Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Calibradores de termómetros

por henrique pereira dos santos, em 28.03.23

Confesso que só não senti uma grande desilusão quando ontem ouvi Rodrigo Saraiva, da Iniciativa Liberal, a comentar o número do IVA 0% no termos em que o fez, porque já não tinha grandes ilusões.

Parecer-me-ia que qualquer liberal saberia que preços são meros indicadores, são como termómetros que medem a temperatura, mas não afectam a infecção.

Bem vi que Rodrigo Saraiva ainda ressalvou que a proposta no Orçamento de Estado tinha sido no sentido de baixar o IVA em toda a alimentação, e não em produtos escolhidos, o que apesar de tudo seria menos mal, mas continua a ser uma proposta no sentido de propor que os termómetros meçam temperaturas mais baixas para resolver a febre do doente.

Se há aumento de preço, ou seja, se o termómetro mostra temperaturas mais altas, o que é preciso é tratar os sintomas no imediato, ou seja, apoiar os que não o podem suportar (tomar uma aspirina) e ir à procura da melhor terapeutica para a infecção.

Mudar para termómetros que estão calibrados para dar temperaturas mais baixas não é uma grande ideia, apenas torna invisíveis os sinais da infecção, não altera o curso da infecção e dificulta a decisão de tomar as aspirinas no momento certo, contribuindo para que o doente mantenha o incómodo da febre e a infecção prossiga o seu curso, de forma subreptícia.

Do que estaria à espera de uma oposição solidamente liberal é que se dissesse, de forma clara, que não é manipulando preços, seja pelo seu controlo, seja pela fiscalidade que se lhe aplica, que vamos gerir adequadamente a inflação, a solução tem de estar do lado do rendimento.

No caso dos que não conseguem mesmo suportar o aumento de preços, o Estado (ou a filantropia, mas já nem vou tão longe na receita liberal) que apoie directamente os que têm rendimentos mais baixos com apoios directos, impostos negativos, o que quiserem.

Nos outros, concentremos em aumentar-lhes o rendimento, seja pela via fiscal (do lado dos factores de produção, baixando impostos sobre o trabalho e o capital, e não baixando impostos sobre o consumo, mas neste ponto há mais margem para discussão), seja pelo aumento da eficiência da economia, o que é incompatível com políticas de condicionamento de preço.

A Iniciativa Liberal perdeu uma grande oportunidade para demonstrar que não está obcecada com a pequena política e com a lógica populista de seguir o que lhe parece ser o sentimento popular imediato.


6 comentários

Sem imagem de perfil

De entulho a 28.03.2023 às 09:31

o marxismo tem horror à criação de riqueza nos sectores 1 e 2. 
é mais cómodo o pessoal de tabuleiro na mão e impostos altos.
'a miséria não tem lei'
Sem imagem de perfil

De balio a 28.03.2023 às 09:53


Também a mim esta medida da descida (aliás, eliminação) do IVA nalguns produtos não me agrada, embora não faça dela um julgamento tão mau como o Henrique. Não me agrada porque:
(1) Tem um efeito ridiculamente pequeno. Descer o IVA de 6% para 0% vai, na melhor das hipóteses, descer o preço dos alimentos numa ninharia.
(2) Complica a vida aos comerciantes, que a partir de agora vão ter que lidar com quatro taxas de IVA em vez de somente três. Ademais, uma dessas taxas de IVA durará somente seis meses. Vai ao arrepio da recomendação da Comissão Europeia no sentido de equalizar todas as taxas de IVA, que seria o mais liberal.

(3) Beneficia todos por igual, isto é, beneficia também as pessoas mais ricas, as quais não necessitam de ser apoiadas pelo Estado. Em última análise, faz aumentar a inflação noutros setores.

Concordo com o Henrique, a Iniciativa Liberal escusava de andar a acompanhar a tendência dominante e a pulsão mediática do momento.
Sem imagem de perfil

De Nelson Goncalves a 29.03.2023 às 11:20

Concordando com o Henrique, não posso deixar de notar que a IL teria de ser muito boa (muítissimo mesmo) a comunicar porque é que seria o único partido contra a descida do IVA. Existem batalhas que é melhor não tentar ganhar. Esperemos que ganhem a guerra.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 28.03.2023 às 10:53


É preciso é produzir mais e melhor. Aumentar rendimentos das pessoas e das empresas.

Não são flat taxes que mudam o que seja.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 28.03.2023 às 14:47


Henrique Pereira dos Santos,
Muito bom texto pois é claro [límpido] — em si e nos seus objectivos. Quem não gostar pode começar por ir limpar as mãos à parede...


Abraço
Sem imagem de perfil

De balio a 28.03.2023 às 15:19


A Iniciativa Liberal perdeu uma grande oportunidade para demonstrar que não está obcecada com a pequena política e com a lógica populista



Eu diria que a Iniciativa Liberal perdeu uma grande oportunidade para demonstrar que não está obcecada com toda e qualquer descida de todo e qualquer imposto.


É óbvio que nem todos os impostos podem ser descidos ou eliminados. A Iniciativa Liberal não pode perder o foco. E tem que ter foco em mais coisas do que na descida dos impostos.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D