Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Cultura popular

por henrique pereira dos santos, em 25.05.23

Por causa do meu post anterior fartei-me de ouvir comentários sobre a minha falta de respeito pela cultura popular, o direito às pessoas manifestarem as suas alegrias e tristezas no espaço público e argumentações que tais.

Hoje, púrpuro acaso, leio Tiago Velhinha Pereira a dar-me o mote para a resposta sobre cultura popular que eu gostaria de dar.

"Todo o momento que ali estive só queria ter dito uma frase aquele senhor, que achei que é muito bom no que faz e claramente um excelente compositor, só que se esquece das pessoas e a frase que eu lhe queria dizer, era apenas:
-Quanto mais o ouço, mais percebo porque gravo pessoas e não música.
E mais uma vez fica provado a música portuguesa a gostar dela própria, com mais de 7000 vídeos gravados, mais de 1200 de cante Alentejano, com mais de 100 grupos corais gravados no Alentejo e fora dele, não grava música, grava pessoas. Humaniza práticas".

Esta é a questão central.

Uma coisa são as comunidades que se juntam para celebrar o seu chão comum, seja na festa da aldeia, no compasso pascal, no São João do Porto, nas dezenas de festas do 25 de Abril que existiam nos bairros periféricos de Évora no fim dos anos 70, princípios de 80.

Outra coisa é a junta da freguesia aqui ao lado pegar no dinheiro dos contribuintes, que coercivamente lhes é retirado - não confundir com o dinheiro que os mordomos das festas conseguiam juntar, com constribuições voluntárias da sua comunidade, para as fazer - e contratar Romana, Toy, Ágata, Quim Barreiros, Jorge Guerreiro, Ruth Marlena, Nel Monteiro e Belito Campos, para dar música aos munícipes todos, quer eles queiram, quer eles não queiram, entre 2 de Junho e 17 de Junho, a pretexto do padroeiro de Lisboa, uma parte do chão comum que entretanto se dissolveu, já que pouca gente hoje reconhece padroados, padroeiros e a cultura que os criou.

E este comentário não tem nenhuma relação com a depreciação deste conjunto de agentes culturais (sou um grande fã da Ágata e lembro sempre que Quim Barreiros tocou num disco de José Afonso, quando ouço comentários sobranceiros sobre as pessoas que se dedicam a este tipo de música), poderiam ter contratado a Orquestra de Câmara Portuguesa, um quinteto de jazz ou Manuel Mota, que os meus comentários seriam os mesmos: não cabe ao Estado organizar festas, muito menos a pretexto de que se está a apoiar a cultura popular, que se caracteriza exactamente pelo que representa na vida das comunidades, de forma independente do Estado e da formalização académica do que é, ou deixa de ser, cultura.

O futebol faz parte da cultura popular e é normal que as pessoas comemorem as suas alegrias e tristezas em comunidade, o que não faz sentido, para mim, é que se considere legítima a sobreposição de legitimidades que obrigue outras comunidades a prescindir das suas celebrações colectivas, com medo dos primeiros.

É extraordinário que as manifestações políticas tenham um acompanhamento do Estado para garantir que o direito à manifestação se faça com o mínimo de prejuízos para terceiros, que os organizadores de manifestações se empenhem em impedir comportamentos ilegítimos, quer com apelos prévios, quer montando um sistema de segurança próprio para garantir o mínimo de problemas nas manifestações, que no caso dos promotores mais radicais, cujo objectivo seja mesmo provocar problemas, o Estado responde com repressão, mas no caso do futebol se admita que não há nada a fazer, os clubes e as federações não têm nada com isso, é deixá-los à solta.

Se os promotores da Feira do Livro se sentem suficientemente intimidados com isso, que fechem as tendas, é só um dia, ninguém leva a mal.

Eu limitei-me a dizer que não é verdade que ninguém leve a mal, eu levo, e isso não tem nenhuma relação com a bonomia e compreensão perante a cultura popular, mas sim com a forma como o Estado desiste de defender o direito dos mais fracos, neste caso, os interessados na Feira do Livro, mas poderia ser de um torneio de sueca, usar legalmente o espaço público de forma segura e razoável.

Quer isto dizer que eu defendo que a polícia de choque deveria entrar pela multidão que vá ao Marquês no Sábado, à bastonada, para assegurar a ordem pública?

Não, quer dizer que há uma longa cultura social de convivência com comportamentos marginais associados ao futebol que leva a que neste momento não haja outra solução que não seja fechar as pessoas em casa para não correrem riscos, mas que o Estado deveria compreender que isso é um falhanço social que o deveria fazer olhar para o ano seguinte de forma diferente, não aceitando a fatalidade de haver bandos de desordeiros (não, não é a maioria dos que lá estarão, são os bandos de desordeiros que lá estarão) que definem o que se pode ou não fazer no espaço público, por umas horas, a pretexto de que o seu clube (partido, terra, região, igreja, seja o que for) ganhou um campeonato seja do que for.


36 comentários

Sem imagem de perfil

De Anonimo a 25.05.2023 às 14:32


A própria Feira do Livro é uma organização do Estado. Que usa e fecha espaço público. Qual a diferença para a CML organizar um concerto da Ágata?


Ultimamente Coimbra e Figueira da Foz tiveram espaços bloqueados à circulação, devido a eventos, e ninguém se chateou.



em relação à potencial festa do Glorioso, o Estado sabe que tais ajuntamentos vão acontecer (acontecem em tudo quanto é cidade após vitórias desportivas relevantes, seja Europa, USA ou América Latina), limitam-se a controlar o espaço de modo a que a festarola ocorra com danos mínimos. Já tive o "prazer" de apanhar uma dessas comemorações enquanto conduzia, prefiro 1000 vezes que a Polícia feche um espaço e o faça antecipadamente, do que mamar umas horas parado à espera que a populaça resolva ir para casa.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.05.2023 às 15:18

A feira do livro não é organizada pelo Estado, é uma organização da associação de editores e livreiros.
Vou tentar explicar mais uma vez: o problema não é haver coisas no espaço público, o problema é haver comportamentos que colidem com os direitos de terceiros e os obrigam a fechar porque o Estado se demite de gerir o problema, aceitando como uma fatalidade que, durante umas horas, é um bando de desordeiros que define o que se pode e não pode fazer no espaço público, e não o Estado e a sociedade como um todo.
Sem imagem de perfil

De balio a 25.05.2023 às 15:50


o Estado se demite de gerir o problema


Mas que queria o Henrique que o Estado fizesse? Como quereria ele que o Estado gerisse?


Sejamos razoáveis. As pessoas têm o direito de ir para o parque Eduardo 7º e de ficar lá a cantar e a gritar e a receber a visita dos jogadores seus preferidos. O Estado não pode impedi-las de o fazer, o parque é público. Essas pessoas podem até, em magotes, espalhar-se pela via pública e impedir os carros de circular - a polícia não vai carregar sobre elas à bastonada. Uma coisa é uma pessoa, ou dez ou cem, quebrar a lei, outra coisa é 1000 ou 10000 pessoas quebrarem a lei. Perante esta realidade, cabe aos livreiros fazer a única coisa que é razoável - afastarem-se temporariamente. Porque as pessoas que querem cantar e gritar "viva o Benfica" têm exatamente o mesmo direito de estar no parque que as pessoas que querem examinar livros - só que são em muito maior número.


Se os livreiros não quiserem ter este incómodo, pois bem, comprem um espaço só para eles, ponham um polícia à porta, e organizem a Feira do Livro num espaço privado e que só a eles pertença.


O que o Estado pode, e deve, impedir é que sejam montados e utilizados no parque equipamentos de som que perturbem de forma exagerada a vizinhança. Isso é que me parece essencial.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.05.2023 às 19:08

Que fizesse cumprir a lei.
Parece-me uma coisa razoável.
Sem imagem de perfil

De G. Elias a 26.05.2023 às 10:17

"Essas pessoas podem até, em magotes, espalhar-se pela via pública e impedir os carros de circular - a polícia não vai carregar sobre elas à bastonada. Uma coisa é uma pessoa, ou dez ou cem, quebrar a lei, outra coisa é 1000 ou 10000 pessoas quebrarem a lei." 

As manifestações no espaço público têm de ser autorizadas previamente (salvo erro pelo ministério da Admin Interna), caso contrário são ilegais.


O que previsivelmente se vai passar no sábado é uma manifestação não autorizada, com a conivência do Estado, que se demite de agir. Não é primeira manifestação deste tipo e provavelmente não será a última, mas a tradição não legitima as ilegalidades.
Sem imagem de perfil

De balio a 26.05.2023 às 10:37


O que previsivelmente se vai passar no sábado é uma manifestação não autorizada


É verdade.


com a conivência do Estado, que se demite de agir


Agir como? De que forma? Colocando dezenas de polícias, o Corpo de Intervenção, barreiras, para impedir as pessoas de ir para o meio da rua e perturbar a circulação automóvel?


Os automobilistas - que à noite não serão muitos - podem, sem excessiva dificuldade, desviar-se dali. Valerá a pena o Estado provocar um escabeche para impedir as pessoas de fazer uns disparates na via pública?


Eu moro perto do Marquês de Pombal, e digo, muito maior perturbação me causa, em matéria de circulação automóvel, os dias todos em que, em manhãs de fins de semana, se organizam corridas e caminhadas por ali, as quais frequentemente causam enormes engarrafamentos nas ruas adjacentes, com carros a querer passar de um lado para o outro do eixo central da cidade e sem o conseguirem.


Tenhamos sentido das proporções. Aplicar a lei do ruído, sim. Impedir que haja uma discoteca ao ar livre, totalmente de acordo. Impedir as pessoas de se divertirem num parque público, não!
Sem imagem de perfil

De G. Elias a 26.05.2023 às 12:09


"Agir como? De que forma? Colocando dezenas de polícias, o Corpo de Intervenção, barreiras, para impedir as pessoas de ir para o meio da rua e perturbar a circulação automóvel?"



Compete ao Estado garantir a ordem pública. Compete ao Estado avaliar os meios necessários para garantir essa ordem. Se o Estado nada fizer, está a demitir-se da sua função.


"Valerá a pena o Estado provocar um escabeche para impedir as pessoas de fazer uns disparates na via pública?"


Depende. Se isto fosse uma manifestação a propósito de outra coisa qualquer, e o Estado não fizesse nada para garantir a ordem pública, certamente caía o Carmo e a Trindade. Como se trata de futebol, no pasa nada.
Dois pesos e duas medidas, como é por demais evidente. Mas como referi acima, o futebol é rei.


Aliás eu lembro-me bem que há uns 30 anos era prática corrente que quando havia jogos de futebol na Luz havia centenas de carros estacionados na Segunda Circular. A explicação é simples: como o espaço em redor do estádio não chegava, os automobilistas estacionavam onde calhava, incluindo na segunda circular. E isto só era possível porque havia uma recorrente complacência das autoridades. Noutra situação qualquer, quem estacionasse na Segunda Circular levava logo como a bela da coima, mas como era por causa de um jogo de futebol, no pasa nada.
Dois pesos e duas medidas, como é por demais evidente. Mas como referi acima, o futebol é rei.


Mas se formos ver bem a questão, nada disto é novo. Já os romanos diziam panem et circenses. O futebol é o circo da actualidade. E é essencial deixar o povo divertir-se com o circo.

Sem imagem de perfil

De Anonimo a 25.05.2023 às 16:49


A CML é Entidade organizadora. Ou pelo menos está referida como tal no site oficial. Na sequência de "não cabe ao Estado organizar festas, muito menos a pretexto de que se está a apoiar a cultura popular".


O resto não é o Estado a demitir-se, mas sim a precaver. Vai haver ajuntamentos e vai, prefiro que seja "organizado" do que tudo ao monte e quem não tem a ver com a festarola ter problemas. A opção seria impedir os ditos ajuntamentos... mas isso somente ao cacetete.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.05.2023 às 19:09

Está enganado, vá ver bem o site, é a APEL que é organizadora (a Câmara aparece como parceiro cultural).

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    « É difícil saber como teria sido a história de Po...

  • balio

    Exatamente. Em Portugal o que não falta é empregos...

  • balio

    a diferença entre a esquerda burra, e ignorante e ...

  • Luis

    O pior é que para além deles viverem, fazem com qu...

  • Luis

    Realmente ouvir o que se tem ouvido de vários quad...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2022
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2021
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2020
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2019
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2018
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2017
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2016
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2015
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2014
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2013
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2012
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2011
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2010
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2009
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2008
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2007
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2006
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D