Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Daí este meu cansaço"

por henrique pereira dos santos, em 06.09.21

Púrpuro acaso (gosto imento deste trocadilho que vi num livro de quadradinhos há muitos anos), fui dar com este excerto de uma intervenção de Graça Freitas que transcrevo (retirando o coloquialismo de quem está a falar, podem sempre ouvir o original para verificar se estou a distorcer o que disse Graça Freitas):

“O risco de transmissão ao ar livre é muito menor e com 85% da população vacinada a circulação de vírus será também muito menor, aquele efeito que no interior se pode, enfim, que é a criação de aerossóis a partir de pessoas que possam estar infectadas e portanto o uso de máscara ainda é mais importante no interior a opinião da Direcção Geral de Saúde é de que com 85% de vacinação, com o que os estudos indicam e não tendo o exterior essa capacidade de concentrar aerossóis, será uma medida positiva [a alteração da regulamentação do uso de máscaras no exterior]. Mas há excepções, mesmo ao ar livre, de vez em quando, nós temos ajuntamentos e portanto durante o Inverno é de bom tom andar sempre com a máscara”.

Resumindo, ao ar livre não se podem formar os aerossóis que são o problema potencial, por isso somos de opinião de que é bom que se acabe com esta parvoíce das máscaras ao ar livre, mas ao mesmo tempo achamos de bom tom que se ande sempre de máscara no Inverno, embora não consigamos explicar porquê.

O problema da gestão da epidemia (não da epidemia, da gestão da epidemia, o problema da epidemia é ser uma epidemia, claro) é termos transferido o poder de governar comunidades a quem não pode ser responsabilizado politicamente por dizer e, sobretudo, decidir, o que lhe apetece com base em fundamentos tão sólidos como os que são evidentes nesta declaração.

Note-se que o problema não é Graça Freitas, a DGS e o Instituto Ricardo Jorge publicam uns relatórios que são lidos pelos jornalistas (penso que essencialmente os resumos feitos) que até têm informação interessante, mas da qual não se retira nenhuma consequência.

Olhemos para este gráfico:

grafico.jpg

 

 

O gráfico mostra a mortalidade ao longo da epidemia, em Portugal e o que é visível é que no fim de Dezembro/ princípios de Janeiro a mortalidade dá um salto de um nível elevado - por volta de 100 mortos por dia - para um nível brutal, chegando aos 350 mortos em cerca de três semanas.

A versão oficial é a de que foi por causa do Natal. A minha versão é a de que foi por causa de uma anomalia meteorológica que criou condições especialmente favoráveis ao contágio e à mortalidade.

Todos os fundamentos em que poderia basear a ideia de que foi o Natal - essencialmente a teoria de que o factor chave para o contágio é o número de contactos em meio fechado - foram cabalmente desmentidas pelos factos: o nível de contactos nessa altura não foi especialmente alto e ao longo do ano houve dezenas de semanas com mais contactos que no Natal.

Ao mesmo tempo, existe um facto excepcional demonstradamente presente naquele momento: a anomalia meteorológica.

O mais provável (é o que diz a teoria, de resto) é que o contágio seja o produto de um conjunto relativamente alargado de factores, o que seria normal que nos fizesse discutir o peso que cada factor na evolução da incidência. Infelizmente desde cedo a teoria foi esquecida partindo da ideia de que os factores externos não controlamos, portanto temos de nos focar naquilo que podemos controlar, os contactos sociais.

Mas como não fazemos essa discussão, aparecem umas pessoas, sabedoras, sem margem de dúvida, que dizem que o problema, neste momento é o facto da variante Delta ser 70% mais contagiosa. Essa variante entra em Portugal na primeira quinzena de Maio e é totalmente dominante a partir de meados de Maio e quando se vai à procura dos efeitos na curva da mortalidade (lembrem-se, mais contágios significam mais internamentos e mortes, dizem eles, com alguma razão), não encontramos o menor sinal do efeito dessa variante, muito menos um sinal da dimensão do que vimos em Janeiro.

Em circunstâncias normais, estariam uma série de investigadores e dizer que a hipótese mais provável para estes dados seria a de que os factores ambientais têm muito mais peso como motor da evolução da epidemia - em especial tendo em atenção que a taxa de vacinação se consegue relacionar com a taxa de internamentos e de mortalidade, mas não com a incidência - que o facto da variante ser mais ou menos contagiosa (se os factores ambientais tiverem um peso decisivo no contágio, então a variante ser mais ou menos contagiosa tem um peso menor e ser 70% mais contagiosa acaba por ter pouca importância).

E como é de mortalidade que estamos a falar, então valeria a pena ter em atenção o que diz o mesmo relatório onde fui buscar o gráfico:

“Entre as pessoas infetadas, 303 (1,0%) foram internadas com diagnóstico principal de COVID-19 e 100 foram internadas com diagnóstico secundário de COVID-19. Mais de metade (59%) das pessoas internadas com diagnóstico principal de COVID-19 tinham mais de 80 anos.

Entre os 29 373 casos de infeção por SARS-CoV-2 em pessoas com esquema vacinal completo contra a COVID-19 há mais de 14 dias, registaram-se 309 óbitos por COVID-19 (1,1%), dos quais 239 óbitos (77,3%) em pessoas com mais de 80 anos.”

Olha, olha, afinal parece que quando se discutem os efeitos das vacinas já é importante distinguir os que são internados (e os que morrem, que não são os mesmos) com diagnóstico primário e secundário de covid. E já vale a pena fazer notar que quase 80% têm acima de 80 anos. Não tarda, começam a escrever nos relatórios o que já vão dizendo por aí: além de terem mais de 80 anos, também estão em condições de saúde muito precárias.

Assim não admira que a mortalidade excessiva não se altere por aí além com esta doença, fora dos surtos de Outono/ Inverno: afinal a esmagadora maioria das pessoas que morrem com covid são pessoas cuja probabilidade de estarem vivas daqui a um ano é baixíssima, com ou sem covid.

Ou seja, Graça Freitas pode fazer as piruetas argumentativas que faz para decidir sobre a vida dos outros porque há um ambiente malsão na produção da informação sobre a epidemia que impede uma discussão racional sobre os modelos de gestão dos problemas criados pela epidemia.

Daí o título que usei, um verso de Luís de Macedo num fado lindíssimo que Amália canta, cuja parte final da letra (que inclui o verso que dá título ao post) é a última coisa que escrevi na minha tese de doutoramento.



13 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 06.09.2021 às 16:38


Essa variante [Delta] entra em Portugal na primeira quinzena de Maio e é totalmente dominante a partir de meados de Maio e quando se vai à procura dos efeitos na curva da mortalidade, não encontramos o menor sinal do efeito dessa variante



Encontramos sim, pois verificamos que a mortalidade começa a aumentar a partir de meados de junho, ou seja, a partir de um mês ou um mês e meio após a entrada da variante Delta. Isto está de acordo com o facto de a mortalidade acompanhar sempre o número de contágios com algumas semanas de atraso.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 06.09.2021 às 16:53

Pois, mesmo que isso seja muito relevante, estamos a falar de um efeito marginal.
Mas para além disso, não fazes a menor ideia sobre se é a variante ou uma prima dela, porque o desfasamento deveria andar pelas três semanas, e é um bom bocado mais.
Por último, tem havida uma descida consistente da incidência e a variante anda pelos 100%, logo, deve haver outros factores associados a esta descida.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.09.2021 às 13:09

ó pá cala-ie e está calado.
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 06.09.2021 às 17:50

Não sei porque é que na elevada mortalidade de Dezembro/ princípio de Janeiro nunca entram em conta com o inicio da vacinação que foi em dezembro, e foi precisamente nos lares?
E porque não explicar também o aumento em Agosto deste ano de 900% de infectados em relação a Agosto de 2020, ano em que não havia vacinas, nem esta paranóia das máscaras e nem a loucura dos certificados nos restaurantes aos fins de semana. 
Esta segregação, intolerância e fundamentalismo sanitário é para manter até quando?
Quando é que deixam de exercer este assédio moral, esta flagrante discriminação de portugueses de primeira e portugueses de segunda. 
Até quando?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.09.2021 às 17:59

os zerossóis com vírus fogem a 7 pés da vacina da 'chás pfizer'
batem no récrde dos 400 m barreiras
«porra! dizia a velha marquise»
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.09.2021 às 19:38

Mas qual vacina qual carapuço:
Se a vacina não IMUNIZA não se pode chamar Vacina.
Chamem-lhe um pífaro.
Vejam o conceito de vacina e depois vejam se esta dita vacina têm alguns requisitos para lhe chamarem vacina.
Contam é com a mentalidade débil de um Povo farto de sofrer.
Enchem a boca que Portugal é o MAIS vacinado porque será?
Isto leva-nos a uma discussão mais ampla, que é o Povo Português é mais INTILIGENTE que os outros Povos ou então será o contrario.
Das duas uma.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 09.09.2021 às 13:43

O CDC acabou de mudar a definição do que é uma vacina para proteger a política.


https://pjmedia.com/news-and-politics/matt-margolis/2021/09/08/the-cdc-just-made-an-orwellian-change-to-the-definition-of-vaccine-and-vaccination-n1476799
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.09.2021 às 22:01

Seria interessante comparar o clima do verão de 2020 com o de 2021, parecendo me, sem olhar a dados, que junho e Julho foram meses frios comparativamente a anos anteriores. Os casos descem quando temos períodos quentes e secos coincidentes com Agosto. O ano passado junho e julho comportaram se como Agosto deste ano. 
Sem imagem de perfil

De pitosga a 07.09.2021 às 13:11


Nada a escrever excepto:

Chacun est autorisé pour être stupide, mais certains maltraitent le privilège.

Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 08.09.2021 às 01:13

"... e com 85% da população vacinada a circulação de vírus será também muito menor ...". (Graça Freitas)


Desconheço a fundamentação científica desta afirmação. Se tivermos em conta o processo 525/21.4BELSB do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa (https://www.newtral.es/wp-content/uploads/2021/07/Fwd-Sentenca.pdf?x40969), em que eram Requeridos a DGS/Ministério da Saúde, verificamos que estas entidades não estavam de posse da informação pretendida pelos Requerentes referente  a "conjunto de relatórios, pareceres e publicações de carácter científico relativos à COVID-19". Será que alguma coisa terá mudado desde então?


Vamos então para o outro lado do Atlântico, "Barnstable County, Massachusetts, July 2021, Brown et al., Morbidity and Mortality Weekly Report Early Release / Vol. 70 July 30, 2021 - U.S. Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention",
cdc.gov/mmwr/volumes/70/wr/pdfs/mm7031e2-H.pdf. 


- total de casos: 469
- percentagem de população vacinada, 2 doses: 69%
- vacinados, 2 doses: 346 casos (74% total de casos > 69%)
- não vacinados/só 1 dose/ 2ª dose < 14 dias: 123 casos (26% total casos)
- hospitalizados vacinados, 2 doses: 4 (80% dos hospitalizados)
- hospitalizados não vacinados/.../...: 1 (20% dos hospitalizados)


O que significa que a percentagem de casos nos vacinados é maior do que a percentagem de população vacinada; e também que a percentagem de hospitalizados vacinados é quatro vezes superior à dos não vacinados.


Com base em documento do CDC (power point divulgado pela imprensa americana):

- a carga viral dos vacinados é idêntica à dos não vacinados, o que significa que os vacinados também podem contagiar tal como os não vacinados;
- por isso o CDC passou a recomendar máscara também aos vacinados.

(continua)




Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 08.09.2021 às 01:16

(continuação)


Pergunta: em que informação é que se baseia Graça Freitas para afirmar "... e com 85% da população vacinada a circulação de vírus será também muito menor ..."? 
Resposta: ninguém sabe, mas os dados empíricos provenientes de relatórios oficiais provam o contrário e desmentem-na.

A partir daqui nem vale a pena continuar a análise pormenorizada das afirmações da sem graça. Tudo se resume a um chorrilho de lugares comuns que podiam ser proferidos pelo Zé da tasca depois de ter emborcado uma dúzia de copos. 

Para memória futura, convém relembrar que o grupo de trabalho da COVID-19 concluiu que "só jovens com doenças de risco devem ser vacinados", posição unâmine entre os pediatras, mas Graça "fretes" Freitas remodelou a comissão que voltou a avaliar o assunto para que a conclusão fosse diferente. 

Como dizia o Zé da tasca num momento "in vino veritas": se me pusessem 10 cêntimos por vacina num paraíso fiscal, até os mandava vacinar todos os meses.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.09.2021 às 15:28

Há uns anos havia um café no Largo do Calvário chamado de Puro Acaso, nome lindo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.09.2021 às 15:30

Com a nossa senhora da saúde, por acaso é muitissimo.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Q Portugal

    Como se podem congratular com um "genocida" que an...

  • Anónimo

    João-Afonso Machado, sobretudo espero bem que o Al...

  • Anónimo

    Para se fazer a diferença e darmos um novo impulso...

  • Anónimo

    (cont.)A pergunta que se impõe: queremos continuar...

  • Anónimo

    (cont.)"isto de sermos os campeões da vacinação, a...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D