Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Dois mil anos

por João Távora, em 17.02.23

(...) A Igreja Católica, em Portugal, continua a ter importância e a exigir-se dela uma perfeição que não se espera de mais nenhuma instituição. A própria discussão provocada pelo inquérito sugere isso. Daí que as visões laicistas de uma iminente ruína da Igreja pareçam algo exageradas. Não foi aliás esta a primeira vez que alguém, do alto de um púlpito jacobino, aproveitou um escândalo eclesiástico para declarar liquidadas a tradição apostólica, a autoridade do papa ou o celibato do clero. Os então chamados “livres pensadores” passaram o século XIX a anunciar o fim da Igreja. Uns esperaram abolir o catolicismo em duas ou três gerações; outros confiaram em que, no mínimo, haveriam de casar os padres. Para isso, usaram a propaganda, mas também a força, quando por acaso tiveram poder. No século XIX, não acreditaram que a Igreja sobrevivesse à ciência e à democracia; no século XX, ao Estado social e aos novos costumes. Acontece que a Igreja sobreviveu, mesmo sem poder político, mesmo sem coação social, e mesmo sem ser sempre servida pelos melhores e mais exemplares, como se viu agora.

Para os crentes, será um sinal da providência divina. Quem não tem fé, poderá talvez pensar em outras causas. Por exemplo, no fracasso abjecto das alternativas “científicas” à religião revelada, como as ideologias totalitárias do século XX, ou na farsa pueril das opções “espiritualistas”, como os movimentos de tipo “New Age”. As tradições religiosas, mesmo em plena modernidade, continuaram a corresponder, melhor do que quaisquer substitutos, a necessidades e inclinações fundamentais. Românticos e modernistas, por mais ateus ou agnósticos, permaneceram sensíveis ao mistério e à estética do cristianismo. A tradição das igrejas cristãs deu a sua expressão mais intensa a duas ideias aparentemente contraditórias: a ideia de que o poder humano é limitado, e a ideia de que, apesar disso, a redenção é possível. Para os crentes, Deus é a solução. Para muitos não-crentes, importa manter a questão nos termos simultaneamente exactos da tragédia e da esperança, e na nossa cultura ocidental é a tradição cristã que melhor o consegue. É por isso (e não por simples inércia social), que nem a ciência, nem o Estado laico nem os escândalos eclesiásticos cancelaram em Portugal a Igreja Católica, e é por isso que ainda hoje, com a prática religiosa em retrocesso, a Igreja inspira tanta discussão. Daí que, sem diminuir nem relativizar o inquérito, seja provável que a Igreja continue por aqui no próximo século, com a sua tradição, o seu papa, o seu clero e, claro, os seus devotados inimigos.

Rui Ramos  no Observador. A ler o artigo completo Aqui


6 comentários

Sem imagem de perfil

De pitosga a 18.02.2023 às 13:14

Não lerei RR em qualquer parte. Mesmo nessa em que está a pensar.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D