Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Do racismo III

por João Távora, em 29.01.19

(...) Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.(...)

 

A propósito do tema da segregação racial é importante ouvir esta impressionante interpretação de Billie Holiday de "Strange fruit" de 1939, que fala dos corpos dos negros linchados pendurados nos álamos do sul dos Estados Unidos no século XIX. Muito caminho foi feito desde então. Certo é que, mais eficiente que qualquer activismo marxista para a erradicação do racismo (como é ser negro nos antigos paraísos socialistas?), tem sido o efeito ao longo das ultimas décadas do "Soft Power" que emerge no ocidente liberal judaico-cristão, através da produção literária, da música (em especial do Jazz e da Pop) e do cinema, que tem ensinado gerações a conviver em harmonia com a diferença étnica e (às vezes) cultural. Claro que ainda falta muito caminho e os Mamadous só atrapalham. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 29.01.2019 às 17:34

o ocidente liberal judaico-cristão

Convem entender que, em geral em qualquer sociedade, a cultura da sociedade influencia mais a sua religião do que vice-versa.

Passa-se na Europa precisamente isto: o liberalismo influenciou fortemente o cristianismo (menos talvez o judaísmo), muito menos o contrário.
Sem imagem de perfil

De André Miguel a 30.01.2019 às 11:49

Errado. Foi o Cristianismo que influenciou o liberalismo e não o inverso. Jesus Cristo disse "faz a tua escolha", já Maomé obriga à submissão, e tambem advogou a separação entre Estado e Religião (a César o que é de César, a Deus o que é de Deus). Já para não falar dos 10 Mandamentos que são um garante das liberdades indivíduais sem prejuízo de terceiros...
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 30.01.2019 às 14:12

O André Miguel está a fazer uma interpretação liberal, europeia e moderna do cristianismo. No passado, as mais das vezes, o cristianismo foi interpretado de forma totalmente oposta: os cristãos passaram a maior parte do tempo a matar os não-cristãos e a matarem-se entre si, de forma totalmente intolerante para com maometanos, judeus, bruxas, hereges, protestantes ou católicos, etc. (Espero que não necessite de lhe dar exemplos.) O Mandamento "não matarás" foi repetidamente violado. Só recentemente é que, com a liberalização geral da sociedade, o cristianismo passou também ele a ser mais liberal. Mas, em sociedades menos liberais, como na América Latina ou em África, o cristianismo continua a ser brutalmente intolerante (por exemplo, para com o aborto e a homossexualidade).
Em suma, tal como eu digo, é a cultura da sociedade que (as mais das vezes) influencia a interpretação da religião, e não o inverso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.01.2019 às 20:46

João Távora, a Billie Holiday iria sorrir com este seu post, no mínimo. Nunca alguém deixou de ser racista por ouvir música. Na terra dela, a segregação não acabou com concertos ou sessões de leitura, mas com o exército e a polícia, à força. E muitas, ou todas, as organizações e indivíduos que lá lutaram contra o racismo, foram também acusados de comunistas. É uma tática antiga, essa, como vê. E também lá muitos outros, como o Mamadou, foram acusados de incitar o ódio. E muitos outros responderam que o problema é o racismo, não o que diziam (e dizem) os ativistas contra o racismo.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 30.01.2019 às 09:52

a segregação não acabou com concertos ou sessões de leitura, mas com o exército e a polícia, à força

Razão teve portanto Malcolm X quando disse que, se a segregação não acabasse através do voto, acabaria através da bala.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.01.2019 às 16:18

Luis Lavoura, eu não estou a dar nenhuma novidade. É um facto histórico e documentado que o fim da segregação foi imposta à força, não foi com violinos. Já a escravatura apenas tinha acabado após muito sangue. O post, para além de uma ingenuidade tocante, é historicamente errado. O combate contra certas injustiças flagrantes é impaciente, não pode estar á espera de soft powers, trabalho de gerações e gerações. Eu digo-lhe sinceramente que não sei o que faria se fosse negro e um filho meu me aparecesse a dizer que o tinham humilhado na escola por causa da sua cor, coisa que acontece ainda agora, depois de tanta música e literatura. Vi que numa entrevista recente a nossa ministra da justiça disse aos seus filhos pequenos que gritassem com quem na escola os humilhasse. Só quem passa por isso é que sabe. Quem não tem a experiência direta, pode pelo menos sentir empatia.

Perfil Facebook

De Ricardo Miguel Sebastião a 30.01.2019 às 12:39

A este propósito, aconselho vivamente o filme Green Book, em exibição nas salas nacionais.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.01.2019 às 17:45


Há que compreender.

As culturas africanas baseiam-se na tribo. Numa tribo o que se caça, lavra e colhe é comum. A re-distribuição de bens é expontânea. Indiscutível. Letra de fé. 

Por vezes é difícil ao culturalmente "europeu" percebr isto. E vice-versa.... Adiante.



Não é em vão que mesmo as segunda gerações de africanos -filhos de imigrantes, que receberam a sua cultura de socialização, também, no geto- se identifiquem com formas de socialização híbridas, confusas, quase "tribais".
Não é em vão que esses cidadãos apresentem expontânea afinidades pela cultura social de partidos como o BE, com a sua ideologia e propaganda de pendor "comunitário", típico nos jóvens que populam estes partidos. 
É como as borbulhas: duram enquanto duram, mas passam.

Na verdade o hábito não faz o monge e um dia destes teremos este, certos personagens, à procura de lugares elegíveis bem mais à direita. Está-lhes no sangue. É teatro. É a política. Vemos disso desde o PREC. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Luís Lavoura

    Sobre o linque para a "família cristã" do João Táv...

  • EMS

    Qual é o interesse jornalístico em noticiar um gru...

  • Rezingão

    As pessoas é que não confiam neste estado de sítio...

  • Anónimo

    As pessoas é que não confiam neste estado de sítio...

  • Anónimo

    Sempre que há celebrações e ajuntamentos de grande...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D