Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ambição, incompetência e cumplicidade

por Vasco M. Rosa, em 17.04.14

Há uma máxima no bom jornalismo brasileiro: a ficção jamais supera a realidade.

Pensei nisso, agora que li que a taça da liga dos campeões vai passear de eléctrico por Lisboa — os mesmos eléctricos em que turistas em pé, comprimidos em lata, sacodem ao longo dum percurso que não avistam e pelo qual pagam um bilhete de quase 3 € ! —, vai aos pastéis de belém e talvez ao pastel de bacalhau, mas AC e a sra. vereadora de cultura hão de estar felizes, porque isso é uma maneira que eles lá têm de acreditar que fazem algo que preste.

Enquanto isso, a remodelação do palácio Galveias como biblioteca (um erro) serve para gastar 15 milhões, quando qualquer bibliotecário lhes diria que um edifício de raiz e funcional custaria bem menos; mesmo quando a hemeroteca foi fechada para venda dum palacete degradado há duas décadas, e a sua instalação num pavilhão desportivo ser uma solução burra e sem fim à vista (um ano pelo menos de atraso sobre o prometido!!); o vereador Salgado diz que é importantíssimo criar uma residência de estudantes no Intendente, para o que se destinam logo dezenas de milhões; mas quando um dos melhores legados de João Soares, o centro de estudos olisiponenses (numa casa de brasileiro na estrada de Benfica) fica durante semanas com a tela da entrada estropiada por um temporal, sem ser reposta (embora, se se tratasse da fachada dum privado, em dois dias haveria de estar no seu devido lugar, sinal de inépcia e de indiferência que assusta!), somos capazes de pensar que não há gestão que garanta 100 € de tela microperfurada... — para já não falar, mas falaremos, da almofada de silêncio e CUMPLICIDADE com que conseguiram abafar o escândalo de Inês Pedrosa, que na Casa Fernando Pessoa fez o que se provou e talvez muito mais que importaria ter apurado, em defesa da respeitabilidade da própria autarquia. Esperam que tudo se esqueça, que tudo passe, para que as moscas fiquem as mesmas...

Como se não bastasse, António Costa quer mandar nos transportes de Lisboa, sem que alguém lhe pergunte como espera poder fazê-lo se nem o estado das vias consegue gerir com a dignidade que a carga tributária paga e exige. A segurança, a comodidade, a normalidade do trânsito, a higiene, são miragens em Lisboa, problemas crónicos, patológicos, mas o presidente deidica-se a delírios, quer ir além dos seus braços, quer dar passos maiores que as suas pernas, talvez para que assim possa convencer que está tudo bem e ele tem margem para ir mais além.

Está tudo mal.




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Carlos Sousa

    E pegando nalgumas palavras do primeiro-ministro, ...

  • Anónimo

    caro senhornestes tempos aburguesados e politicame...

  • Anónimo

    Caro Senhor"Apesar dos frequentes casos de corrupç...

  • Carlos Sousa

    O que me está a causar apreensão não é a DGS fazer...

  • Albino Manuel

    A monarquia espanhola vai aguentar. Derrubá-la é c...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D