Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A TAP , o Estado e o PS: humilhados e desesperados

por Jose Miguel Roque Martins, em 01.07.20

Há uns meses, escrevi um post sobre Neelman. Vaticinava a possibilidade de que pudesse perder o seu investimento. Estava muito mal informado. Não sabia ( nem imaginava como possível) que o governo PS, lhe tinha concedido aos privados, em troca da sua posição na TAP, para todos os efeitos, uma garantia de proteção do seu investimento. Num completamente incompreensível acordo, garantiu no caso de nacionalização da TAP, a possibilidade de reembolso do dinheiro investido pelos privados: um absurdo completo.

Se não o tivesse feito, apenas para cumprir uma promessa eleitoral já de si estúpida, neste momento, o Estado, teria todo o poder do mundo: os privados estariam na mão de quem os pudesse ajudar, sob risco de perderem irreversivelmente todo o seu investimento, numa falência ou nacionalização. Uma demonstração clara do que acontece quando o Estado decide subverter as regras de mercado.

À absolutamente idiota concessão inicial, juntou um discurso musculado em defesa da TAP e contra os privados, sem qualquer poder real. Neste momento, os privados só perdem se a TAP for á falência. O que sabem ser o ultimo cenário desejado pelo Estado.

E agora?

Ou o Estado deixa a TAP falir e assume o dito por não dito, com custos políticos enormes;

Ou o Estado cede na sua luta com Neelman,  assumindo uma humilhação publica; 

Ou o Estado Nacionaliza, assumindo um humilhante pagamento aos privados e a completa inabilidade para aventuras em empresas . E suporta o ónus adicional de uma restruturação com despedimentos inevitáveis; 

Ou, o mais provável, o Estado vai arranjar uns testas de ferro, para comprarem a posição de Neelman ( provavelmente por valor superior) , a serem compensados de forma “invisível”, para tentar mascarar a sua total incompetência.

Pior, nem podem invocar uma pesada herança de um governo anterior: tudo terá que ser assumido pelo governo PS: a reversão da nacionalização mal feita e o futuro da TAP. Um pesadelo mediático, um enorme prejuízo para Portugal. Neelman corta duas orelhas e um rabo e sai sempre em ombros!

 

PS: As intervenções publicas no privado são por norma um desastre. A TAP é apenas mais um exemplo.


3 comentários

Sem imagem de perfil

De The Mole a 01.07.2020 às 15:11


Um pesadelo mediático? Só se houvesse jornalismo neste país.


Devia ser, mas aposto que ninguém vai "reparar" nesses "pormenores"...


Quantos potenciais "pesadelos mediáticos" teve o Costa? Dou umas pistas: Fogos, Tancos, Negociatas... etc. etc. etc.! Ninguém pega nestes assuntos a sério nos média.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.07.2020 às 19:30

tem razão: distrai-me quanto á nossa realidade! 
Sem imagem de perfil

De voza0db a 01.07.2020 às 20:55


Como já escrevi noutro artigo sobre este mesmo tema... O ideal é deixar falir a TAP.
Ficamos só com alguns aviões que pintamos com as cores da Farsa Aérea (já que levaram com os helis para os incêndios também podem levar com estes aparelhos para transporte de gado devidamente mascarado é claro!) e começamos a fazer umas pontes mensais entre uns países!


É da maneira de deixamos de andar a sustentar salafrários e corruptos...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucklucky

    Com o jornalismo que existe no ocidente é inevitáv...

  • lucklucky

    Break even é zona depressão.

  • Anonimo

    Não dá para sair com break even?

  • Anonimo

    Esquerda e direita. Os extremos woke. Os que dizem...

  • Anonimo

    Ou se calhar era uma questão de tecnologia. Não de...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D