Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Carlos Reis - mestre do Naturalismo

por Daniel Santos Sousa, em 22.09.23

FB_IMG_1695376751803.jpg

O quadro aqui reproduzido é da autoria de Carlos Reis (1863-1940), intitulado: "D. Carlos I e o seu Estado-Maior"(1904) e encontra-se actualmente exposto em Vila Viçosa, um óleo sobre tela que o próprio Kaiser Guilherme II muito elogiou quando passou por Lisboa em 1905. A fama de Carlos Reis propalava-se então por toda a Europa, um último suspiro da arte refinada e elegante dos finais da Belle Époque. No século das Vanguardas, nomes como o de Carlos Reis acabaram ignorados, talvez por não corresponderem mais à ânsia de uma civilização que testemunhara todas as barbáries. Carlos Reis viveu o esplendor e o declínio de um mundo. E, contudo, dos nomes insignes que preenchem a história da nossa pintura, este foi dos mais marcantes.

Não será exagero dizer que Carlos Reis enalteceu o século XIX português na procura de uma visão rigorosa e sensível do homem e da paisagem, elementos contribuidores para a afirmação da estética naturalista da qual foi impulsionador em Portugal. A trajetória biográfica do artista é contada pela sinuosidade de um percurso moldado a custo e a pulso: de origens modestas encontrou um benfeitor e amigo no rei D. Carlos, também amante das artes. Inspirado e incentivado por Silva Porto, mestre de toda uma geração, percorre o caminho de ascensão meteórica à elite da pitura europeia, estudando em Paris onde pôde frequentar os grandes museus e cruzar contacto com as novas tendências artísticas.

Energético e trabalhador tem uma produção excepcional que o demarcam dos contemporâneos, alcançando rápida notoriedade e fixando nome como pintor. Homem de talentos multifacetados (como também nos revelam os seus gostos pela música e pela literatura) aliava a sensibilidade ao perfeccionismo do traço. Ascético, perfeccionista, sensível, consegue brilhar pela luminosidade das criações. Não direi pois, que tenha sido inovador, mas dentro do convencionalismo conseguiu alcançar a originalidade, trabalhando as tonalidades luminosas com propriedade e aplicando o equilíbrio do branco que perpassam as várias criações artísticas. Sobretudo, o que populariza Carlos Reis são as paisagens, essencialmente a poesia bucólica da terra portuguesa, fazendo dele o mais português dos nossos pintores, claro, não injustiçando outro ilustre contemporâneo como José Malhoa que merece um igual título.

Ascendendo por mérito próprio à condição de artista consagrado, Carlos Reis substituiu Silva Porto como Professor de Pintura de Paisagem, na Escola de Belas-Artes. Mais tarde assumia a função de director do Museu Nacional.

Com a República foi nomeado director conservador do Museu de Arte Contemporânea (logo em 1911), que passou a situar-se no Convento de S. Francisco, no Chiado. Carlos Reis seria, contudo, destituído da direcção do museu logo no dia da sua inauguração. O jornal "O Dia", que antipatizava com Afonso Costa, nessa altura Ministro das Finanças, e responsável pela medida, justificando tal acto pela necessidade de poupança, escreveu que: «Carlos Reis, embora estranho à política» tivera «a pecha de haver sido amigo dedicado e fiel do sr. D. Carlos (...)».

Num país de invejas Carlos Reis acabou por ser vítima da pior cobardia, a República traía o mais ilustre dos pintores portugueses e afastava-o infamemente.

O pintor lembraria mais tarde amargurado: «Como Director do Museu d'Arte Contemporanea taes provas dei do meu desastrado criterio e da minha ignorancia em materia d'arte, que ao cabo de três anos, o Congresso votava a extinção do logar de Director, que, como era de presumir, se restabeleceu, aliás com toda a razão, na pessôa do meu imediato sucessor».


5 comentários

Sem imagem de perfil

De urinator a 22.09.2023 às 11:58

conheço museus em Madrid, Londres, Paris, Roma e Viena.
muito me admiro de quadros deste tipo não terem ainda ido para a lixeira, porque a arte apareceu com o abstrato.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.09.2023 às 15:11

Um pós modernista radical não percebe que a arte e a sua excelência é para nos aproximar-nos de Deus.
Sem imagem de perfil

De balio a 22.09.2023 às 12:18


um óleo sobre tela que o próprio Kaiser Guilherme II muito elogiou


Bem, um elogio da parte de Guilherme II, que foi um imperador desastrado e desastroso, não é propriamente cartão de visita que se apresente...
Sem imagem de perfil

De pitosga a 22.09.2023 às 19:22


Daniel Santos Sousa,
Mais um muito bom escrito.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 23.09.2023 às 11:32

Uma fotografia a cores num tempo (início do século xx) em que ainda não havia fotografia a cores. Excelente. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimo

    O facto do Passos ter dito o mesmo que a Mortagua ...

  • lucklucky

    Os resultados da esquerda também estão em Cuba. Ri...

  • Nelson Goncalves

    Certo. Seguindo esse raciocínio não se podem const...

  • passante

    É o "Trump derangement syndrome" que se arranja cá...

  • VV

    Os funcionários e outros colaboradores que irão ex...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D