Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É a inversa

por henrique pereira dos santos, em 11.09.20

O que tem sido exaustivamente dito sobre a relação entre medidas não farmacêuticas e a evolução da epidemia pode resumir-se em generalidades como esta:  "A segunda vaga pode ser evitada se as medidas de restrição forem seguidas à risca".

A ideia na base de afirmações deste tipo, ou melhor, na base das politicas que usam esta falácia como fundamento, é a ideia de que somos nós e os nossos comportamentos que controlam a expansão da doença.

É uma ideia muito apelativa, porque muito lógica - um vírus perdido no deserto do Sahara nunca estará na base de um surto epidémico por lhe faltarem os hospedeiros - mas é uma ideia essencialmente errada.

O estudo dos fogos ajuda a explicar a falácia.

Para haver fogo é preciso haver:

1) combustível (no caso de uma epidemia, hospedeiros);

2) comburente (no fogo é o oxigénio, numa epidemia vamos considerar genericamente as condições intrínsecas da infecção, mesmo que não saibamos exactamente quais são);

3) ignição (no caso da epidemia, contágios).

Frequentemente, ao olhar para estes factos, desenham-se políticas lógicas.

Não estando na nossa mão controlar o teor de oxigénio na atmosfera, partimos do princípio de que o comburente é um facto fixo. Sendo muito caro gerir combustíveis, o mais lógico será desenhar políticas para o que só depende do nosso comportamento: as ignições, que, na esmagadora maioria dos casos em Portugal - a questão é diferente, por exemplo, nos EUA - têm origem humana.

E, entretanto, criamos um robusto sistema de supressão do fogo para evitar os prejuízos que o fogo causa, considerando-se que a redução das ignições ajuda ao melhor desempenho deste sistema de supressão ao diminuir os focos de incêndio.

O problema é que sendo o que escrevi muito lógico, de tal forma que qualquer pessoa sem nenhum conhecimento da dinâmica do fogo o compreende facilmente, está errado.

E está errado porque as ignições não são todas iguais: acender um fósforo e atirá-lo para um chão de calçada ainda aceso não representa nenhum risco porque não há condições de progressão do fogo, uma ignição qualquer, num dia meteorologicamente excepcional, num contexto de abundância e continuidade de combustíveis finos pode dar origem a 30 mil hectares ardidos em muito pouco tempo, com o fogo a evoluir sempre para lá da capacidade de extinção do tal sistema de supressão do fogo.

Acresce que sempre que o sistema de supressão do fogo funciona - o que acontece na maioria das ignições, qualquer coisa como em 98 a 99% das ignições - induz um efeito de retroalimentação da acumulação de combustíveis que tem como efeito aumentar grandemente os problemas resultantos dos dois por cento de ignições que dão origem a 90% da área ardida.

Ou seja, na verdade a questão central não está no controlo das ignições, mas na gestão das condições de propagação do fogo.

Tiago Oliveira, em várias ocasiões, tem apresentado um gráfico que relaciona a área ardida no ano anterior e a produção de legislação sobre fogos, protecção civil e gestão florestal, demonstrando que há uma relação positiva entre as duas coisas, isto é, quanto mais área ardida num ano, maior a produção legislativa nos tempos imediatamente subsequentes.

Como ele próprio descreve na sua tese de doutoramento, de forma mais elegante:

"O modelo é formado por um subsistema físico e um subsistema político. O subsistema físico tem como variáveis a carga combustível acumulada, a velocidade de propagação do fogo e a intensidade da linha de chama.

O subsistema político usa como variável a área ardida do ano anterior, que se relaciona positivamente com os investimentos em supressão, na medida em que estes resultam da pressão da população sobre o governo para actuar sobre a dimensão visível do problema.

Dado um orçamento finito, à medida que a área ardida aumenta, o subsistema político responde com o reforço dos meios de combate, reduzindo a disponibilidade orçamental para medidas direcionadas à prevenção.

No curto prazo, alcançam-se os resultados desejados, mas nos anos subsequentes, através da dinâmica induzida no subsistema físico, observa-se que carga de biomassa combustível é crescente, levando a incêndios maiores, com maiores durações e severidades."

Ao olharmos para a gestão da epidemia com estes olhos, parece-me impossível não ver o que está a acontecer, salvaguardando que sendo isto para mim óbvio, o óbvio é demasiado subjectivo para o dar como adquirido.

Vejo pessoas satisfeitas com o facto de, desta vez, o Governo não ter decidido tornar obrigatório o uso de máscaras (e outros dispositivos de supressão do fogo, desculpem, de supressão dos contágios) na rua.

Desenganem-se.

O uso de máscaras - salvo o caso específico de espaços interiores, mal ventilados, cheios de gente que é forçada a estar muito próxima, em que se admite que possam ser úteis para a prevenção de contágios - não influencia relevantemente a dinâmica de contágios na epidemia, é a dinâmica de contágios da epidemia que influencia as decisões - quer públicas e coercivas, quer privadas e voluntárias - sobre o uso de máscaras.

Tal como nos fogos, o número de contágios que geram surtos com alguma dimensão é relativamente diminuto, falando-se em 10 a 20% de pessos responsáveis por 80% dos contágios. Mais relevante, a esmagadora maioria dos contágios ocorre em espaços de co-habitação, sejam em estruturas colectivas, como os lares, sejam em contexto familiar, o que significa que a pequena percentagem de contágios em contexto social é, provavelmente, responsável pela manutenção dos níveis de contágios em cada momento.

Tal como nas ignições, é irrealista tentar reduzir os contactos interpessoais em contexto social a zero e, nessas circunstâncias, é muito irrealista a ideia que António Costa expressou ontem: 'Comportamento da pandemia depende do comportamento de cada um" (Bingo!, foi repescado o slogan do "Portugal sem fogos depende de todos").

Resumindo: haver ou não haver obrigatoriedade de uso de máscaras na rua vai apenas depender da evolução do número de casos: se aumentarem muito, a pressão da opinião pública sobre o governo sobe, e o Governo manda toda a gente usar máscara em todo o lado; se não aumentarem, ou diminuírem, vamos poder andar sem máscara na rua.

Já a evolução do número de casos se está nas tintas para o uso que façamos das máscaras, tal como o fogo se está nas tintas para os êxitos do sistema de supressão: de cada vez que funciona, aumentamos o carácter favorável do contexto para a futura para expansão, seja do fogo ou da epidemia.



2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.09.2020 às 10:54

exactamente
tácticas e estratégias erradas: fecharam tudo e 1/2 ano depois faliu o país e o vírus anda à solta
os culpados dão os contribuintes que num país civilizado seriam cidadãos
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 11.09.2020 às 15:31

É por compararem a epidemia aos fogos é que as discotecas fecham à noite.
Eu nem imagino a tragédia que podia acontecer por alguém atear um vírus às duas da manhã. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Elvimonte

    "Já agora quanto há Vit. D" Ah... Há de facto carê...

  • Anónimo

    O problema não está só nos "pivôs", nas suas forma...

  • voza0db

    Basta ver que para se entrar para uma faculdade de...

  • voza0db

    Pois...O engraçado é que em pleno século XXI ainda...

  • Anónimo

    Como não sou negacionista sobre a existência deste...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D