Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Cassandra

por henrique pereira dos santos, em 17.10.20

Cassandra tinha o dom de profetizar e a maldição de ninguém lhe dar ouvidos.

Cientes deste problema, há milénios que os profetas inventaram uma forma de se defender.

Profetizam, por exemplo, que neste Outono/ Inverno, na Europa, vão morrer cinco vezes mais pessoas com covid que no Outono/ Inverno precedente (verificar as profecias da Organização Mundial de Saúde).

A profecia, em si, não parece difícil de cumprir: as doenças respiratórias no hemisfério Norte temperado ocorrem sobretudo no Outono/ Inverno e, da primeira para a segunda época de gripe (e doenças de mesmo tipo), foi montado todo um sistema de teste que, com elevada probabilidade, identificará mais mortos com a doença, que ainda por cima foi tardia na primeira época avaliada.

Conhecendo a maldição de Cassandra, introduz-se uma nuance: a profecia cumprir-se-á se não forem adoptados estas e aquelas condições.

A natureza das condições varia com as épocas, antigamente eram mais prescrições relativas à moral sexual, à impiedade ou ao abandono do culto devido aos deuses a que estavam ligadas as profecias, hoje são coisas com eficácia semelhante, mas mais concretas, como usar máscaras ou horários de abertura e fecho de estabelecimentos comerciais, mas a ideia central é a mesma.

Se a profecia se cumprir, o profeta é o maior.

Se a profecia não se cumprir, por defeito, está demonstrada a eficácia das condições referidas.

Se a profecia não se cumprir, por excesso, basta ir buscar uns exemplos concretos de incumprimento grosseiro das condições (por exemplo, um fim de semana longo de 5 de Outubro em que as famílias se juntaram em casa por causa da chuva, ou outro qualquer à escolha, parece que o Diário de Notícias traz hoje cinco exemplos de reuniões familiares que deram origem a 171 infectados, mas não li a notícia e portanto não sei se ficou alguém doente, admito que sim) para explicar por que razão Sodoma e Gomorra devem ser destruídas e as condições prévias devem ser reforçadas até que os deuses, ou os vírus, se acalmem.

Em qualquer caso, os profetas estão sempre em vantagem em relação a quem se limita a olhar para os factos que conhece de uma natureza complexa, procurando entendê-los racionalmente, sabendo que no fim, só saberá que nada sabe (e ainda se arrisca a ter de beber uma cicuta, produto natural e do mais biológico que há) e, pelo meio, vai com certeza acumular erros sobre erros, como é próprio dos processos de aprendizagem.

A quem interessa ouvir Descartes quando há Cassandra, a mais bonita das filhas do último rei de Tróia e amada pelos deuses?



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.10.2020 às 11:16

não consigo colocar em ordenadas e abcissas os profetas e cassandra
Sem imagem de perfil

De marina a 17.10.2020 às 15:09

a mitologia moderna é fascinante , sobretudo porque não se aceita como mitologia , acha-se o supra sumo  da  cientificidade.  
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.10.2020 às 09:04

Ora que grande resposta.
A cientoinice é isso mesmo. Nem sabem do que falam, mas palram de mais e têm crenças em tretas que nem chegam a criancices de Disneylandia.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.10.2020 às 11:27

E haverá maior cientificidade do que um "abanão" à la Coste?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.10.2020 às 15:16

arrifes
« faixa desbastada de terreno (em mata, floresta, etc.), geralmente mais estreita que um aceiro e feita em articulação com aquele, usada para facilitar a circulação e para dificultar a propagação de incêndios
Do árabe ar-rīf, «recife; rochedo; litoral»
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 17.10.2020 às 15:59

Fazer previsões é sempre difícil, especialmente se se tratar do futuro (provérbio dinamarquês).


É por isso que aprecio tanto profecias e previsões. E quando elas se baseiam em gloriosos modelos matemáticos recheados de suposições e sem terem passado pela fase de validação contra dados experimentais ou de campo, gosto ainda mais. 


Então aquelas previsões do Colégio das Imperiais, da autoria do Prof. Fergus Karamba Filho, mostraram-se literalmente de morte. Lá para as bandas da Suécia morreram para cima de 85 000, como ele previa, porque ninguém os confinou, já morreram outros tantos por não usarem máscara e o dobro disso vai morrer porque não há nehuma app a violar-lhes a privacidade que os salve. 


E como aprecio tanto profecias e previsões, principalmente aquelas mortais, de morrer a rir, nada como mergulhar-se na evidência empírica. Começando pela evidência científica que aponta para o facto de 20% - 60% da população apresentar imunidade cruzada ao SARS-Cov-2, conferida pelas células T, de acordo com "Targets of T Cell Responses to SARS-CoV-2 Coronavirus in Humans with COVID-19 Disease and Unexposed Individuals", "SARS-CoV-2-specific T cell immunity in cases of COVID-19 and SARS, and uninfected controls", entre outros, e acabando no recente artigo "Infection fatality rate of COVID-19 inferred from seroprevalence data", publicado no Bulletin of the World Health Organization. Precisamente.



E o que nos diz este último artigo científico? Algo como isto:


«Across 51 locations, the median COVID-19 infection fatality rate was 0.27% (corrected 0.23%): the rate was 0.09% in locations with COVID-19 population mortality rates less than the global average (< 118 deaths/million), 0.20% in locations with 118–500 COVID-19 deaths/million people and 0.57% in locations with > 500 COVID-19 deaths/million people. In people < 70 years, infection fatality rates ranged from 0.00% to 0.31% with crude and corrected medians of 0.05%.»



E também:


« If one could sample equally from all locations globally, the median infection fatality rate might be even substantially lower than the 0.23% observed in my analysis. COVID-19 has a very steep age gradient for risk of death [80]. Moreover, many, and in some cases most, deaths in European countries that have had large numbers of cases and deaths [81] and in the USA [82] occurred in nursing homes. Locations with many nursing home deaths may have high estimates of the infection fatality rate, but the infection fatality rate would still be low among nonelderly, non-debilitated people.»



Portanto, vamos morrer todos. Mais cedo ou mais tarde. E esta é a minha profecia. 
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 17.10.2020 às 18:05

Será que as previsões Outono/Inverno da DGS se referem às novas máscaras a fazer pandã com com a roupa das senhoras, ou com o cinto e os sapatos nos homens?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.10.2020 às 10:19


Aguardemos o que os deuses nos reservam e  se Cassandra, desta vez, desacerta ... 
E descendo às coisas triviais, mas não menos dignas de respeito e deferência: 


Refiro-me, evidentemente, à clarividência e ao discernimento do nosso 1º Ministro que vem reforçar _  com a eficiência que se lhe conhece _  essas tais condições prévias : prescrevendo um bom "abanão".  São as novas descobertas do "tempo novo"!
 "Habituem-se!"  _ como diz o outro.


Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Jose Miguel Roque Martins

    caro Balio obviamente a comparação entre terrorism...

  • Anónimo

    Também não vi nem ouvi e não gostei.  Escolho...

  • balio

    A maioria dos muçulmanos é pacífica, quer é resolv...

  • balio

    Muito bem. Concordo. Sou a favor da liberdade de e...

  • balio

    não estou preparada para deixar de andar de saia c...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D