Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As ideias aceitáveis

por henrique pereira dos santos, em 01.04.24

Como disse no último post, a intervenção de Vítor Bento há um ano, de que tive conhecimento recentemente, ajudou-me a arrumar ideias sobre a necessidade de combater ideias erradas.

Outro dos exemplos de radicalismo de Meloni, e de duplicidade de discurso externo (moderado) e interno (extremista) que Cátia Bruno usa nesta peça do Observador é descrito nestes termos: "Um exemplo prático que ilustra esta duplicidade dentro e fora de portas é o caso da crise climática: em julho, quando se encontrou com Biden, Meloni disse estar comprometida com o combate às alterações climáticas, que definiu como “ameaça existencial”; na semana seguinte, num comício de apoio ao líder do partido espanhol Vox, fez declarações onde denunciava “o fanatismo ultra-ecológico da esquerda”, que dizia estar a atacar “o nosso modelo económico de produção”".

O que Cátia Bruno está a dizer (e nisso com certeza está integrada no discurso geral da imprensa sobre o tema), é que para se estar comprometido com o combate às alterações climáticas, é preciso aceitar os termos da discussão definidos pelo "fanatismo ultra-ecológico da esquerda" quando, na realidade, a generalidade do discurso ambiental dominante é simples pensamento mágico.

Dizer que 99% do que Greta Thundberg diz é lixo, e que é incompreensível que gente responsável a tenha promovido como profeta de um mundo novo, é uma opinião tão legítima e aceitável como dizer que Greta Thundberg teve um grande papel na consciencialização dos jovens (incluindo o jovem Guterres, claro).

Se duas pessoas se encontram e uma acha correcta a primeira ideia e outra acha correcta a segunda, o que podem fazer é sentar-se calmamente em frente a uns pezinhos de coentrada a conversar sobre as razões de um e de outro, e não pretender liquidar qualquer discussão considerando a primeira ideia aberrante e inaceitável, e inútil qualquer discussão com negacionistas climáticos (não havendo, na primeira ideia, qualquer vestígio de negacionismo climático, mas apenas um ponto de vista sobre a relevância de ter uma adolescente a debitar enormidades sobre um assunto complexo).

Tomemos, como exemplo, este comunicado de imprensa da uma coligação ambiental (Birdlife, WWF, EEB e ClientEarth) que defende uma lei do restauro da natureza europeia.

A lei de restauro da natureza é uma lei inventada pela burocracia europeia, decorrente do European Green Deal que Ursula von der Leyen apresentou no início do seu mandato como presidente da comissão europeia e, como a generalidade do European Green Deal, corresponde a reduzir a escrito uma série de ideias mainstream sobre ambiente, sem grande ligação com a realidade e com a vida das pessoas comuns.

Por exemplo, na área que conheço melhor, a da gestão da biodiversidade, corresponde a estabelecer, pela enésima vez, metas que têm vindo a ser estabelecidas há décadas e nunca atingidas, sem que em algum momento se discutam as razões pelas quais se falha sistematicamente.

Sem surpresa, os mecanismos definidos para atingir estas novas metas (novas, aqui, é relativo) consistem em aprofundar os mecanismos usados anteriormente e que falharam redondamente, na convicção de que um método errado de resolver um problema acabará por dar resultado se for mais bem aplicado.

A lei de restauro da natureza é uma filha deste processo de alienação dominante na burocracia europeia, na academia, nos jornais, nos mecanismos de poder europeus, pretendendo levar mais longe a dissociação entre a realidade e o mundo ideal das regras, legislação e comunicados de imprensa em que persistem as elites europeias.

A coligação ambientalista que assina este comunicado de imprensa está profundamente convencida de que o mundo se formata através da lei, e por isso acha um drama que esta lei - em qualquer caso inútil, porque não há lei que seja útil quando esquece a realidade - não seja aprovada, mas para contestar a não aprovação da lei não escolhe defender os argumentos que demonstram que a lei é muito útil, escolhe antes realçar o facto da Hungria ter tomado uma decisão qualquer, com o objectivo de liquidar a discussão sobre a substância da lei, acantonando os que a contestam (e são muitos) como fascistas apoiantes de Viktor Órban.

E é isto, a discussão da substância de uma lei passa a ser irrelevante, porque contestar a lei passou a ser uma ideia inaceitável de apoiantes de Viktor Órban.

E depois estranham que o nacionalismo e o anti-europeísmo vá ganhando força, à medida que as pessoas comuns se sentem defraudadas por esta gente.


6 comentários

Sem imagem de perfil

De passante a 01.04.2024 às 17:58

consistem em aprofundar os mecanismos usados anteriormente e que falharam redondamente, na convicção de que um método errado de resolver um problema acabará por dar resultado


Sem querer ser displicente, já lhe ocorreu que o objectivo é ter "os mecanismos" como instrumento de poder, e que os resultados são irrelevantes?


Aliás, até convém que não haja resultados, para continuar a haver "mecanismos".

Imagem de perfil

De O apartidário a 01.04.2024 às 20:59

"E depois estranham que o nacionalismo e o anti-europeísmo vá ganhando força"  ---------------------------  Só é pena que não ganhe força suficiente já em Junho para correr com essa gente de Bruxelas e de Estrasburgo. 
Imagem de perfil

De O apartidário a 01.04.2024 às 21:05

Mas não é anti-europeísmo, é anti-federalismo tecnocrático o qual visa o desmantelamento dos Estados soberanos(os quais já foram emagrecidos,em questões  vitais como as Forças Armadas e de Segurança interna,em nome do progresso).
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 02.04.2024 às 08:31

"Já não vale a pena negar a existência de uma elite globalista, decisiva nas nossas vidas, a um ponto que mesmo um cidadão avisado certamente não acreditaria. Essa elite - que actualmente rege verdadeiramente os destinos do planeta, ou boa parte dele, manipulando o sistema político no Ocidente- tem como principal característica a de não ter sido eleita por ninguém, tendo-se imposto por processos que os próprios membros da elite determinam(com a cumplicidade dos média em geral) . E para se imporem têm de suprimir a soberania das nações e das pessoas, convertendo a democracia numa farsa. " (do livro Acorde de Fernando Paz de 2022)
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 01.04.2024 às 21:54

PSD contra o 25 de Novembro e a votar um Comunista para presidente interino da Assembleia. Enquanto o Moedas aumenta impostos em Lisboa.


Possível corolário:  PSD está contente com a grande maioria das ideias aceitáveis definidas pela esquerda.
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 02.04.2024 às 00:10

"O que Cátia Bruno está a dizer (e nisso com certeza está integrada no discurso geral da imprensa sobre o tema), é que para se estar comprometido com o combate às alterações climáticas, é preciso aceitar os termos da discussão definidos pelo "fanatismo ultra-ecológico da esquerda" quando, na realidade, a generalidade do discurso ambiental dominante é simples pensamento mágico." (HPS)


"E depois estranham que o nacionalismo e o anti-europeísmo vá ganhando força, à medida que as pessoas comuns se sentem defraudadas por esta gente." (HPS)


Ora nem mais. 


Muito embora o "fanatismo ultra-ecológico", segundo a PM italiana e de acordo com Cátia Bruno, não seja monopólio da esquerda, seja lá o que isso for. Eu diria antes que, no que se refere a alterações climáticas, no sentido de serem causadas pelas emissões de origem humana de CO2, se trata de crença, superstição, sinalização de virtude, ignorância, activismo e wokismo.  Tudo fenómenos transversais ao actual mundo ocidental dominado pela propaganda incessantemente repetida pela indústria noticiosa (vd. Propaganda, E. Bernays, 1928) e onde se assiste a um recrudescer das pulsões totalitárias que o assolaram há quase 100 anos atrás.


Convém aqui sublinhar que "All dictatorships are always in the name of the good and never present themselves as a dictatorship." (A. Soral) 


Ainda a propósito de clima e de alterações climáticas, não posso deixar de recomendar um recente documentário da autoria de Martin Durkin intitulado "Climate The Movie", disponível em https://vimeo.com/924719370.
E, já agora, também o documentário "Planet of the Humans", de 2019 e que estava disponível no YouTube. 


A quem ver estes documentários recomenda-se discrição, "low profile", jejum por vários dias, abstinência e, para os mais cristãos, a adequada confissão do pecado cometido - um pecado idêntico a colocar em causa um universo geocêntrico nos tempos de Galileu. A menos que não sofram de wokismo.  Aposto que Cátia Bruno e quejandos os considerará verdadeiros sacrilégios à luz da fé que professam. 



Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D