Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Debates

por henrique pereira dos santos, em 07.02.24

Nem pensar em ver todos os debates e muito menos os debates sobre os debates eleitorais.

Mas vou vendo quando quero ou me aparece diante dos olhos.

O mais extraordinário é ver comentadores dizerem, por exemplo, sobre o debate entre Mariana Mortágua e Luís Montenegro (espero que Mariana Mortágua, na improvável hipótese de me ler, não fique ofendida por a designar primeiro que ao homem com quem debateu, como faria com qualquer mulher), que Mariana Mortágua apareceu muito combativa, ou preparada, e outras apreciações do mesmo tipo.

O que me mais me impressionou foi vê-la a mentir descaradamente sobre o conteúdo das avaliações do Tribunal de Contas às PPP da saúde e, sabendo perfeitamente que estava a mentir, reforçar que estava a fazer citações, citando meia dúzia de factos escolhidos que não relevam especialmente para as conclusões inequívocas do tribunal de contas e que são contrárias ao que ela estava a pretender dizer que eram essas conclusões.

Acharia normal que esta facilidade em mentir descaradamente, usando técnicas sofisticadas de mentira, fosse uma das traves mestras da apreciação do desempenho de Mariana Mortágua.

Estranhamente há muito quem nem sequer refira isto e, dos que referem, que ainda são alguns, o façam frequentemente como se fosse um pecadilho sem centralidade no desempenho de Mariana Mortágua.

Depois queixem-se da falta de qualidade dos debates quando mentiras desta dimensão, conhecidas e reconhecidas por todos, pesam tão pouco na apreciação global do desempenho de um político.


21 comentários

Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 07.02.2024 às 15:47

Com tanto amor às PPP presumo que vá votar PS. Assim quase sem dar por isso, antes de marchar, já em gestão, Costa fez uma PPP de 30 anos com a Mota-Engil para a construção do novo hospital de Lisboa e esticou por mais uns anos a da Fertagus. Ninguém abriu bico. Imagino a sua alegria. No caso do hospital de Lisboa ainda há mais para repartir: falta depois a PPP da gestão. Essa já terá que ser outro. Um novo milagre dos pães. Aliás, muito melhor porque Cristo só tapou a fome a cinco mil.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.02.2024 às 16:09


Não sou ou alguma vez fui utente de um desses, mas de Loures toda a gente falava bem, já do de Cascais, PPP, era o contrário.
Também terá a ver com o número de utentes, dimensionamento da instituição, cobertura, etc...
Não acho que ser SNS ou PPP seja sinónimo de boa ou má gestão, ou de bom ou mau serviço; acredito que embora dependa também do sistema, cada caso é um caso. Mas que sei, nem a mim sei gerir quanto mais outras coisas, deixo isso para os péritos.

Adiante
Sem imagem de perfil

De balio a 08.02.2024 às 09:37


Costa fez uma PPP de 30 anos com a Mota-Engil para a construção do novo hospital de Lisboa




30 anos?! Está previsto a construção do hospital demorar 30 anos?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.02.2024 às 15:54


Não vi, nem verei (presumo que estejam online?).
Nem acho que se diga algo de jeito, nem acho que o desempenho seja motivo de orientação de voto.
As notas e desempenho são um tópico agrdável, na linha dos programas da bola. Uns ganham, outros perdem, a arbitragem foi isenta.

Li algures que o Ventura foi toureado pela Dra do PAN, presumo que siga em último na classificação e nem à Liga Europa chegue.
Imagem de perfil

De O apartidário a 07.02.2024 às 16:56

A sra do Pan sabe quantas tendas tem à porta da "loja" na Almirante Reis? 
Sem imagem de perfil

De ptc a 07.02.2024 às 16:05

Henrique, a MM é comunista ( trotskista mas ainda assim comunista).
Mentir e distorcer,  está-lhes no ADN por isso não é para admirar.
ADOREI a história da avozinha, que, à data dos factos, teria uns 100 anos... ou seja, história da Carochinha... Qualquer pessoa sabe que nenhum, nenhum inquilino com mais de 65 anos pode ser despejado, mesmo que não resida no locado pu não pague a renda.
Mas fica "a preparação", "a combatividade"....
Sem imagem de perfil

De balio a 08.02.2024 às 09:43


Qualquer pessoa sabe que nenhum, nenhum inquilino com mais de 65 anos pode ser despejado


Sim, mas também qualquer pessoa sabe que se criou em Portugal um clima de inimizade e profunda desconfiança entre senhorios e arrendatários. A reação de um inquilino ao receber uma carta do senhorio deve ser similar à reação de um contribuinte ao receber uma carta das Finanças. Creio que foi desse tipo de reação que Mortágua falou (não vi o debate).
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 07.02.2024 às 17:27

Pior que os debates entre os candidatos, são os jornalistas que lideram os mesmos.
Incompetentes, ignorantes convencidos. 
E depois a panela de comentadores imbecis mal formados sem nível nem conhecimentos para debater uma partida de berlinde, revolta qualquer cidadão é, aposto, vai fazer muita gente não por os pés nos locais de voto 
Sem imagem de perfil

De balio a 08.02.2024 às 09:46


Pior que os debates entre os candidatos, são os jornalistas que lideram os mesmos. Incompetentes, ignorantes convencidos.


Sim, o debate entre Ventura e Rocha foi "moderado" por uma tal Rosa, da SIC, que passou imenso tempo a tentar interromper Ventura, falando ao mesmo tempo que ele. Uma grosseira inqualificável, a meu ver.
No meu critério, a principal coisa que não se deve fazer num debate é interromper os outros ou falar ao mesmo tempo que eles. E então que seja o moderador a fazê-lo, é inadmissível.
Sem imagem de perfil

De anónimo a 07.02.2024 às 23:46


A excepção será o debate entre o representante do PSD e do do PS mas, mesmo assim, poucochinho.



Quanto ao resto tudo é e será um enjoativo, inconsequente show sem o mínimo interese político. Apenas anedotário, em política. E não só pelas deturpações da realidade que abundam no linguajar de tais "debatentes". 
Debates entre figuras secundárias -em futebol ou em política- não resultam.



Representatividade política real só a têm os candidatos eleitos uninominalmente vencedores no seu círculo eleitoral. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2024 às 08:56

A M.Mortágua e o BE são gente populista e ainda mais perigosa que o Chega. Aconselho a que leiam os factos referidos pelo Alexandre Homem Cristo no Observador. 

https://observador.pt/opiniao/o-populismo-do-be-espelha-o-populismo-do-ch/

Está lá tudo descrito sobre o populismo de esquerda: são gente exacerbadamente radical, impregnada de extremismos, que usa constantemente o discurso de ódio, frases panfletárias carregadas de xenofobia explícita, de incitamento à violência, de apelo à raiva,  para promover os conflitos sociais, que segundo eles, a luta de classes é o motor da História. 
 História essa que terminou sempre em brutalidade, escravidão, chacina.


Apesar desses horrores tudo se corrige quando uma sociedade deseja viver numa democracia sólida, plena e livre. Contudo que ninguém tenha a ilusão de que a Democracia é um dado adquirido.
  
É por isso urgente um apelo: que alguém nos faça o obséquio e tenha a caridade de confrontar o Pedro Nuno Santos durante os debates e fora deles, sobre a possibilidade de vir a aliar-se com os populistas do BE e quejandos, se por um infeliz acaso o seu partido viesse a ser o mais votado em Março.


Os senhores jornalistas que deixem de fingir que só existe um partido populista e xenófobo e párem de assobiar para o lado e façam o seu trabalho. 
Exijam de PNS e do Partido Socialista uma resposta clarinha (para não se ir ao engano) pois os eleitores, para decidirem o seu voto em consciência,  têm o direito de ser informados se o PNS tem(ou não) linhas vermelhas ou cercas sanitárias em relação 
---- aos radicais e populistas da extrema-esquerda do BE. 
Exactamente como se exigiu à direita e nos esclareceu da sua indisponibilidade para alianças com 
---- os radicais e populistas da extrema-direita do Chega. 
 
Imagem de perfil

De O apartidário a 08.02.2024 às 13:48

Prioridades desses partidos (e  que vão voltar se Ps e bloco voltarem a des(governar)
https://oplanetadosmacacospoliticos.blogs.sapo.pt/prioridades-da-maioria-paralamentar-73511
Sem imagem de perfil

De balio a 08.02.2024 às 14:35


Está lá tudo descrito sobre o populismo de esquerda: são gente exacerbadamente radical, impregnada de extremismos


Não. Ser radical ou ser extremista não é o mesmo que ser populista.


Um populista é um político que se identifica com o "povo" em contraposição à "casta". Em Portugal há vários tipos de populismo bem documentados: o populismo militar (exemplos: Sidónio Pais, Humberto Delgado, Ramalho Eanes), o populismo autárquico, e o populismo político (do qual Sá Carneiro foi um expoente). Os populistas, em geral, não são extremistas nem radicais.
Sem imagem de perfil

De JPT a 08.02.2024 às 15:56

Gouveia e Melo.
Sem imagem de perfil

De balio a 08.02.2024 às 17:08


Gouveia e Melo ainda não se assumiu como político populista. Mas, se o vier a fazer, certamente que terá algum sucesso.
No entanto, o populismo militar tem caído em desuso em Portugal. As fardas já não têm o charme de outrora.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.02.2024 às 10:53

« Ser radical ou ser extremista não é o mesmo que ser populista.»



Balio, no caso da extrema-esquerda é. (Tem essa particularidade).
E sabe porquê? Porque não se limitam a colocar o "povo" em contraposição à "casta" » _ como diz. 
De certa maneira a sua definição sobre "populismo" está correcta e aplica-se aos exemplos que deu . 
Mas no caso em apreço (o populismo da extrema-esquerda) ele não se limita a essa inócua e quase benévola "contraposição" entre os dois grupos sociais que referiu. Vai muito mais longe, pois qualquer "simples" opositor é ostensivamente colocado em campo inimigo ( este detalhe é importante). E o inimigo eleito e preferencial é a "casta". 
Esta visão populista é extremista  (ao contrário do que o Balio disse) porque não há adversários políticos cuja existência se aceita democraticamente e com quem se debate numa contraposição saudável.
 Para os radicais de esquerda só há inimigos (os eleitos por eles) que é preciso destruir, num ajuste de contas sem tréguas. Depois... é só dar um pequeno passo até ao incitamento à raiva e ao ódio entre classes, pequenas minorias sociais, raciais, etc. como se constata nos discursos e nas palavras de ordem dos seu slogans.
Sem imagem de perfil

De balio a 09.02.2024 às 12:28


Continua a confundir as coisas.
Um populista pode ser de extrema-direita, de extrema-esquerda, ou pode ser um moderado.
Não se deve confundir um populista com um demagogo. Um demagogo é uma pessoa que faz propostas agradáveis para o povo (ou para uma parte dele) mas que são impossíveis de cumprir. (Até certo ponto, todos os políticos são demagogos, mas uns são-no muito mais do que outros.) As pessoas de extrema-direita e de extrema-esquerda tendem a ser muito demagógicas. Mas isso não faz delas populistas.
Por exemplo, André Ventura e Mariana Mortágua são claros demagogos. André Ventura é, ademais, um bocado populista; Mariana Mortágua não o é. Em compensação, Mortágua é mais extremista (de esquerda), a meu ver, do que Ventura o é (de direita).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2024 às 09:51

Qual é o espanto?! Os bloquistas mentem. Ponto final. 
Como também é provavelmente mentira a história da Avó da Mortágua a receber cartas de despejo da sua casa. Circula pela internet esse esclarecimento e toda a gente já o deve ter lido. 
A Mortágua referia-se ao Novo Regime de Arrendamento Urbano (NRAU) de 2011 que resultou das imposições da Troika quando foi chamada pelos socialistas. Mas de qualquer modo tinha uma ressalva: as pessoas de mais de 65 anos estavam protegidas de aumentos significativos e de despejos.. Assim como aqueles com menos de 65 anos que auferissem de um rendimento inferior a 5 salários mínimos e beneficiariam de um período de transição de 5 anos, Mais tarde, este período diminuiu e _espanto dos espantos!_ já com o governo socialista apoiado pelo BE!!! 
  
Mas a Mariana recorre a tudo e não resistiu à velha táctca do BE, de apelo à lágrima fácil e à comoção.
Já o F.Louçã a tinha usado numa discussão com o P.Portas sobre um dos temas fracturantes tão do seu gosto e disse-lhe com voz quase embargada: «O Sr. não tem o direito [de opinar, suponho] porque não sabe o que é gerar uma vida, nem sabe o que é o sorriso de uma criança». (Não diria melhor a Carmo Afonso nas suas loas aos passarinhos e às florzinhas a esmorecer de tristeza nos bosques).
Mas se aquele argumento fosse usado hoje... seria uma rotunda incongruência com as próprias agendas actuais de que o BE é um acérrimo promotor e defensor. Mas adiante!...  
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 08.02.2024 às 10:21

relembrando o General Gomes Freire de Andrade
«infeliz-mente há LUAR»
a esquerda chispa INVEJA e ÓDIO
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 08.02.2024 às 10:36

recomendo a leitura do livro de Harry  Frankfurt / Sobre falar Merda

« Um dos traços mais notáveis de nossa cultura é que se fale tanta merda. Todos sabem disso. Cada um de nós contribui com sua parte. Mas tendemos a não perceber essa situação. A maioria das pessoas confia muito em sua capacidade de reconhecer quando se está falando merda e de evitar se envolver
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2024 às 14:52

Não há nada como o tira-teimas. Vamos aos factos e peço desde já desculpa pela extensão do texto transcrito.
Vejmos entao:
« As PPP hospitalares foram genericamente "mais eficientes" do que a média dos hospitais de gestão pública, com custos operacionais por doente mais baixos e com padrões de qualidade mais exigentes.

Os hospitais em parceria público-privada (PPP) de Cascais, Vila Franca de Xira, Braga e Loures pouparam pelo menos 203,3 milhões de euros ao Estado entre 2014 e 2019, indicou esta sexta-feira o Tribunal de Contas num relatório-síntese que agrega as conclusões de quatro auditorias aprofundadas feitas nos últimos anos a cada uma destas unidades hospitalares.

“As PPP hospitalares foram genericamente mais eficientes do que a média dos hospitais de gestão pública comparáveis e estiveram alinhadas com o desempenho médio do seu grupo de referência quanto aos indicadores de qualidade, eficácia e acesso”, pode ler-se ainda no documento divulgado pelo TC, que refere que estes hospitais estão “plenamente integrados no Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

A quem interessar, continua aqui:


https://observador.pt/2021/05/14/tribunal-de-contas-conclui-que-hospitais-em-parceria-publico-privada-geraram-poupancas/

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • cela.e.sela

    a esquerda reacionária continua no:«bem, não é bem...

  • cela.e.sela

    D. Sebastião não quis regressar

  • Manuel da Rocha

    E a AD que fez desaparecer 70000 milhões de euros,...

  • Beirão

    A maltosa da bolha mediática não tem emenda nem ve...

  • Anónimo

    Não me lembro de ter ouvido ninguém, tirando os ex...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D