Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Carta aberta a Clara Ferreira Alves

por henrique pereira dos santos, em 16.07.19

Cara Clara,

Chamaram-me a atenção para este seu texto a que não ligaria muito, não se desse o caso de uma amiga minha ter feito um comentário (não sobre o seu texto, foi uma mera coincidência temporal) dizendo que "Uma das coisas que esta última polémica sobre o racismo torna evidente é que a descolonização (e o nosso passado colonial) é uma ferida que não só ainda não sarou, como ainda não se sabe bem o que fazer com ela".

A conversa que este pequeno post motivou centrou-se na ideia de que no espaço público só há espaço para os discursos do saudosismo colonial e para coisas como as que escreve, que sem novidade ou surpresa, é a banal cartilha que pretende desresponsabilizar as elites dos novos países atribuindo ao colonialismo todos os males actuais desses países.

Este seu parágrafo "Sempre pasmei da ausência de ressentimento tanto nos intelectuais como na gente simples de um país que condenámos à miséria e à corrupção." é extraordinário a todos os títulos, ao pretender que a corrupção endémica em muitos desses países é uma herança colonial e não uma responsabilidade das suas elites, quer dos que ficaram imensamente ricos sem que alguém lhes conheça qualquer fonte de rendimento extraordinária, quer dos que não ficaram, mas não viram nada de errado acontecer nos seus países desde a independência. E sim, a miséria é hoje bem mais extensa e profunda do que era em 1974, mas a mim não me apanha a usar este facto para defender a situação anterior a 1974, porque isso é misturar alhos com bugalhos, as razões da miséria actual são muitas e complexas, uma parte será herança do colonialismo (mesmo que a vida da maior parte da população fosse melhor nessa altura), mas outra é bem responsabilidade das elites que se formaram nesses países: talvez não tenha reparado mas esses países já têm quase tantos anos de independência como os anos que durou o Estado Novo, é um bocadinho de mais pretender que nesse período de tempo não se poderia ter feito nada para reverter a herança recebida.

A sua defesa do mito do bom selvagem (como o racismo é persistente, não é, como ele está entranhado em sítios em que é tão difícil expô-lo sem ser "por ínvios caminhos, quais se diz que são ínvios os de Deus") pretendendo contrapor a "empatia, à humanidade, à educação e à consideração de que somos todos parte de uma raça, a humana" dos moçambicanos ao facto de haver gente que odeia em Portugal, é ainda mais pateta (sim, não é patética, é mesmo pateta) quando estamos a falar de países mergulhados anos a fio em guerras civis.

Num dos comentários ao post que citei acima, um amigo meu (adversário de estimação em dezenas de discussões por discordarmos em quase tudo) relata a sua experiência em 1974: "Durante o Sete de Setembro de 1974 eu viajava de carro na companhia dos meus avós e da minha irmã, em Lourenço Marques (na altura ainda se chamava assim a cidade). Uma multidão cercou-nos, obrigou-nos a sair do carro e cobriu-nos de gasolina. Fomos salvos da imolação por um soldado da Frelimo que reconheceu o meu avô: era o branco que a cada quinze dias ia à sua aldeia prestar, em gesto voluntário, primeiros socorros, oferecer medicamentos, sementes agrícolas, &c.".

Eu lembro-me bem desse dia 7 de Setembro, apesar de não ter uma história arrepiante como esta, de ódio, sim, mas de humanidade também, como é próprio da nossa natureza. Mas lembro-me das rajadas de metralhadora, do recolher obrigatório, dos mortos, dos incêndios que não batem certo com a sua historinha sobre "empatia, à humanidade, à educação e à consideração de que somos todos parte de uma raça, a humana". E olhe que este meu amigo era moçambicano, a família estava há duas ou três gerações (se não me engano) em Moçambique e não tinha outra terra a que chamar pátria, teve foi o azar, nesse dia, de ser branco.

E este comentário vinha na sequência do meu próprio comentário anterior "Um dia a minha mulher foi a Moçambique, muitos anos depois de lá ter saído. Como teve oportunidade para isso, resolveu ir ver a casa de infância, no então colonato do Limpopo, vila de Trigo de Morais, hoje Choqwé. Viu um miúdo brincar no jardim e disse-lhe que gostava de ver a casa, se ele achava que poderia entrar. O miúdo desapareceu na casa e veio de lá um senhor, grande, com ar razoavelmente desconfiado, saber o que se passava. A minha mulher explicou-lhe que tinha vivido naquela casa muitos anos e tinha curiosidade em revê-la. O senhor abre-se num sorriso, pergunta-lhe se era filha de fulano tal e perante a confirmação dá-lhe um grande abraço misturado com o choro genuíno dos dois, convidando-a para entrar, servir-lhe o melhor pequeno almoço que tinha em casa e uma grande conversa muito emocionada. Isto não cabe no discurso sobre a colonização, descrever isto, que é apenas uma contingência e não tem moral política nenhuma, é imediatamente rotulado de branqueamento do colonialismo, da exploração, da miséria e etc. (e nem reproduzo a conversa para não me chamarem reacionário). Enquanto este ponto de vista de pessoas comuns estiver proscrito do espaço público, como se não fizesse também parte da realidade que existiu, é uma ferida que nunca se curará, aqui e nos outros lados".

E foi para lhe explicar isto que lhe escrevi esta carta, que o discurso das pessoas comuns (as de cá e as de lá) está completamente ausente do espaço público no que diz respeito à colonização e descolonização, o que mantém demasiadas feridas abertas (cá e lá) e que o problema de textos como o seu não é o serem mistificações, factualmente errados e com generalizações preguiçosas e banais, o problema de textos como o seu é porque são meras pedras de sal nas feridas (de cá e de lá) que impedem as pessoas comuns de simplesmente falarem do que viram, do que sentiram, enfim, das suas vidas, sem terem de estar a medir cada palavra para não serem imediatamente classificadas assim ou assado.

E da próxima vez que ficar pasmada pela ausência de ressentimento, fale com as pessoas normais, com as que vendem fruta nas ruas e estradas de Moçambique, ou com as que simplesmente não gostam de falar da forma como foram tratados pelos seus irmãos de pátria, mas não de cor, e pelos seus irmãos de cor, mas não de pátria.

Provavelmente encontrará uma explicação mais simples que a do mito do bom selvagem para isso: para além da imensa e natural simpatia dos moçambicanos, é provável que a explicação esteja no facto da Clara ter uma visão completamente deturpada de um mundo que desconhece e sobre o qual tem tantas certezas.

Antes, durante e depois da descolonização, eram simplesmente pessoas normais que estavam em todos os lados, pessoas que viviam vidas normais, em que o bem e o mal coexistem permanentemente, e nunca existiu esse mundo em que os bons estavam todos de um lado (presumivelmente, o seu), e os maus estavam todos do outro.

O mundo não é assim e já não era assim nesse tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)



13 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro a 17.07.2019 às 02:27

O Henrique escreve num registo que aprecio muito. Obrigado por partilhar assim as suas opiniões.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2019 às 05:38

Boa Henrique! Zé Lima
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2019 às 09:26

Uiiiiiiiiiiiiii… esta Senhora! Fico sempre a olhar, a olhar p`rá cor daqueles lábios, e depois nem consigo ler ou ouvir nada do que vem dali...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2019 às 13:45

Obrigada por mais este texto, por escrever sobre a realidade do que nós pensamos mas nem podemos falar,  agora tornou-se obsessão em Portugal algumas teorias e preconceitos do colonialismo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2019 às 16:33

É mais uma aparachik que sempre viveu á custa do PS e tal como alguns se acham melhores do que os demais. Como se, não fosse o PS o seu amparo!
Bota palavras como se  tivessem impregnadas de saber.
Não percebo é porque Balsemão paga a gente tão patética!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2019 às 19:02

novos-ricos cheio de 'entusiasmo urinário'
Imagem de perfil

De Sarin a 17.07.2019 às 19:29

Porque nem sempre discordamos, permita-me partilhar consigo uma reflexão.


https://sarin-nemlixivianemlimonada.blogs.sapo.pt/patria-e-lingua-desacordadas-73919






Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2019 às 20:26

Muito bem escrito.
Devemos ter sido amigos e vizinhos, pois também estive em Trigo de Morais e vim em 1977 depois do 7 de Setembro e 21 de Outubro com 9 anos.  Também fui um sobrevivente, nem sei como.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2019 às 21:18

1974, Setembro, LM:

Antes de seguir para a cidade, o comandante da companhia de páras, perante algumas colunas de fumo que se erguem dos campos vizinhos, a cidade do caniço, manda sair uma pequena força de reconhecimento. Seria aplaudida ali pela população nativa.

Com ordem para marchar para junto das instalações do RCM, nas proximidades da Catedral e da messe de oficiais da FA, surge ao longo da avenida para o centro de LM, um espectáculo algo dantesco-postes de iluminação deitados a baixo, automóveis destruídos, populares de origem europeia expectantes nas varandas de alguns edifícios!

Anos depois, na despedida no aeroporto Maputo, um oficial do presidente Samora, expectante para um oficial do presidente Eanes... E agora, como é?




Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.07.2019 às 16:08


Parabéns pelo texto. Excelente.

Esta mulher, Clara, é detestável como pessoa (pelo modo como fala e sobretudo como expõe as suas opiniões, aliás duvidosas) e particularmente como comentadora. Ela é socialista/comunista e chega, eis por que é possuidora de todos os defeitos e mais algum. Como esquerdista está protegida pelo sistema, o que a remete para um lugar de favor em todos os locais onde trabalha e respectivos cargos que lhe lhe são oferecidos. A postura dela no programa da SIC é insuportável: com o pescoço esticado e a cabeça sempre virada para cima, como que a mostrar que é a melhor comentadora do programa e a mais completa conhecedora de todos os assuntos que se debatem no programa. Ela tem a mania que é uma intelectual superior e a mais conceituada escritora(?) da nossa praça. Um pavor.

Maria
Imagem de perfil

De Sarin a 19.07.2019 às 13:22

As opiniões não são duvidosas, são subjectivas e pessoais; os factos que as sustentam é que poderão ser duvidosos.


Escrever "socialista/comunista" apenas denuncia desconhecimento sobre a História e as ideologias; melhor usar "esquerdista", sempre abrange mais uns libertários e anarco-sindicalistas.


Mas pronto, é preconceituosa e chega-lhe.

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimus

    Se o Trump não quer pagar autoestradas no Iraque, ...

  • Francisco Albino

    E ainda um efeito pouco referido e particularmnete...

  • Anónimo

    a mini-remodelação ficou sem suspensórios por dete...

  • marina

     don mariano deu conta do recado, quero ver q...

  • Anónimo

    O egoísmo dos catalães quando dizem que não querem...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D