de faz de conta, com o país político bloqueado e subjugado ao tema da doença. 



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.09.2021 às 19:49

Bálsamo? Tem noção do que está a dizer?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2021 às 07:31

João Távora, esse "método" é-nos demasiado familiar... e fez "escola". Os actores  mudaram pouco, de modo que, enfim, isto é apenas uma "reprise". 
Mas como a memória é fraca, às vezes convém repescar velhos tempos (peço desculpa pela extensão) recuando ao ano de 2010, 10 de Fev.  Assim escrevia  Pacheco Pereira no seu "Abrupto blog": 

"...escrevendo este artigo à sexta-feira à tarde, não sei muito bem que situação existirá em Portugal no sábado de manhã, quando for publicado. Não por causa da encenação grosseira destes últimos dias à volta da Lei das Finanças Regionais, uma mistura de farronca e de dolo, cujo único efeito foi agravar ainda mais o espectáculo da instabilidade política face aos mercados internacionais. O Governo, que se prestou a este espectáculo, não tem qualquer espécie de noção da gravidade da situação em que colocou o país, isto na hipótese benigna. Porque, na hipótese menos benigna, sabe muito bem o que nos espera qualquer dia destes, e pretende arranjar um pretexto para se pôr a milhas, de preferência culpabilizando outros por uma "situação explosiva" que sempre negou existir e que, bem pelo contrário, ajudou e muito a agravar. Já toda a gente percebeu que Portugal é mesmo uma Grécia que acabará por ter que fazer à força, e por imposição exterior, aquilo que se recusou a fazer, mesmo apesar de ter sido de há dois anos para cá avisado dia sim, dia não, por quase todos os economistas, pelo Presidente da República e por essa senhora frágil que todos atacam e que disse sempre as coisas certas para Portugal, sem qualquer vantagem pessoal e política, pagando um preço elevado por o ter feito num país de irresponsabilidade optimista, outro nome para o desperdício, sob a égide da Casa de Sócrates.

Basta ver a agenda política dos últimos dias do primeiro-ministro para perceber até que ponto é assim. Estas semanas, com a crise "grega" a crescer no horizonte, comemorou os cem dias de um Governo que foi um não-Governo. Não tinha medidas para apresentar, obra dos cem dias, a não ser que se considere as suas experiências de engenharia social "fracturante", como o casamento de pessoas do mesmo sexo, uma "obra" governamental. Almoçou num dos vários dias em que comemorou os cem dias - sempre com a complacência da comunicação social para lhe permitir prolongar a comemoração do vazio - com umas senhoras da moda, alegre e contente, no seu melhor estilo Armani-Boss e deu 200 euros a cada nova criança. Pagos daqui a 18 anos. Este tipo de "oferta", puro desperdício sem sentido social, sem qualquer efeito benéfico mensurável, é mais uma das formas perversas de alimentar a ideia de um Estado que "dá" coisas aos cidadãos, ainda por cima dinheiro. E "dá" coisas com um profundo sentido de injustiça social, porque ricos e pobres vão receber os mesmos 200 euros."

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2021 às 07:49

(cont.)
aquilo que o Sol revelou sobre a existência de um plano governamental para o controlo político da comunicação social. Serei certamente a última pessoa a ficar surpreendida com esse "plano" - na verdade mais uma conspiração do que um plano - porque faço parte de uma pequena minoria daqueles que achavam e acham que existe em Portugal um risco real de "asfixia democrática", com origem na Casa de Sócrates. Muitos o negaram, alguns com dolo, porque sabiam bem de mais o que se estava a passar e lhes interessava negá-lo; outros com ingenuidade, porque lhes parecia excessivo acusar o primeiro-ministro de mais do que mau jeito e inabilidade ou apenas grosseria no tratamento com a comunicação social. Outros ainda achavam que se tratava apenas de acusações inerentes ao jogo político e, como todos "fazem o mesmo", não valia a pena qualquer preocupação especial. Mas à luz do que todos os dias se vem a saber e daquilo que, com grande cópia de pormenores, faz parte dos documentos judiciais que o Sol começou a publicar, como é possível negar a evidência de que há mesmo uma "asfixia democrática" (seja qual for a imprecisão do termo e o seu mau uso)? Só negando a factualidade de tudo o que já se sabe sobre a "operação TVI" e as suas adjacências é que é possível negar que José Sócrates mais o seu grupo no PS (e intencionalmente não digo o PS, porque a Casa de Sócrates é um grupo muito especial à volta de Sócrates e do seu poderoso gabinete) organizou uma verdadeira conspiração com recursos públicos para, alterando a propriedade de órgãos de comunicação social para mãos amigas, poder assim calar os jornalistas que considerava inimigos.

(...) a conspiração que lá está retratada mostra como funciona o poder político em Portugal, usando redes de poder e influência, a partir do Governo para empresas públicas e privadas, bancos "amigos" por exemplo, para realizar operações de compra de órgãos de comunicação social considerados hostis e para limpeza de pessoas e programas incómodos em vésperas de eleições. Tudo feito às escondidas, disfarçando as operações financeiras por detrás de ecrãs destinados a distanciar as decisões do primeiro-ministro. Este, quando confrontado com as pontas do véu que já se tinham levantado, protegeu-se mentindo ao Parlamento. Mas tudo isto é atentatório da liberdade e da democracia e, num país que preze estes valores, poderia levar à queda de um Governo. "


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2021 às 07:54

O texto transcrito foi retirado daqui:


http://abrupto.blogspot.com/2010_02_01_abrupto_archive.html



Na mesma pág. segue-se um post que nos recorda o "método" usado pelo blog "Câmara Corporativa". Convém revisitar esses tempos. São de grande utilidade para se compreender o presente.
AFPonte
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2021 às 08:06


Exercício:
Atente nos espaços vazios donde foi suprimido um nome:


" Nenhum Governo foi mais longe do que o de ............ nesse esforço de condicionar o que pensamos (...) ou qualquer jornal que não aceite o traço invisível dos temas proibidos, nenhum Governo foi mais longe na tarefa de nos enganar pura e simplesmente. Para o conseguir gastou-se dinheiro como nunca, agências de comunicação, encenações, marketing e, quando isto não chegava, exercício puro e duro do poder, às claras ou, pior ainda, às escondidas e no limite da legalidade, para varrer tudo o que incomodava a marcha gloriosa de..............."

Depois de ler, sublinhe a resposta correcta:
1 - Sócrates
2 - A. Costa
3 - Tanto faz
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 01.10.2021 às 08:16

RETRATO FIEL

A justiça demora um ano a perceber que há um partido ilegal.
Marcelo chama equívocos a palhaçadas indecorosas.
É cozinhada a demissão de um alto graduado das forças armadas para ser substituído por um outro desejado.
Gera-se alvoroço oficial pela fuga internacional de um acusado quando há tantos fugitivos cá dentro.
A pandemia foi a prova sempre escondida de um governo e satélites de gente incapaz, desonesta, e alarvemente sustentada em todas as dimensões.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2021 às 08:50

"Desde domingo, a oligarquia socialista descobriu que afinal Lisboa estava “farta” de Medina. Percebe-se porquê: dá jeito que Medina caia sozinho. Mas a pergunta é inevitável: que caracterizava Medina e a sua administração municipal que não caracterize todo o poder socialista?"

- Rui Ramos
Sem imagem de perfil

De balio a 01.10.2021 às 09:30

É o costume. Nos Estados Unidos também é costume argumentar que a guerra do Vietname foi muito penosa para os Estados Unidos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2021 às 15:21

o pm resolve o problema por decreto

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2022
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2021
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2020
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2019
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2018
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2017
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2016
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2015
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2014
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2013
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2012
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2011
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2010
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2009
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2008
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2007
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2006
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D