Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Dêem uma chance a Lisboa

por João Távora, em 24.09.21

Lisboa1.jpg

Confesso que acho uma completa falta de noção a auto-satisfação evidenciada pela administração autárquica socialista de Lisboa que já dura há catorze anos. Para lá duma recente e insuficiente reanimação do mercado imobiliário - e consequente reabilitação duma quantidade considerável de edifícios da cidade - que tem como origem a chamada "Lei Cristas" e da recuperação de alguma actividade económica que advém do boom verificado no turismo (um fenómeno iniciado no consulado de Passos Coelho), a minha cidade continua num processo de decadência que tarda ser invertido.

De facto, a requalificação de certos espaços públicos, as ciclovias e a redução dos lugares de estacionamento, se servem para atrair atléticos ciclistas, visitantes dos conselhos vizinhos e cativar os turistas, pouco ou nada beneficiam os poucos habitantes da cidade que resistem à tentação de ir viver para os subúrbios com uma vista desafogada, boas acessibilidades, e sem maus cheiros. Uma volta pelo centro de Lisboa à noite, revela-nos uma cidade com centenas de edifícios devolutos ou emparedados, prédios e monumentos espichados de obscenidades, lixo abandonado em sacos ou fora deles ao sabor do vento. Lisboa tarda a recuperar uma oferta imobiliária suficientemente dinâmica para reanimar o mercado de arrendamento e atrair novas gerações para o seu seio. A maior parte das ruas quase desabitadas parecem superfícies vulcânicas que desafiam a resistência estrutural de qualquer automóvel ou autocarro. A vantagem por estes dias é que haverá freguesias em que é possível a um autarca mais zeloso conhecer pessoalmente cada munícipe.

Lisboa é uma cidade mal-amada. Destino de chegadas e partidas, ela foi perdendo a alma e na verdade hoje poucos lhe vestem a camisola. Poucos são os que choram com sinceridade o seu abandono e decadência. Não chegariam esses para por fim à desastrosa gestão da cidade de António Costa e de Medina? Penso que Lisboa merece um grito de alma que clame por uma mudança radical que só pode ser operada por quem se preocupe verdadeiramente com os lisboetas. Que os deixe prosperar e viver em paz, a movimentar-se na cidade com orgulho na sua terra e na sua história. Atraindo novas gerações e novos habitantes. Porque enquanto não voltarmos a vislumbrar crianças na cidade ela estará a morrer.

Temos de ter ambição pelo menos a desejar, a sonhar. Por isso gostava que Lisboa se enchesse de brios e corresse com os socialistas, dando a oportunidade a diferentes aspirações, mentalidade e energia. E isso só será possível com a vitória de Carlos Moedas no Domingo. Percebe-se pela sua equipa e pelo brilho que emana dos seus olhos.

Dêem uma chance a Lisboa, a minha cidade querida.



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.09.2021 às 16:54

João Távora, ontem, seriam as 23h:15 na SicN (Eixo do Mal) a Clara Ferreira Alves traçou o retrato mais demolidor que ouvi do ACosta. Foi brilhante. 
Aconselho vivamente. É preciso apear esta gente.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.09.2021 às 17:29


[Lisboa] continua num processo de decadência


O João Távora vive no Estoril e tem uma ideia pálida do que se passa em Lisboa. Eu habito no centro de Lisboa, e todos os dias a percorro a pé, e tenho bem melhor noção.


Lisboa não está em decadência. É verdade que a sua população está a decrescer, mas está a fazê-lo em linha com a população de praticamente todo o país. Decrescer 3% em dez anos não é nenhuma tragédia. Toda a cidade está a progredir em arranjo. Imensos prédios têm sido recuperados; a zona em que vivo (perto do centro) está praticamente irreconhecível, com imensos prédios que há dez ou vinte anos estavam em ruínas e agora estão todos lindos. O comércio está bem e recomenda-se (embora muito dele já não seja feito por portugueses de gema e sim por asiáticos). Na rua em que vivo, em meio quilómetro, há uma dezena de restaurantes e uma dezena de mercearias ou supermercados. Os passeios e os pavimentos, embora sofríveis, estão cada vez menos maus. Os jardins estão muito bem arranjados. A sujidade continua a existir, mas é bem menor do que já foi. A caca de cão que há dez anos era comum já bem menos se encontra, e lixo fora do sítio, também.


Eu não vou votar na presente vereação nem na presente junta de freguesia. Vou votar no partido de que faço parte (IL). Agora, João Távora, não diga disparates: Lisboa não está em decadência.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.09.2021 às 19:00

https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/a-lisboa-de-medina-21-13090890



https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/a-lisboa-de-medina-18-13090034



https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/a-lisboa-de-medina-17-13090489



https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/a-lisboa-de-medina-16-13089310



https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/a-lisboa-de-medina-14-13088807



https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/entao-a-joacine-e-o-mamadu-vem-isto-e-13104645



https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/lisboa-13085128

(reabertura na "mouche" !)


Etc.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.09.2021 às 19:02

E assim, o João Távora tem razão. Lisboa precisa de uma nova chance.
Sem imagem de perfil

De Marco Antunes a 25.09.2021 às 21:53

Pois, correr com os socialistas. Ok. Vamos a isso. Mas quem é querem lá por? O Moedas? Tenham juízo. O tipo saltou do avião para Lisboa e não sabe usar o pára quedas.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Compete ao Estado zelar por nós, dizem. Mas, e se ...

  • Anónimo

    Tempos difíceis se aproximam e o Costa põe o corpi...

  • Anónimo

    https://blasfemias.net/2021/10/26/vai-se-a-ver-a-c...

  • Anónimo

    Subscrevo. Um período de má memória que vai deixar...

  • Carlos Sousa

    Pois, a reposição do imposto extraordinário não co...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D