Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Alvo móvel

por henrique pereira dos santos, em 08.07.20

Ao princípio era a expansão exponencial.

Quando se verificou que a expansão exponencial, por definição, não dura muito, era a mortalidade.

Quando se verificou que a mortalidade poderia ter picos, mas de maneira geral ficava dentro dos padrões normais de mortalidade, era a quebra absoluta de cadeias de contágio.

À medida que a ideia de ir à procura do vírus e não dos doentes se revela uma fantasia infantil, são as sequelas.

Quando se verifica que as sequelas não são específicas desta doença, mas resultantes dos estados clínicos por que passaram, e que se verificam em muitas outras doenças, passaram a ser os países dromedários (os tais bons exemplos que agora têm aumentos de testes positivos, às vezes acompanhados de aumentos de mortalidade marginal, situação deste o princípio descrita como possível pela teoria).

Seja o que for, vai sempre haver uma argumentação que a incerteza e o medo trazem para manter a pressão moral sobre a necessidade de adoptar medidas socialmente desastrosas sem necessidade de as fundamentar em mais que num enunciado vago do princípio da precaução ou da preparação para o pior cenário.

O que vai a par com a mais completa ausência de empatia para com as outras vítimas de uma epidemia: os que perdem empresas, rendimentos, mercados, apoio social, cuidados de saúde, etc..

Grande parte destas vítimas são inevitáveis: o medo é inerente à evolução de uma epidemia e gera comportamentos sociais que estão abundantemente descritos na literatura, ao ponto das mães abandonarem os filhos com medo do que lhes possa suceder (não com a covid, cuja perigosidade ninguém confunde com a percepção do perigo da peste negra medieval, por exemplo, por mais que a retórica abuse do catastrofismo).

E esse medo tem consequências no comportamento social e económico das pessoas, quaisquer que sejam as regras aplicáveis em cada sítio e momento.

É por isso que todo o discurso precaucionista sobre a epidemia que não seja prudente em relação aos efeitos do medo nas pessoas comuns é um discurso moralmente miserável e tem o efeito de ampliar a perda de confiança das pessoas na sua relação com o próximo.

Eu posso ter medo e agir de acordo com isso, o Governo, a DGS, a OMS e a generalidade das instituições simplesmente não têm o direito de agir por pressão do medo das pessoas comuns, têm a obrigação de ser muito claros nos riscos, com certeza, mas incluindo os riscos da sobrevalorização da doença face aos outros riscos sociais com que estamos confrontados.

A forma como em Portugal se têm tratado as escolas e o ensino é talvez o exemplo mais evidente de como o cálculo político para evitar o confronto com os professores e respectivos sindicatos vai ser pago por todo a gente, incluindo os professores e o sistema de saúde, por um preço incalculável mas seguramente muito mais alto que o preço a pagar com uma gestão corajosa da epidemia.

Nesta matéria, inegavelmente, António Costa não tem perdão. Pode dizer-se, e é verdade, que foi apenas atrás da opinião pública, mas há alturas em que um governante tem a obrigação de sacrificar o seu futuro político às necessidades sociais das pessoas comuns.

António Costa demonstrou, nesta matéria, não ser um político de excepção, mas apenas um rolha politicamente descendente de Costa Gomes, com a diferença de que não existem condições para impedir a corrosão social daí decorrente, como houve no tempo de Costa Gomes.

Adenda, o artigo de hoje de Fernando Alexandre explica de forma clara a alhada em que estamos metidos e como ter um governo timorato nos vai sair muito caro.



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.07.2020 às 11:27

Excelente post, dos melhores que o HPS tem assinado.
Concordo a 100%.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.07.2020 às 11:49

Se o Henrique souber como são as escolas portuguesas, saberá que nelas temos, frequentemente, professores a gritar para os alunos e alunos a gritar entre si a para os professores.
É fácil de prever que, num tal ambiente de tantos gritos, o vírus se espalhará com facilidade.
Isso não tem problema nenhum para os alunos. Mas o corpo docente, como o Henrique saberá, é em grande parte idoso. Agora suponhamos que os professores começam a adoecer, mesmo que sem grande gravidade e mesmo que recuperem passados poucos dias ou semanas, isso trará grande instabilidade à atividade letiva, com professores a faltar, a lecionação da matéria que é interrompida, coisas assim.
Pior do que uma escola que funciona online é uma escola que funciona aos soluços, isto é, num dia os alunos têm aula e no dia seguinte já não têm porque o professor adoeceu.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.07.2020 às 14:04

adoecem  médicos e enfermeiros, presidentes das cãibras ....
Sem imagem de perfil

De pitosga a 08.07.2020 às 14:19


Cá está o seu conhecido a gastar o (abusar do) nosso tempo.
HPS, o senhor ficou conhecido como sabedor dos fogos e da natureza. Há uns meses que sobressai que o que aprecia é a Verdade.
Por isto escrevo para o felicitar.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 08.07.2020 às 15:05


Só para se 'sentir' os miseráveis humanos que andam por aí. Em todo o lado, infelizmente.

Vejam-se os títulos das notícias acerca de Bolsonaro. São reles!
Falam das suas opções políticas e nada mencionam sobre a sua doença/saúde.
Até um jornaleiro no Brasil foi arguido por escrever que seria bom que o homem morresse (nada contra ele...)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.07.2020 às 17:25


Há claramente uma insistência no discurso catastrofista, ao ponto de se explorar dados de modo enviesado, como na Visão.
https://visao.sapo.pt/visaosaude/2020-06-04-de-que-se-morre-no-mundo-a-comparacao-das-mortes-por-covid-com-as-outras-principais-causas/ (https://visao.sapo.pt/visaosaude/2020-06-04-de-que-se-morre-no-mundo-a-comparacao-das-mortes-por-covid-com-as-outras-principais-causas/)
Não há doenças oncológicas, nem cardiovasculares. Só algumas causas que se sabem contabilizam menos pessoas e que, por isso, se ajustam à retórica.



Cumprimentos,
Liliana
Sem imagem de perfil

De Susana V a 08.07.2020 às 17:54

Desde o princípio António Costa mostrou ser um escalador oportunista.  
E não tem desiludido. A forma como apeou Seguro, geringonça para tomar o poder, os fogos de 2017, o caso Tancos e agora a Covid. 
O seu único objectivo é tentar safar a pele. E o mais extraordinário é que tem conseguido.
Não estaríamos à espera que agora se revelasse um Churchill pois não?!...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.07.2020 às 18:56

Caro Senhor
Em 75 dizia-se " nem mais um homem para o ultramar" : não foram, e por causa disso morreram milhões em áfrica, e centenas de milhares ficaram com as suas vidas desfeitas.
em 2020 diz-se " nem um só morto com Covid": não acontecerá, mas por causa dessa idiotice o sofrimento e mortes que a crise económica irá provocar está acima de qualquer capacidade de previsão.
Têm havido comidinha e ainda há dinheiro ( para a maioria); mas ele irá começar a escassear cada vez para mais gente, e então, mesmo que a haja, não haverá dinheiro para a comprar. 
!Continuem assim: até à derrota final!


Vasco Silveira
Sem imagem de perfil

De voza0db a 08.07.2020 às 20:37


Sugiro uma imagem com um belo gráfico



https://i.postimg.cc/tJ3bygck/Covid-deaths-June-20-cenario.png


para que as letras não provoquem a ofuscação da Realidade!

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Carlos Sousa

    E pegando nalgumas palavras do primeiro-ministro, ...

  • Anónimo

    caro senhornestes tempos aburguesados e politicame...

  • Anónimo

    Caro Senhor"Apesar dos frequentes casos de corrupç...

  • Carlos Sousa

    O que me está a causar apreensão não é a DGS fazer...

  • Albino Manuel

    A monarquia espanhola vai aguentar. Derrubá-la é c...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D