Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As memórias que faltam

por José Mendonça da Cruz, em 24.10.18

img_818x455$2016_03_04_17_08_01_518287.jpg

 Só se fala de Cavaco, o ex-presidente em cujas memórias surgem bastas queixas sobre o actual e lamentável primeiro-ministro, esse mesmo primeiro-ministro cujo futuro ele, Cavaco, garantiu ao marcar eleições para um momento em que já não podia dissolver a Assembleia e convocar novas eleições. É um livro acabado de sair, cheio de interessantes bisbilhotices e autojustificações, eu sei... mas as memórias que gostaria de ler, a vida que realmente me intriga é a de Francisco Pinto Balsemão, o magnata da comunicação social. Gostaria, nomeadamente de saber, por que vias e motivações o antigo líder do PSD, o antigo primeiro-ministro, criou uma colecção de orgãos de (digamos assim) informação -- Sic, Expresso, Visão, etc. -- que constituem , hoje, o abono de família da esquerda, e cuja linha editorial consiste, resumidamente, em promover o socialismo cá e em todos os países estrangeiros, calando tudo o que possa diminui-lo ou contrariá-lo, e atacando com notícias verdadeiras e sobretudo falsas todos os adversários ou opositores.

Hoje, a propósito de bombas enviadas para personalidades do Partido Democrata americano, a Sic, depois da reportagem, ouviu o seu correspondente em Washington, Luís Costa Ribas, a quem perguntou se os investigadores já tinham descoberto os autores do atentado. E Ribas, depois de confirmar que os investigadores nada tinham dito ainda, acrescentou que os atentados eram certamente de autoria de apoiantes de Trump. Seguidamente, desesperada com as preferências da maioria do eleitorado brasileiro, a Sic dedicou vários minutos a propaganda pró-Haddad e anti-Bolsonaro. Em resumo: as invenções de um palhaço, seguidas de propaganda pêtista. É a Sic.

No combate aos adversários do socialismo, o Expresso, por seu lado, mostra-se capaz, até, de ir às bruxas, como se vê. E logo após consultar as bruxas, o autor da pecinha faz sobre o seu detestado juiz alguns considerandos meio tontos, cuja fiabilidade vos convido a confrontar com a seriedade e o tom do blog do Supremo Tribunal americano ou com o teor das intervenções reais de Kavanaugh que podem consultar nesta transcrição.

A Visão e o Expresso, sendo semanais, optam por temas de longo prazo. Expresso e Visão (que embora vendida a Delgado, mantém a linha do criador) mostram agora grande nervosismo e atenção ao que chamam fake news (no que os julgo acompanhados por Sic, Público, Tvi, DN, e demais orgãos de desinformação nacionais). «Fake news», na acepção do Expresso e da Visão (e da Sic, e de... etc.) não são notícias falsas,como a tradução faria supor; são, sim, todas as notícias que contrariem a narrativa pró-socialista, politicamente correcta, conformista e conformadora que produzem, e todas as notícias que desmascarem as omissões e os processos da desinformação. As «fake news», nesta curiosa acepção, são emitidas exclusivamente pelos «fassistas» que ExpressoVisão ( e Sic e... etc.) vislumbram em todo o lado. Ou, a contrario: para este tipo de centrais de intoxicação, quando uma jovem brasileira apoiante de Haddad diz que apoiantes de Bolsonaro a agrediram e lhe gravaram uma suástica no pescoço, isso é notícia; quando se descobre que a piquena se automutilou para acusar os eleitores de Bolsonaro, como ficou provado que aconteceu, isso nem é notícia, nem torna fake a «notícia» anterior.

As redacções de Sic, Visão, Expresso, etc. sabem, evidentemente, que este tipo de «jornalismo» abre boas perspectivas de futuro. Por enquanto, abre. Como abriu a Nicolau Santos, o jornalista que previu que «cai(u) a pique» o défice durante o governo de Sócrates -- o qual em vez disso disparou para 11% -- ; ou que proclamou que o «FMI já não vem» -- o qual veio semanas depois-- ; ou que atacou o governo de Passos Coelho com a ajuda de burlões; ou que celebrou vitórias socialistas que só ele vislumbrou. Por suas acções meritórias, Santos ganhou a presidência da Lusa, uma agência de...

O que me traz de volta às memórias. Eu anseio por ler as memórias de Balsemão. Como, porquê e para quê, com que intenções ou desgostos ou benefícios decidiu o Dr. Balsemão constituir e desenvolver a maior e mais zelosa central portuguesa de promoção e defesa do socialismo, contra todos os factos e adversários. Terá sido por gosto, ou por convicção, ou por projecto de poder ou popularidade, ou a contragosto, ou por pragmatismo? Não sei. Gostava de saber. A mim, ter-me-ia dado urticária ou algum outro problema de pele.

Autoria e outros dados (tags, etc)



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.10.2018 às 11:38

Obg.º pelo comentário . Falamos p.e. do eixo do mal , da quadratura do circulo e de tudo o resto. São anos com as mesmas pessoas meio esquerdinas meio tetras a comentar , não se percebe

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Sem dúvida. A Constituição em vigor -obra de socia...

  • Anónimo

    Os meninos da geração dos "flocos de neve" são os ...

  • Anónimo

    Concordo com os comentários «Anónimos», vale bem a...

  • Anónimo

    Com o devido respeito pelas opiniões contrárias, e...

  • Anónimo

    A verdade não é determinada por um voto maioritár...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D