Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Com quantas linhas se faz uma "Casa"

por João Távora, em 06.05.22

14 maio_Casa de Abrantes, Cronicas de Resistencia 1000x1000px (1).jpg

"(...) Passando às paixões políticas, onde se consumiram as energias de boa parte dos nossos biografados e onde também se sumiram os seus avultados recursos económicos, encontramos uma alusão a elas desde o subtítulo desta obra. As últimas gerações da casa de Abrantes construíram uma história de resistência, diz-nos o autor. E a que resistiram os descendentes de tão distintas cepas? Ao declínio económico, à extinção dos morgados e dos direitos senhoriais, mas sobretudo à implantação do regime liberal (1820 – 1834) e à do regime republicano (1910). Os marqueses de Abrantes foram os mais íntimos e fiéis companheiros de D. Miguel no seu esforço para contrariar a instauração do regime “representativo”, que veio a impor-se pela força das armas. Tanto nos momentos de triunfo como no exílio nunca se afastaram dos destinos do seu rei. E nas gerações seguintes mantiveram-se fiéis à causa da legitimidade, entre todos os abalos que esta sofreu, como veremos nos documentos finais do presente livro. Não faltará quem veja nestes combates políticos um esforço inglório, o abraçar de “causas perdidas” ou um romântico apego a tempos que já não podiam voltar. Semelhantes veredictos só se podem sustentar numa visão curta e fatalista do processo histórico, segundo a qual todas as inovações políticas e sociais deviam desfilar sem contradição perante os olhares agradecidos de um público destituído de capacidades críticas. Mas a história é mais que uma competição desportiva, nela não encontramos vencedores absolutos nem causas totalmente esquecidas. Mesmo os próceres das mais famosas doutrinas inspiradas no dinamismo social foram capazes de vislumbrar este axioma: quando duas vontades entram em confronto, o produto final do embate é um terceiro resultado, diferente do que cada uma delas desejou. Deve concluir-se, pois, que “cada uma contribui para a resultante, e a esse título está incluída nela”, segundo a justa expressão de Friederich Engels. (...)"

Trecho do prefácio de Carlos Bobone ao meu livro "Casa de Abrantes, crónicas de resistência" 

Saiba mais sobre o lançamento desta obra no próximo dia 14 de Maio aqui

Tags:



1 comentário

Sem imagem de perfil

De passante a 07.05.2022 às 01:19

"""

A burguesia, pelo rápido melhoramento de todos os instrumentos de produção, pelas comunicações infinitamente facilitadas, arrasta todas as nações, mesmo as mais bárbaras, para a civilização. Os preços baratos das suas mercadorias são a artilharia pesada com que deita por terra todas as muralhas da China, com que força à capitulação o mais obstinado ódio dos bárbaros ao estrangeiro. Compele todas as nações a apropriarem o modo de produção da burguesia, se não quiserem arruinar-se; compele-as a introduzirem no seu seio a chamada civilização, i. é, a tornarem-se burguesas. Numa palavra, ela cria para si um mundo à sua própria imagem.

A burguesia submeteu o campo à dominação da cidade. Criou cidades enormes, aumentou num grau elevado o número da população urbana face à rural, e deste modo arrancou uma parte significativa da população à idiotia [Idiotismus] da vida rural. Assim como tornou dependente o campo da cidade, [tornou dependentes] os países bárbaros e semibárbaros dos civilizados, os povos agrícolas dos povos burgueses, o Oriente do Ocidente.

A burguesia suprime cada vez mais a dispersão dos meios de produção, da propriedade e da população. Aglomerou a população, centralizou os meios de produção e concentrou a propriedade em poucas mãos. A consequência necessária disto foi a centralização política. Províncias independentes, quase somente aliadas, com interesses, leis, governos e direitos alfandegários diversos, foram comprimidas numa nação, num governo, numa lei, num interesse nacional de classe, numa linha aduaneira.

A burguesia, na sua dominação de classe de um escasso século, criou forças de produção mais massivas e mais colossais do que todas as gerações passadas juntas. Subjugação das forças da Natureza, maquinaria, aplicação da química à indústria e à lavoura, navegação a vapor, caminhos-de-ferro, telégrafos eléctricos, arroteamento de continentes inteiros, navegabilidade dos rios, populações inteiras feitas saltar do chão — que século anterior teve ao menos um pressentimento de que estas forças de produção estavam adormecidas no seio do trabalho social?

"""


Palavra do profeta. Os crentes no progresso podem lê-lo com proveito, e os descrentes temer o poder de comprar tinta de jornal ao barril, como já alguém observou.


Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucklucky

    "Parece-me que a história é, por definição, o pont...

  • lucklucky

    E como digo desde há anos: Fujam de Lisboa, fujam....

  • Elvimonte

    (continuação)Smith, J.D. et al. (2016) “Effectiven...

  • Elvimonte

    (continuação)Radonovich, L.J. et al. (2019) “N95 R...

  • Elvimonte

    "Have you ever wondered who's pulling the strings?...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D