Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As barragens e os amigos de Catarina

por henrique pereira dos santos, em 08.09.19

Por esta altura já toda a gente terá sabido que Catarina Martins, naquela sua forma de largar torrentes de palavras tenuemente ligadas por uns restos de lógica formal, disse que haver evaporação nas barragens era um grande problema que estaria a fazer o país perder água (de caminho sugeriu a naturalização dos rios para resolver o problema, provavelmente sem se lembrar da tremenda evapotranspiração das superfícies cobertas de plantas).

Quem viu a declaração deve ter visto que Catarina Martins, ela própria, no momento, percebeu que disse qualquer coisa estranha e devo dizer que não me faz confusão nenhuma que alguém tenha um deslize monumental em qualquer altura. Pode-se brincar com assunto, tenho visto umas boas piadas e muito mais más piadas sobre o assunto, e em condições normais não passaria disto, um assunto sem grande assunto.

O que acho deprimente é a quantidade de amigos de Catarina que em vez de se limitarem a encolher os ombros, rir-se, dizer que realmente foi um grande disparate, mas pode acontecer a qualquer um, se desdobraram a tentar demonstrar que Catarina tinha razão, é verdade sim senhora que há evaporação nas barragens e há até abundante literatura científica sobre o assunto, o que demonstra que é um assunto relevante.

Claro que é um assunto relevante do ponto de vista da gestão das barragens e da avaliação do seu potencial uso (a água que se evapora a partir da albufeira, por definição, não pode ser usada para os fins que justificaram a barragem), mas simplesmente não foi nada disso que Catarina disse, o que disse é que isso é um problema porque faz o país perder água, o que não aconteceria sem as barragens e, isso sim, é uma tolice.

Ora, na verdade, o que estes amigos de Catarina são é uns grandes amigos de Peniche, os que forem verdadeiramente amigos dela não tentam defender o indefensável com argumentos entre o pueril e o desonesto, os que forem verdadeiramente amigos dela irão ter com ela, rir-se, dar-lhe umas palmadas nas costas, dizer-lhe que realmente é chato quando se diz um disparate destes para largas audiências, mas o melhor é esquecer o assunto e vamos lá beber um copo, como a outra senhora que dizia frequentemente ao marido que, sendo impossível deixar de fazer tantas gafes, pelo menos não as tentasse corrigir.

E nada disto teria a menor importância se não fosse o facto de este comportamento de fidelidade canina estar tão entranhadamente presente na esquerda actual: o que quer que seja o que seja dito pelos nossos, é preciso defender o que foi dito, não porque seja verdade ou mentira, certo ou errado, mas porque é dito pelos nossos.

Não admira por isso que a esquerda vá governando cada vez pior, porque lhe vai faltando a lucidez e o rigor da crítica interna: aparentemente, talvez com razão, esta esquerda acha que, para este eleitorado, bacalhau basta.

Autoria e outros dados (tags, etc)



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.09.2019 às 15:29


Henrique Pereira dos Santos,
de novo muito bem: simples, directo e verdadeiro.
abraço do
ao
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.09.2019 às 09:14

nunca os dirigentes actuais falam de  
DESENVOLVIMENTO DA PEDOLOGIA E DA FERTILIDADE DO SOLO 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.09.2019 às 11:07

Catarina, Catarina, se não existisses tinham de ser inventada... Como pode haver neste pobre país tanto idiota útil que vai na tua mentirosa e ardilosa converseta?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.09.2019 às 11:49


Sem dúvida HPS. Analizando a forma -ignorando o conteúdo- do discuro político de Catarina Martins, há por ali algo de semelhente com o estilo da recém-famosa Greta, a das tranças, a que discursa catatonicamente sobre o que leu ... sem olhar para a reação que provoca em quem, mesmerizado ou atónito com tanto convencido desplante, a houve.


Em contraste, alguém como Rui Rio -que em coerência nem gostou, nem gostará, de ser deputado NESTE, desenho constitucional de, Parlamento, mas que lá terá que ir- mal comparado, parece ter falta de confiança em si e no seu projecto político.
Apenas a diferença entre quem papagueia e quem responsavelmente pensa e age em conformidade.

O eleitorado deveria cultivar o poder de observação. É que recorrem à actividade política curiosos personagens.

Muitos lutam apenas consigo mesmo, atravéz de outrem.

Muitos que andam por aí, tiveram émulos, dignos predecessores.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 09.09.2019 às 17:16

Não podemos esquecer "aquela" dos lagartos voarem mas... baixinho.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • António

    Portugal está cheio de Salazarinhos.

  • Anónimo

    Presumo que a medida não se aplica aos bovinos mac...

  • Anónimo

    ..." Mas não nos acontece, tal como o filho mais v...

  • Anónimo

    Este andaço para pouparem a vida dos animais é dev...

  • Anónimo

    Modas e vontade de ficar bem na fotografia...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D