Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Bárbara Reis, o jornalismo e o movimento ambientalista

por henrique pereira dos santos, em 17.09.23

Bárbara Reis não costuma escrever sobre matérias ambientais ou florestais, mas neste Sábado escreveu um artigo com o título "Abate de sobreiros em Sines é chocante? Nem por isso", fazendo questão de dizer que estava rodeada de belas árvores milenares (por aqui se vê porque raramente escreve sobre estas matérias) quando leu muita coisa sobre o assunto.

Começa por citar muita gente, resumindo-se essa parte do artigo nestas citações: "O problema está identificado: um “bosque”, uma “floresta” de sobreiros “adultos”, “saudáveis” e a produzir cortiça, vai ser abatido e, com ele, destruído um “ecossistema local”." ... "Pequeno senão: falei com a Zero–Associação Sistema Terrestre Sustentável, cujo presidente é o engenheiro do Ambiente Francisco Ferreira, e, num minuto, percebi que tudo isto que acabo de escrever é falso. Leu bem: é falso.".

Depois de explicar que falou com mais não sei quantas pessoas (provavelmente não sabe que este tipo de projectos têm toda a documentação pública e acessível, embora jornalista uma vida inteira, e directora de jornais durante anos, não lhe terá ocorrido ir buscar informação a fontes primárias de informação, escolheu sempre ouvir pessoas que escolheu, por razões que só Bárbara Reis poderá explicar), acaba o artigo a concluir "Matar uma árvore saudável dói. Matar 200 dói ainda mais. Mas o debate e o activismo poluído também".

Grande parte das citações que faz na primeira parte do artigo são de orgãos de comunicação social ou de afirmações a que orgãos de comunicação social deram visibilidade, sem a mínima verificação factual, mas Bárbara Reis não acha necessário assinalar este facto e fazer notar o que isso significa de 1) falta de qualidade do jornalismo; 2) facilidade de manipulação da imprensa.

Mais que isso, neste caso, Bárbara Reis faz exactamente o mesmo que fizeram os seus colegas: em vez de verificar informação em fontes primárias disponíveis, escolhe uma pessoa em que confia, no caso Francisco Ferreira, presidente de uma associação ambientalista que o Senhor Ministro nomeou para um grupo de trabalho que criou para responder ao alarme público causado pelas aldrabices de outros ambientalistas.

E foi neste ponto que de repente me lembrei de um parágrafo, quase no princípio do artigo, a que não tinha dado nenhuma importância: "Quem é que, no seu perfeito juízo, fica indiferente perante isto? Impossível conter a indignação. Vamos para a rua protestar. Ainda por cima, os alvos são bons para dar golpes: o Governo (este ou outro qualquer) e a EDP (que fechou o ano com 871 milhões de euros de lucro).".

Bingo!

Bárbara Reis não está a escrever sobre questões ambientais, florestais ou de paisagem, Bárbara Reis, consciente ou inconscientemente, está a escrever sobre ataques injustos ao Governo e à sua política de energias renováveis e descarbonificação.

E a Zero, que em Abril era contra uma central solar no Alentejo por ser numa área importante de conservação (a Zero, e a generalidade do movimento ambientalista, protesta com a agricultura intensiva, mas protesta igualmente com usos alternativas de áreas fora dos perímetros de rega, exactamente porque, dizem eles, estarem fora dos perímetros de rega as protege da expansão da agricultura intensiva), ou que em 2019 lamentava o abate de sobreiros e azinheiras por causa de um campo de golfe, apenas para dar dois exemplos, aparece agora a defender que é preciso ver bem isso, talvez o Governo não esteja a fazer asneira.

É evidentemente uma coincidência que o Senhor Ministro do Ambiente faça um despacho, justificado, entre outras tretas, pelo facto de "as recentes decisões de declarar de imprescindível utilidade pública determinados empreendimentos geraram na opinião pública contestação e dúvidas sobre os procedimentos observados nos projetos de compensação, importa avaliar a respetiva adequação.", como se o problema da pós-avaliação de projectos autorizados não fosse um problema transversal há muito identificado, e decida fazer um grupo de trabalho (what else?) para o qual nomeia a Zero que, de entre as várias ONGs de ambiente que existem em Portugal, é das poucas que não gere um metro quadrado de terra, se não me engano, para ver com o ICNF como se diminui a contestação às decisões do Governo, em matéria de gestão da paisagem.

Mas afinal quem continua a dar palco e uma aparência de representatividade social à parte do movimento ambientalista que passa o tempo todo a inventar parvoíces e a deturpar os factos?

Os jornalistas, senhores, os jornalistas que há muito perderam a noção de que a sua função central é verificar, verificar, verificar, e não ser caixa de ressonância de pessoas que consideram fantásticas.

Sobre isso, Bárbara Reis tem uma posição cristalina, tão cristalina que é absolutamente transparente e ninguém a consegue ver.


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anonimo a 17.09.2023 às 13:44

Não consigo distinguir hoje o jornalismo da opinião. 
Eu posso escrever, com toda a propriedade, um artigo de opinião sobre o quão mau é o abate de um sobreiro. Porque eu acho isso. E é indiscutível. 
Outra coisa é escrever um artigo sobre abate de sobreiros, sem opinião própria, baseado em isenção e factos. Mas isso exige, para lá de outras qualidades, conhecimento prévio, técnico e científico, sobre o assunto. E simplesmente os jornalistas não o têm. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.09.2023 às 13:53

Ignorância  redundantemente atrevida e imbecilidades  pseudo-ideológicas,  de acordo com "l`air  du temps" , definem a "piquena".
Juromenha
Imagem de perfil

De O apartidário a 17.09.2023 às 14:52

"os jornalistas que há muito perderam a noção de que a sua função central é verificar, verificar, verificar, e não ser caixa de ressonância de pessoas que consideram fantásticas." ------------ Ora bem! 
Sem imagem de perfil

De anónimo a 18.09.2023 às 18:14


Curioso. Agora aparece um manifesto assinado por cerca de 1.500 cientista do clima a re-afirmar o "bluff" que é a corrente que insiste nas alterações climáticas como motivadas pela actividade "humana" e que re-afirmam as suas posições têm sido metodicamente retiradas da comunicação social.

Agora que um dos cientistas do clima responsável pelo documento em que se baseia muitas das iniciativas do "man-made" alterações climática, declarou que escreveu o contrário do que acredita "só para poder ser publicado" !.

Será que a posição da ONU neste (e em outros temas) não seria de pelo menos publicar todas as diferentes posições de todas as facções?.

Será que a ONU tem a certeza da sua posição ou depende de alguém e é apenas mais um orgão de (des)informação de uma das facções?.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • RR

    Trabalha sim. O trabalho dele é este mesmo: escrev...

  • Hugo

    E mesmo assim o Passos Coelho ganhou depois desta ...

  • anónimo

    Sim, vivem em conluio com o eleitorado.O PS certam...

  • Filipe Costa

    Em setembro de 2010, pouco antes da aprovação do O...

  • Tiro ao Alvo

    Este balio não trabalha. É um funcionário público,...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D