Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Assim torna-se difícil, Mariana

por henrique pereira dos santos, em 26.02.24

“A IL que recebeu dinheiro diretamente do presidente da EDP e que em dois anos dois empresários entregaram ao seu instituto de estudos uma quantia de 600 mil euros”.

Isto é de um discurso de Mariana Mortágua num comício, sobre o dinheiro que jorra para o Chega e a Iniciativa Liberal.

O dinheiro que chega ao Chega não me interessa, aliás nem li metade de um artigo ridículo no Público deste Domingo sobre o assunto, de tal forma era infantil o trabalho do jornalista, a falar de donativos de 10 mil euros para um partido como se fosse um grande indicador do que quer que seja (as contas dos partidos são públicas e os donativos representam uma parte relativamente pequena do seu financiamento, se comparado com o financiamento público, que depende do número de votos).

Mas interessa-me esta frase de Mariana Mortágua, não pelo que diz sobre o financiamento da IL, mas pelo que diz sobre a forma como Mariana tortura os dados até que eles digam o que ela quer que digam.

A parte de receber dinheiro directamente do presidente da EDP não interessa nada, sobretudo com as limitações que existem para os donativos aos partidos, o que interessa é o contorcionismo da segunda parte da citação.

Mariana Mortágua refere-se a isto, que é transparente e claro:

429657873_2649663055211902_8889176503536100618_n.j

Comecemos por notar que o dinheiro a que se refere não tem nada com esta campanha eleitoral, diz respeito a 2022.

Notemos depois que o Instituto +Liberdade (declaração de interesses, de que sou sócio, pagando uma quota anual de 50 euros, se não me engano) não é um Instituto da IL, tem com certeza uma orientação liberal, mas não é da IL e nem é controlado pela IL.

Tem gente da IL, foi fundado por Carlos Guimarães Pinto (posteriormente à sua saída de presidente da IL) e desenvolvimento (que se reduziu desde que se candidatou pela IL, e foi eleito deputado, nas últimas eleições), mas na sua direcção estão militantes de outros partidos, como Cecília Meireles e Fernando Alexandre, outras pessoas sem militância partidária conhecida e tem um conselho de curadores com gente que nem sequer está na política partidária e tem carreiras profissionais conhecidas.

Notemos depois que os donativos de que fala Mariana são donativos a sério, não são os meus míseros 50 euros anuais, mas estão muito longe da perda anual de pelo menos um milhão de euros que a família Azevedo aceita para fazer exactamente a mesma coisa: ter gente independente a produzir informação, no caso do Instituto +Liberdade, uma associação sem fins lucrativos, no caso do Público em que a família Azevedo enterra um donativo acima de um milhão de euros anual, um jornal.

Em qualquer dos casos, as campanhas eleitorais podem ser influenciadas pelas duas organizações, diferindo apenas na sua orientação ideológica, sendo estranho que Mariana Mortágua não se refira ao donativo da família Azevedo para o jornal Público como um financiamento estrondoso anti-liberal, como de facto é.

Eu sei que a Mariana acha que não está a mentir quando comete a pequena imprecisão de dizer que o Instituto +Liberdade é um instituto da IL, é o normal nas pessoas dadas às teorias de conspiração.

O problema é que, em política, dizer coisas destas, ou apresentar viúvas ricas de industriais como vítimas da ganancia do grande capital porque o senhorio, uma IPSS que apoia doentes mentais sem recursos em Tábua, lhes quer aumentar um renda artificialmente deprimida pelo poder repressivo do Estado ao serviço da transferência de recursos dos doentes mentais de Tábua para uma viúva rica, é um exercício arriscado, independentemente de poder haver opiniões sobre se é tecnicamente uma mentira ou não.


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.02.2024 às 10:40

Uma patética e "esganiçada" forma de vida...
A fazer pela vidinha , claro...
Juromenha
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 26.02.2024 às 11:03

a esquerda profissional morre de inveja e ódio por falta de apoio eleitoral.
esmifram a família Azevedo para evitar greves.
podiam pensar em assaltar a banca onde se guarda o dinheiro: nunca o estado falido'
nos últimos 50 anos ainda não saíram do ponto de partida e já vão no 3º prec.


António Sílvio Couto
Perante a situação política/parlamentar/governamental/social do nosso país, atualmente, parece ser oportuno recordar a fábula da rã e do escorpião.
À beira do rio, um escorpião tentava atravessar para a outra margem, mas não sabia nadar.
Ali perto estava uma rã, conhecedora do rio e das correntes…porque sabia nadar.
O escorpião pediu, então, à rã se lhe concedia o favor de o atravessar para a outra margem… Ao que a rã ripostou: tu tens um veneno fatal e quem me afiança que não usarás desse veneno e morreremos ambos afogados… O escorpião jurou que não usaria do veneno, pois morreria afogado, dado que não sabia nadar.
Acordada a viagem, o escorpião colocou-se no dorso da rã e começou a travessia… Mas, percorrido mais de metade do trajeto, o escorpião picou como o veneno a rã… Esta retorquiu: não cumpriste o prometido e agora, vamos morrer os dois… Ao que o escorpião respondeu: está na minha natureza picar com veneno… não pude resistir!


Sem imagem de perfil

De anónimo a 26.02.2024 às 12:11


Idiossincrasias do sistema político em Portugal. Personagens sem representação política nacional minimamente significativa, passeiam as suas insignificâncias, e incongruências, na comunicação social com propostas a nível nacional. 
Num sistema eleitoral uninominal nos seus respectivos círculos eleitorais, os candidatos concentram, e disciplinam, o seu discurso de propaganda nos seus respectivos círculos eleitorais. 
Propostas a nível nacional são, simplesmente, ou de esquerda, ou de direita.



Curiosamente, ao fim de 50 anos, o eleitorado (e os partidos ao se associarem) estão a forçar a bipolarização, esquerda / direita, tal como nas democracias maduras, evitando o voto inútil em partidos de lambreta.

Claro que ainda vão restando caricatos restícios do passado....
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 27.02.2024 às 10:31


Exacto


https://www.youtube.com/watch?v=v_vW-hkMW-Q
Sem imagem de perfil

De VO a 28.02.2024 às 06:52

Vindo de onde vem, um albergue de terroristas das FP25 e tendo como um dos mentores um militar de patente media-alta perito em sevícias por delito de opinião (nenhum deles se retratou), só prova que o populismo da extrema esquerda é tão perigoso que os rapazinhos do braço esticado. Interessante é constatar que aquele continua a ser populismo "do bem", muito apreciado pelos activistas de redacção (aka, jornalistas), que beneficia de tempo de antena 365/7 pago pelos contribuintes.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Jo

    Duas ou três empresas não são concorrência.O ajust...

  • balio

    cito um dicionário cuja primeira edição é de 1956R...

  • henrique pereira dos santos

    Eu cito um dicionário cuja primeira edição é de 19...

  • balio

    Os dicionários atuais já incluem montes de estrang...

  • balio

    As maiores empresas em Portugal estão numa posição...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D