Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Afinal, as sondagens sempre valem o que valem

por Duarte Calvão, em 05.10.21

Rebanho.jpg

As autárquicas provocaram um debate sobre a validade das sondagens absolutamente delirante. Comentadores, analistas, jornalistas, políticos sublinham que elas são “retratos do momento” e não “previsões”, acusam de “iliteracia” quem as leva a sério e salientam as suas insuficiências: amostras erradas, respostas pouco sinceras, gente que já nem tem telefone fixo, gente que não abre a porta quando o inquérito é presencial, impossibilidade de medir a abstenção, falta de recursos das empresas de sondagens e por aí fora. Mas, e aqui reside o delírio destes especialistas, quem lhes manda continuar a basear as suas análises políticas (como ainda na noite das autárquicas se viu em relação às sondagens para as legislativas) nestas sondagens que afinal são de tão pouca valia, tão falíveis, decretando quem está “garantido”, quem “não tem hipóteses”, quem está “a crescer”, quem está “em queda”?

 

Para o delírio ser completo, consideram que estas opiniões não influenciam em nada quem os ouve e lê, como se em Portugal (e provavelmente em muitos outros países) não houvesse eleitores que avaliam a qualidade dos políticos pela sua capacidade de ganhar, que querem afastar os que parecem estar condenados a perder, que gostam de se colar a vencedores, que morrem de medo de estar associados a derrotados. Temia que um dia cairia na tentação de me citar a mim mesmo e esse dia vai ser hoje, transcrevendo um texto que escrevi na minha página no Facebook a 30 de Abril deste ano:

 

“Pós-graduações em conceituadas universidades europeias desabam perante 806 entrevistas telefónicas. Raposas felpudas do jornalismo político derretem com subidas ou quedas de 0,5%. Senadores do comentário empalidecem com margens de erro de 3,5%. Por cá, as sondagens são o alfa e o ómega da análise política. Para quem está bem nelas, tudo se justifica. Já para quem está mal, tudo é erro - quando se calam e quando falam -, tudo merece desprezo e troça. Claro que as interpretações das sondagens requerem bons actores, capazes de disfarçar a banalidade da “análise” – e, muitas vezes, a parcialidade – com ares de quem só eles conseguem compreender essa informação preciosa, essa explicação do mundo da política que partilham com “spin doctors” que no fundo invejam. Se as urnas vierem a desmentir as amostras, como tantas vezes se verifica, vamos em frente, nada acontece, ninguém perde a face, na próxima sondagem quem se lembrará? E a “opinião pública” dança ao som desta música porque, num país pequeno e pobre, apostar no cavalo errado é considerado sinal de pouca esperteza.”

 
Nota: texto baseado no publicado a 28 de Setembro na minha página no Facebook



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.10.2021 às 09:45

quem compra sondagem indica o resultado
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 05.10.2021 às 13:25


Segundo a bitola que vários comentadores defendem nunca será possível dizer que uma sondagem falhou. 
Deixaram de ser falsificáveis...



Yes Prime Minister

https://www.youtube.com/watch?v=G0ZZJXw4MTA
Sem imagem de perfil

De pitosga a 05.10.2021 às 14:39


Duarte Calvão,
Um texto vago e vazio. Eu escrevo o que sinto e aceito que o Senhor faça o mesmo.
E termina em funeral com o FB.
Perdoe, se puder.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.10.2021 às 15:03

As sondagens podem ser de grande utilidade caso não sejam manipuladas por marginais...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Nuno

    Pelo menos foi honesto quando disse que não contas...

  • Anónimo

    Compete ao Estado zelar por nós, dizem. Mas, e se ...

  • Anónimo

    Tempos difíceis se aproximam e o Costa põe o corpi...

  • Anónimo

    https://blasfemias.net/2021/10/26/vai-se-a-ver-a-c...

  • Anónimo

    Subscrevo. Um período de má memória que vai deixar...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D