Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Da gestão

por henrique pereira dos santos, em 07.05.21

Depois dos fogos de 2017, o Senhor Presidente da República, pelo exemplo, indicou caminhos para o futuro, indo arrancar eucaliptos para Vouzela.

Na mesma altura, também em Vouzela, uma pequena e obscura associação de conservação da natureza optava por outro caminho, explicando que ia cruzar os braços para perceber, depois da Primavera, o que fazer.

Tanto quanto é do conhecimento público, ao arranque de eucaliptos, substituídos por plantações de espécies autóctones, não se seguiu nada e é fácil ir verificar que o sítio em causa é hoje o que era antes do fogo: um mar de mimosas, sem grande esforço de gestão.

Note-se que até houve um pesado investimento, financiado pelo PRODER, para o controlo das mimosas naquela zona, e que a atenção social sobre a área no pós fogo teria sido uma grande oportunidade para chamar a atenção para o grave problema das invasoras pós fogo (mimosas, naquele caso, muitas outras acácias também naquele caso e em muitos outros, háqueas, sobretudo nos xistos, e coisas que tal), mas as elites urbanas preferiram falar de eucaliptos, arrancar eucaliptos e etc. eucaliptos.

Em vez de se focarem em problemas reais, preferiram preocupar-se com problemas populares, sejam eles reais ou imaginários, sejam eles mal ou bem equacionados, isso é irrelevante, o importante é dar a impressão de que se está fortemente empenhado no bem comum.

A tal obscura associação de conservação, de que fui presidente e que tenho apoiado, agora fora da direcção (fica feita a declaração de interesses), pelo contrário, foi fazendo algum trabalho de formiguinha.

Nas suas propriedades de Vouzela tratou de ir gerindo o carvalhal que foi afectado temporariamente pelo fogo, para o preparar para o fogo seguinte, noutras propriedades foi tratando de invasoras a sério, às vezes fez plantações, sempre com a mesma preocupação: fazer o máximo, com o mínimo de esforço, para conduzir a natureza pelo caminho que parecia o melhor para aumentar a biodiversidade e o valor social do território.

Hoje mandaram-me umas fotografias, que eu sei que não são espetaculares, são até dificeis de perceber para quem não for acompanhando isto, mas aqui ficam duas delas.

Vermilhas 7 maio 2021 a.jpg

Em cima está apenas um carvalhito sobre o qual passaram quatro Primaveras (esta é a quarta, e tem sido excelente para as árvores) depois do fogo que calcinou a parte aérea de praticamente todas as plantas que estavam neste local (o fogo foi muito intenso, provavelmente intensidade potenciada por um efeito de garganta na encosta e numa fase fenológica tardia das plantas, já a meio de Outubro, quando os carvalhas estão a preparar-se para perder a folha).

Vermilhas 7 maio 2021 b.jpg

Aqui está outro carvalhito, já não na propriedade gerida pela Montis mas próximo, que ardeu como o primeiro e foi deixado ao Deus dará. Provavelmente a sua raíz está menos afectada que a do primeiro porque não tem havido diminuições da superfície foliar que limitem a actividade fotossintética. Terá um metro e vinte de altura, contra os cerca de um e sessenta dos que foram geridos, e com muita rebentação mais lateral, ao contrário do aprumo do primeiro.

Para já poder-se-ia dizer que a resposta deste segundo carvalhito é mais segura e mais interessante que a que resulta da condução que está a ser feita pela Montis, mas o objectivo é olhar para os próximos cinco anos, quando começa a ser bem real a probabilidade de um novo fogo.

O que esperamos é que nos próximos cinco anos estes carvalhos comecem a formar copas relativamente densas, a uma altura do chão já razoável, que vão criando sombra que diminua a vegetação debaixo das copas, de modo a que no próximo fogo os carvalhos sejam menos afectados, rebentando de copa, e não de pé como aconteceu, e reconstituindo o carvalhal mais rapidamente, aproximando-o mais depressa de carvalhais maduros que convivam melhor com o fogo.

Isso faz-se visitando muitas vezes as propriedades, fazendo opções de gestão, errando umas vezes, acertando outras, sabendo ouvir o que nos dizem as respostas dos sistemas naturais às nossas opções, para as adaptarmos.

Pelo contrário, o espetáculo mediático do senhor Presidente a arrancar eucaliptos, que apareceu em tudo que era televisão e jornal, não deu resultado prático nenhum e, do ponto de vista da percepção pública, limitou-se a reforçar as asneiras que as elites repetem sobre o mundo rural.

O problema é simples de equacionar: falta gestão.

Quando há gestão, podemos optar por fazer isto ou aquilo (incluindo não gerir, que é uma opção de gestão perfeitamente adequada em muitos casos), quando não há gestão não há opção possível, excepto fazer números mediáticos sem grande utilidade e sem outro efeito que não seja o desperdício de recursos.

O que as nossas elites urbanas têm feito é despejar dinheiro sobre os problemas do mundo rural com base em ideias erradas.

Como de costume, uma das duas coisas tem desaparecido, é verdade, mas infelizmente não têm sido os problemas.



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.05.2021 às 16:59

PR, pm, muitos ecos não passam de meninos citadinos a brincar às casinhas.
nunca calcorrearam o campo a pé, não subiram às árvores,para eles azinheira ou couve é rudo comestível
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.05.2021 às 08:19

Henrique,


Poderá ser ignorância minha mas porque diz que "Para já poder-se-ia dizer que a resposta deste segundo carvalhito é mais segura e mais interessante que a que resulta da condução que está a ser feita pela Montis", apesar de não ser um especialista parece-me bastante evidente que o 1o carvalho está bem mais saudável e com crescimento adequado. 
Sem imagem de perfil

De pitosga a 10.05.2021 às 13:16


HPS,
Eis um muito bom escrito. Assim é que é a 'marca' de HPS. Felicito-o e,
um abraço

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Paulo

    É na regulação que o estado é necessário é onde ma...

  • Anónimo

    "intelectualmente desonesto".Mea culpa.JSP

  • Anónimo

    Pacheco Pereira tornou-se ( deliberadamente?...) d...

  • Anónimo

    Só se em votos! Aí está certo/a, criam i m e e ...

  • Antonio Maria Lamas

    Está à vista de todos que o senhor não está bem.Nã...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D