Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As elites e o povo

por henrique pereira dos santos, em 26.01.22

De repente, não mais que de repente, aparecem as coisas habituais "das pessoas do Porto" sobre como Rio era horrível, tiranete e detestado (o editorial de Manuel Carvalho no Público de hoje é inacreditável).

O mesmo aconteceu com Margaret Thatcher (a outra escala, evidentemente, não estou a comparar Rio a Thatcher, estou a comparar a conversa amarga dos seus inimigos políticos) e, em Portugal, o clássico é Cavaco Silva ("não é exemplo para ninguém", como disse Costa, convencido de que estava verdadeiramente a exprimir um consenso generalizado no país, apesar de ser o político com mais maiorias absolutas no país).

Nada me liga a Rui Rio, por quem não tenho qualquer especial afeição, mas continua a parecer-me estúpido que haja tanta gente que pretende explicar aos que não são do Porto como Rio era um nazizinho detestado no Porto: o homem ganhou três eleições e não me consta que nenhuma delas tenha sido fraudulenta.

Há uma quantidade enorme de gente, com acesso aos jornais, televisões e salões da gente "bom genre, bon chic" que conta no país (acham eles) que na verdade se está nas tintas para o que pensam as pessoas comuns, apesar de estarem sempre a falar em seu nome (como eu gostava de um dia ouvir um jornalista perguntar a Catarina Martins por que razão fala em nome do povo quando não vale mais de 10% dos votos desse povo) e que, por isso, acham Rio (como antes Cavaco, ou Trump, ou Bolsonaro) completamente imprestáveis para o exercício do poder, apesar de ganharem eleições.

Vejamos, eu acho Costa um péssimo primeiro ministro, um tiranete sorridente, desde que não contrariado, mas se no Domingo ganhar as eleições a única conclusão que eu posso tirar sobre isso é que não estou alinhado com a maioria dos eleitores.

Não é por ter a opinião que tenho sobre Costa que vou tentar demonstrar que as pessoas que votam nele têm qualquer deficiência congénita que as impede de ter o voto esclarecido que me pareceria evidente e, muito menos, tentar demonstrar que o homem é detestado no país e, mesmo assm, ganha eleições.

As elites, pelo menos em Portugal, têm uma enorme dificuldade em lidar com as derrotas, aceitando-as como aquilo que são e vivendo tranquilamente com o facto de na vida se perder e ganhar, a maior parte das vezes por responsabilidade própria, outras vezes pelas circunstâncias.

É a vida.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De JPT a 26.01.2022 às 10:04

1.568.168 portugueses votaram no "Engenheiro" Sócrates em 2011, e não tenho quaisquer  dúvidas que, muito deles, votariam outra vez (até porque conheço alguns). Pelo menos esses (os que estão vivos) tenho direito a defender que padecem de uma qualquer "deficiência congénita" ética e/ou cognitiva.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2022 às 18:13

"os que estão vivos".
Tem a certeza de que não queria dizer... viúv@s ? 
Sem imagem de perfil

De Carlos a 26.01.2022 às 13:00

Também fiquei espantado com o editorial do Manuel Carvalho, no Público de hoje. Se calhar o Carvalho, ao tempo no início da sua carreira de jornalista, teve algum desaguisado com o Rio, no tempo em que foi presidente da Câmara do Porto, que alcançou ,pelos votos dos portistas (que não do FCP) contra as hostes socialistas e a opinião então publicada. Ou isso ou uma dependência do PS quie eu nunca vislumbrei...
Sem imagem de perfil

De anónimo a 26.01.2022 às 15:13


"...(como eu gostava de um dia ouvir um jornalista perguntar a Catarina Martins por que razão fala em nome do povo quando não vale mais de 10% dos votos desse povo)...".

Catarina Mendes representa o povo?. Que se saiba nunca essa Sra. teve o nome dela num boletim de voto.

Além de que a facção em que ela se insere, dentro de aquele partido, é apenas um grupinho, o do A. Costa. Correcto será afirmar que representa A. Costa. Mais nada. E mais precisamente representa uma mãozinha, cujo conteúdo é um difuso grupo de personagem cujo comportamente público até tem sido, amiúde, muito discutível.
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 26.01.2022 às 16:44

Com tantos atropelamentos aos códigos de condução e de conduta, é forçoso que
seja atribuído a Costa um rotundo chumbo no repetido e inconsequente exame de aptidão
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2022 às 17:08

 "aparecem as coisas habituais "das pessoas do Porto" sobre como Rio era horrível, tiranete e detestado".


GANHOU 3 eleições. 
Não se conhecem corrupções na Câmara do Porto durante os seus mandatos.
Contas certas.
Acabou com as promiscuidades tutebolísticas,  extirpou vícios enquistados e incomodou outros "poderes" sacrossantos e esses, nada fáceis de remover, foi preciso ter muita firmeza e coragem; mas enfrentou-os com inflexibilidade. Detestado? Por alguns, sem dúvida! E como não?!
Limpou as dívidas da Câmara, e são lendários os pagamentos a  fornecedores (quase) a pronto, num espaço nunca superior a 30 dias. Nunca se tinha visto nada assim. (O executivo anterior tinha deixado empresas em pré-falência, por dívidas astronómicas acumuladas. que a Câmara não saldava).
Teimoso? Evidentemente! Diria antes, obstinado.
Tornou-se um símbolo de credibilidade e honestidade.


A esquerda não perdoa, acha-se usurpada do seu direito "natural", investido por poder divino (!) 
O "resto", a populaça abominável que nem votar "em termos" sabe,  sem direito de cidade, deve apenas rastejar a seus pés, e espojar-se agradecida por poder respirar o mesmo ar dos senhores.
Do invertebrado, do dito jornal, não me ocorre dizer nada. Talvez... que ele saliva muito.


 
Sem imagem de perfil

De maria a 26.01.2022 às 18:43

Costa Inundou o país com pelo menos 40.000 funcionários públicos com o objectivo de poder. Por isso o desemprego baixou.
Propagandista e especialista em prometer até 2050. Mente quanto baste.
Sem imagem de perfil

De Carlos Guerreiro a 28.01.2022 às 08:41

A Catarina fala "em nome do povo" com 10% dos votos (não do povo) porque para a esquerda radical, o seu poder não vem do voto expresso em "eleições burguesas" mas do carácter revolucionário do grupelho a que pertencem. Isto é o que é perigoso com esta gente, e o be e o pcp tinham juntos cerca de 20% dos deputados. Os bolcheviques de Lenine tinham pouco mais de 15% quando fizeram a "revolução" (golpe de estado contra o poder democrático) de Outubro.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucklucky

    "Parece-me que a história é, por definição, o pont...

  • lucklucky

    E como digo desde há anos: Fujam de Lisboa, fujam....

  • Elvimonte

    (continuação)Smith, J.D. et al. (2016) “Effectiven...

  • Elvimonte

    (continuação)Radonovich, L.J. et al. (2019) “N95 R...

  • Elvimonte

    "Have you ever wondered who's pulling the strings?...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D