Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




De referência

por henrique pereira dos santos, em 17.05.24

Por acaso, vi a avaliação dos jornalistas do Observador antes de um debate para as europeias.

O debate era entre Catarina Martins, Francisco Paupério, Fidalgo Marques e Tânger Correia.

A avaliação dos jornalistas do Observador falava de uma profissional contra três amadores e pode ser resumida por esta frase que o autor, com certeza, considera um achado espirituoso: "exige-se uma comissão de inquérito para perceber como e com que objetivo André Ventura escolheu António Tânger Corrêa. Deve haver uma conspiração qualquer em curso".

Depois vi o debate propriamente dito (saltando partes, evidentemente) e fiquei a saber que para os jornalistas do Observador (e, neste ponto, acho que não corro grandes riscos se generalizar para o conjunto das redacções) ter uma picareta falante a negar que existam problemas de segurança relacionadas com a migração e tráfico de pessoas, contrapondo que o grande problema de segurança na Europa é a extrema-direita, é estar muitos furos acima de dizer que os desgraçados dos migrantes que enchem a envolvente da igreja dos Anjos de tendas estão ali em piores condições que as pessoas que vivem nos campos de refugiados da Jordânia.

Suponho que estes jornalistas acham que as pessoas comuns são incapazes de descodificar a realidade e de avaliar o grau de adesão dos discursos políticos à realidade (exemplo, o problema da guerra da Ucrânia não é a Rússia ter uma política expansionista que a levou a invadir um país vizinho, é a União Europeia ser eurocínica e não querer trabalhar para a paz porque está ao serviço dos interesses ligados à produção de armamento, diz a picareta falante, com os jornalistas a considerarem um desempenho de campanha profissional e seguro).

Por puro acaso, fizeram-me chegar um texto sobre as valas comuns associadas às escolas cristãs do Canadá que receberam filhos das comunidades indígenas, um assunto que em 2021 levantou tanta confusão que até o papa Francisco fez uma visita penitencial ao Canadá em 2022.

Qual era a questão? Era tudo falso, um investigador resolveu divulgar dados preliminares de um estudo com radar de profundidade, tomaram-se como bons esses resultados e indicadores de procedimentos horrorosos generalizados que foram escondidos durante mais de cem anos, mas os resultados das investigações posteriores, que demonstravam não haver qualquer base factual para o bruaaá entretanto levantado, pura e simplesmente são ignorados pela imprensa de referência.

O editorial do Público de hoje, de uma cobardia inaudita, mostra bem o estado da imprensa, ao tentar explicar como um jornal de referência como o Público anda há vários dias a alimentar uma história mal contada sobre uma criança nepalesa brutalmente agredida pelos colegas, numa escola primária.

O Público tinha uma maneira digna de se ter apresentado como Egaz Moniz, com um baraço ao pescoço: "a notícia era muito sumarenta, a Renascença estava a noticiar e como a Lusa fez uma peça qualquer, resolvemos ampliar o boato sem verificar um chavelho dos factos, pedimos desculpa pelo facto de continuarmos a confiar na Lusa, apesar de todos os dias lermos coisas deles que não são bem assim (ainda hoje, por exemplo, todos nós, jornalistas, repetimos sem problemas a história de que Passos Coelho previu a vinda do Diabo, sem que haja uma única confirmação de que realmente as coisas se passaram como fontes anónimas contaram que se tinham passado, está-nos na massa do sangue esta queda para o boato que não precisa de confirmação, quando achamos que se não aconteceu, podia ter acontecido)".

Mas não, o director do Público preferiu justificar o injustificável, descrevendo o diz que disse em que se baseou o Público para contar histórias da carochinha como se fossem descrições da realidade, como é habitual fazer.

Depois queixam-se de que as pessoas não compram jornais.


34 comentários

Imagem de perfil

De Rhesus a 17.05.2024 às 08:53

Caramba! Já haverá meios de verificação de factos acessíveis ao cidadão comum?
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 17.05.2024 às 09:10

o MONSTRO administrativo de 750 mil de um estado corporativo sem representatividade está de fim de semana prolongado. gostava de saber quantos estão sindicalizados (profs, forças de segurança, oficiais de justiça, ..) e quantos os sindicatos que vivem do dinheiro dos contribuintes (tudo já! enquanto há).
a douta CS apoia o corporativismo 'abrileiro' vigente e esquece completamente quem sustenta o MONSTRO que nos devora.
a AMa entornou o leite
a Santa Casa está na falência.
etc. ...
Sem imagem de perfil

De balio a 17.05.2024 às 09:43


a envolvente da igreja de Arroios


Dos Anjos, não de Arroios.
Sem imagem de perfil

De balio a 17.05.2024 às 09:48


negar que existam problemas de segurança relacionadas com a migração e tráfico de pessoas


A mim parece-me que esses problemas de segurança são muito similares à criança nepalesa espancada e às valas comuns canadianas: fala-se muito deles, mas ninguém os consegue propriamente descobrir.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 17.05.2024 às 11:52

Vossa senhoria alargaria muito os seus horizontes se antes de fazer qualquer comentário se informasse minimamente sobre o assunto que quer comentar.
Por exemplo, neste caso, poderia ir ler a estratégia europeia de segurança e ver quantas vezes lá aparecem referências às migrações:
eugs_review_web_0.pdf (europa.eu)
Sem imagem de perfil

De balio a 17.05.2024 às 14:33

É precisamente aquilo que eu disse: fala-se muito dos problemas de insegurança causados pelos imigrantes. Pelos vistos, de acordo com o HPS, até na Estratégia Europeia de Segurança se fala deles. Porém, ver concretamente onde estão esses problemas é que é muito mais difícil. Tão difícil como descobrir a escola na qual bateram no menino nepalês.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 17.05.2024 às 18:05

Sem ler o documento é mesmo muito difícil, lendo o documento, está lá tudo explicadinho
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 17.05.2024 às 13:32


Há problemas, estão documentados. Porque com migrações vêm grupos organizados (chamem-lhe máfias se quiserem) que ou trabalham no tráfico de pessoas, ou operam dentro dessas comunicadades. Que muitas vezes trazem outros "tipos" de crime exógenos ao país.


E sim, há a questão cultural, que já se discute nos países racistas do Norte da Europa, em que certas "comunidades" não têm o mesmo comportamento perante mulheres, por exemplo, do que os "nativos".
Em qualquer processo de migração, aculturação, importam-se virtudes, mas também se importam vícios
Sem imagem de perfil

De balio a 17.05.2024 às 16:18


com migrações vêm grupos organizados (chamem-lhe máfias se quiserem)


Sim. Isso é verdade. A mafia foi para os EUA através da migração de italianos para lá. Mafias de leste (albanesa, por exemplo) vieram para a Europa Ocidental através de migrantes.


Mas será esse um problema terrivelmente grave? Fora do seu país natal, essas mafias nunca se mostraram muito poderosas. Acabam por se extinguir, ou manter um nível não muito forte.


há a questão cultural, [...] certas "comunidades" não têm o mesmo comportamento perante mulheres, por exemplo, do que os "nativos"


Estamos a falar de problemas de segurança e criminalidade, não de questões culturais. E todas as estatísticas existentes indicam que a criminalidade perpetrada por imigrantes é menor do que a perpetrada por nativos. Em particular, a criminalidade violenta (assassínios, violações, etc) é claramente menor (mesmo com mafias e tudo). A criminalidade mais frequente da parte de imigrantes são os furtos e roubos - criminalidade não violenta e de perigo relativamente menor.


Tenho poucas dúvidas de que agressões a mulheres, desde apalpões até violações, sejam muito mais frequentemente perpetradas por homens nativos do que por homens imigrantes.



Em vez de conversa fiada, seria melhor estudar os dados. Saiu recentemente em português um livro de Hein de Haas que desmonta (mediante estudos científicos efetuados, não através de paleio de políticos) uma quantidade de mitos sobre as migrações, em particular o mito de que a imigração faz aumentar a criminalidade.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 17.05.2024 às 18:07

Estamos de acordo, se vossa senhoria se quiser deixar de conversa fiada e contestar o que está escrito no post "negar que existam problemas de segurança relacionadas com a migração e tráfico de pessoas," em vez de argumentar contra argumentos que não foram usados, seria muito bom.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.05.2024 às 18:19

Quando todos os países publicarem dados sobre etnicidade de autores de crimes (há países europeus que não o fazem) os dados podem verificados.


As máfias nunca se mostraram muito poderosas... claro, basta ver quem domina o tráfico de drogas na Alemanha ou Países Baixos. É um crime pouco violento, com zero violência (tipo tiroteios) associada. 
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 17.05.2024 às 20:51

" E todas as estatísticas existentes indicam que a criminalidade perpetrada por imigrantes é menor do que a perpetrada por nativos."



Não há estatísticas pois para começar são proibidas por lei para não se saber.


Basta a idade média, mais novos nos imigrantes e a maior preponderância de homens para isso não ser verdade, nem vou aos aspectos culturais.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 17.05.2024 às 10:31


A maior parte dos jornalistas não foi para a profissão para fazer jornalismo. Foi para fazer politica. 


Jornalistas=Activistas 
Activistas é a palavra que usam para lavar o seu(e de outros) Extremismo de Esquerda pois querem a palavra Extremismo só ligada á direita na cabeças das pessoas.  Verdadeira operação de Guerra Psicológica.
O objectivo da táctica é legitimar a intimidação, assédio e violência de rua apenas para a esquerda. 
Quando a esquerda faz vandalismo os jornalistas designam como "protestos de activistas", quando a direita faz vandalismo  são "ataques de extremistas". 


Quem leia o Observador fora dos artigos de opinião percebe que é um jornal de extrema esquerda.
Imagem de perfil

De O apartidário a 17.05.2024 às 14:04

"Toda esta história vem confirmar o papel da esquerda no descontrolo da imigração, que serve os interesses da esquerda de várias maneiras. O fundamental, já toda a gente percebeu e, de resto, foi apontado por Rui Ramos na semana passada: a esquerda substituiu a “classe operária” pelos imigrantes e pelas minorias, que agora lhe servem de instrumentos na luta contra o capitalismo. Exerce esta política na frente cultural, através dos jornais, televisões, e universidades, onde se tornou hegemónica, caluniando e diminuindo os valores ocidentais. Esses valores deram forma às nossas referências, produziram as nossas sociedades, as sociedades que os imigrantes procuram quando se juntam a nós. Não existe um fenómeno de emigração europeia descontrolada para a Somália ou para o Bangladesh.

Mas a esquerda também exerce a luta contra o capitalismo na frente operacional, através de associações e movimentos activistas, que impedem a legalização e a integração de imigrantes para acumular desconforto e pesar nas nossas consciências, lucrando directamente com isso. São dirigidos pelos partidos da esquerda, favorecem os partidos da esquerda, e são pagos pelos portugueses para se comportarem assim. Fazem disso um modo de vida, à custa do Orçamento do Estado e do Município."

Margarida Bentes Penedo no Observador
Sem imagem de perfil

De JPT a 17.05.2024 às 11:15

O Público andou mal, mas é um jornal a concorrer pelos "clicks" na Internet  e desde o Egas Moniz, não há muitos portugueses que tenham pedido desculpa. Mais grave, pareceu-me, o conjunto de pessoas que, sem estarem no mercado dos "clicks", se apressaram a comentar o caso, como o Governo, a começar pela Ministra da Administração Interna, o Presidente da Câmara de Lisboa, e, no Observador, um ex-candidato ao Tribunal Constitucional, que até falou de penas e medidas de segurança, sendo o boato omisso sobre a idade dos putativos agressores. Concluo que, se a esquerda vive permanentemente indignada, a (alegada) direita vive permanentemente apavorada (do que possam pensar dela). E que ambos trabalham para que o Chega cresça.
Imagem de perfil

De O apartidário a 17.05.2024 às 13:51

As próprias leis entretanto criadas também fomentam o crescimento do Chega. Por exemplo:
Imigrantes podem ser legalizados apenas com "promessa de contrato de trabalho"
Este artigo tem mais de 5 anos

Alteração à lei permite que imigrantes sejam legalizados apenas com "promessa de contrato de trabalho". Medida contraria parecer do próprio SEF, que já pediu esclarecimentos ao ministério.

Observador
07 ago. 2017, 08:45
Um estrangeiro só precisa de apresentar a “promessa de um contrato de trabalho” para garantir autorização de residência em Portugal, não precisando sequer de visto de entrada no país. A nova medida faz parte da alteração à lei de estrangeiros publicada em Diário da República, seguindo propostas do PCP e do BE, e aprovada pela esquerda contra o parecer do próprio Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), avança o Diário de Notícias(Agosto 2017).

A nova legislação revoga assim a exigência de entrada legal em Portugal ou no espaço Schengen de imigrantes já com contratos de trabalho, previsto no anterior regime para os casos de legalização, a título excecional. Além disso, impede que imigrantes que tenham cometido crimes como homicídios, roubos violentos ou tráfico de droga sejam expulsos do país.

Estas medidas, contrariamente ao que está a ser seguido no resto da Europa, simplificam o processo de legalização de imigrantes e terão apanhado desprevenidos os próprios responsáveis do SEF. De acordo com o jornal, a direção nacional desta entidade emitiu uma nota na passada sexta-feira a todos os dirigentes distritais, na qual esclarece que, até o Ministério da Administração Interna (MAI) clarificar o alcance destas novas regras (algumas das quais contraditórias com outros artigos da legislação anterior que não foram alterados), o chamado SAPA — serviço de agendamento online onde os imigrantes registam as suas “manifestações de interesse” — fica suspenso, conta o DN. Uma nota na qual recorda a falta de recursos humanos e meios informáticos suficientes para responder ao expectável aumento de pedidos de autorização de residência.
(agora em 2024 só temos de observar a realidade com olhos de ver).
Sem imagem de perfil

De balio a 17.05.2024 às 14:36


contra o parecer do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF)


Tendo em conta aquilo a que o SEF dava guarida, parece-me que o facto de uma lei ter ido contra o parecer do SEF é um elogio que se faz a essa lei.
Sem imagem de perfil

De balio a 17.05.2024 às 14:40


Um estrangeiro só precisa de apresentar a “promessa de um contrato de trabalho” para garantir autorização de residência em Portugal



Se um estrangeiro só precisa(va) de comprar uma casa em Portugal por mais de meio milhão de euros para garantir autorização de residência, então, pela mesma bitola, um estrangeiro que tenha uma promessa de contrato de trabalho também deve ter autorização de residência.
Como argumentava Carlos Guimarães Pinto, como raio pode o estrangeiro ocupar a casa que comprou se não tiver autorização de residência? Eu argumento da mesma forma: como raio pode o estrangeiro assinar o contrato de trabalho que lhe foi prometido se não tiver autorização de residência?
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 17.05.2024 às 15:18

O Publico não anda a correr genéricamente pelos clicks da internet, anda a correr pelos clicks da classe politico-social-(inclua aqui as novas classes criadas pelo neo-marxismo)  a que pertencem os seus jornalistas. 
A função do Publico é reforçar para os leitores a credibilidade das ideias politicas dos seus jornalistas.  Se a informação vem com o embrulho que os jornalistas querem transmitir aos leitores   então tende a não ser confirmada porque o progressismo logo anti liberalismo dos seus jornalistas não concebe sequer que esteja errada.
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 17.05.2024 às 11:58

O PS (e toda a esquerda) governaram o país em 25 dos últimos 30 anos.
O estado em que está a maioria da comunicação social, jornalística e a comentadeira reflete isso mesmo.
Ainda ontem li no X as senhoras Estrela Serrano e Inês Pedrosa acusarem de mal educada a ministra do trabalho, por comparação com a senhora Ana Jorge, um exemplo de educação e serenidade, e até de verdade.
Temo que tenhamos de esperar uma geração para mudar este estado de coisas.
Imagem de perfil

De O apartidário a 17.05.2024 às 20:42

Uma geração para mudar e se não for para pior(pois  para mal já basta assim).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.05.2024 às 12:06

A forma , incipiente e nada sofisticada, reconheço, de repudiar minimamente o esfregão da Sonae ( além de não o comprar...), é não lhe frequentar as mercearias...
Juromenha
Imagem de perfil

De João Sousa a 17.05.2024 às 12:28

Não acompanhei o caso da alegada agressão à criança, nem vou comprar o jornal hoje (por princípio, evito comprar o Público) para ler a explicação do director. Espero, a bem da (já pouca) confiança no jornalismo, que esta história não se venha a revelar uma repetição do caso "ouçam Artur Baptista da Silva" . Infelizmente, não estou muito optimista: grande parte do nosso jornalismo parece mais interessado em transmitir narrativas do que notícias.
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 17.05.2024 às 13:34


Houve uma denúncia. Cabe saber se essa foi real.,.. ou não.


Estranho é que, e já li, quem publicitou o caso agora exija que a privacidade da família seja respeitada.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 17.05.2024 às 20:54

Então se foi uma denúncia sem corroboração nem verificação no mínimo dos mínimos escrevem alegado. Mas os TV e jornais e os seus jornalistas não estão cá para fazer jornalismo. Estão cá para fazer politica.
Sem imagem de perfil

De JPT a 17.05.2024 às 14:32

O caso  "ouçam Artur Baptista da Silva" premiou o indivíduo que o promoveu com a presidência, sucessiva, do Conselho de Administração da Lusa e da RTP (acaba de ser reconduzido por mais dois anos). É esse o "risco profissional" que correm os "jornalistas" que divulgaram e exploraram esta história.
Imagem de perfil

De O apartidário a 18.05.2024 às 07:32

O semanário Sol desta semana tem um artigo que coloca em causa a narrativa entretanto espalhada nos média em geral. 
Sem imagem de perfil

De Jorge a 18.05.2024 às 19:13

Em relação ao Canadá,  dezenas de igrejas foram incendiadas,  sem que até hoje tenha havido um pedido desculpas ou um mea culpa. Porque será?  

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D