Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A semana 19 (fim)

por henrique pereira dos santos, em 14.05.20

Porque a única maneira de verificar se uma visão do futuro estava certa ou errada é verificá-la no futuro, olhemos então para a famosa semana 19 (usando o Euromomo), agora que já existem os dados reais (ainda provisórios, como convém frisar).

semana 19.jpg

O primeiro comentário é sobre o carácter provisório dos dados: é verdade que de semana a semana há variações naquela parte a amarelo, mas não têm sido variações por aí além.

O segundo comentário é que o pico de mortalidade excessiva foi nas semanas 14 e 15, e a quase entrada na normalidade na semana 19.

Diferenças em relação à visão do que deveria acontecer prendem-se com o carácter tardio do pico, nas semanas 14 e 15, em vez da ser até à semana 12. Isto pode dever-se às características clinicas da doença, em que a morte sobrevém a partir de quinze dias da infecção (mais ou menos), mas também pode ser simplesmente a entrada em cena tardia do vírus que nos permitiu ter um surto intenso, mas relativamente curto.

Em qualquer caso, um desfasamento de uma semana, no máximo duas, para a definitiva entrada na mortalidade esperada. Veremos nas próximas semanas se se confirma.

semana 19 2.jpg

Olhando agora para o conjunto dos último quatro anos, o que se verifica é um pico acentuado - cerca de 16 mil mortos a mais em relação à semana do pico de 2017 - sem que seja evidente que a mortalidade excessiva de toda a época será muito maior no pico da covid.

O "quase fechado" resulta de haver dois países ainda com mortalidade claramente excessiva (há mais dois ou três com alguma mortalidade excessiva, mas nada de especial), uma moderada, na Suécia, e outra mais acentuada em Inglaterra (não no resto do Reino Unido), que impedem que, no conjunto, a Europa já tenha entrado claramente na mortalidade normal.

Se a Suécia já estava claramente a mergulhar no sentido da normalidade na semana passada, sobre a Inglaterra havia mais dúvidas, que desaparecem com os dados desta semana: está também a mergulhar rapidamente para a mortalidade esperada.

Hoje há bastantes notícias sobre o estudo serológico em Espanha (ver aqui), que aponta para uma média de 5% da população que terá contactado com o vírus (dez vezes mais que os casos confirmados, mais coisa, menos coisa). Mais uma vez, as diferenças regionais são muito grandes e há zonas acima dos 10%, como nas zonas mais afectadas.

Independentemente das discussões sobre qual é o nível de imunidade de grupo que garante a inexistência de surtos, os 5% de contacto com o vírus e, em especial, os 10% das zonas mais afectadas, são boas notícias: a haver novos surtos, provavelmente no próximo Inverno (não há qualquer indício de que esteja a haver segundos surtos nos países que têm estado a desconfinar), estes níveis de pessoas com alguma imunidade (será preciso verificar se a imunidade se mantém e por quanto tempo, mas nos outros corona mais estudados o que se tem verificado são imunidades de um ano ou mais) devem ser suficientes para aumentar a heterogeneidade e, com isso, limitar muito a capacidade da infecção se propagar de forma tão rápida e extensa como o fez este ano.

Se a isso se somar a hipótese, mais que razoável, de que os mais susceptíveis e mais frágeis foram os mais afectados este ano (como é normal que aconteça numa doença nova), é perfeitamente razoável admitir que os novos surtos estejam dentro do que pode ser encaixado pelos serviços de saúde.

Continuará a haver casos, continuará a morrer gente, mas "a vida é uma doença sexualmente transmissível, sempre fatal", não há risco zero nem faz sentido definir políticas que tenham como objectivo atingir um risco zero, seja no que for.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.05.2020 às 16:12

nunca mencionam os mortos colaterais que não se puderam tratar
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 14.05.2020 às 17:55

a morte sobrevém a partir de quinze dias da infecção (mais ou menos)

O escritor Luis Sepúlveda morreu em Espanha 7 ou 8 semanas após ter sido infetado.

Eu diria que a covid provoca mortes muitas (não somente duas) semanas após a infeção, pelo que me parece razoável que a mortalidade excessiva se prolongue para além da semana 19.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 14.05.2020 às 18:00

é perfeitamente razoável admitir que os novos surtos estejam dentro do que pode ser encaixado pelos serviços de saúde

Eu diria que é perfeitamente razoável admitir que nem sequer venha a haver novos surtos.

Uma vez eliminado da circulação entre humanos, o vírus pode regressar às espécies animais nas quais passa normalmente o tempo, algures na China, e não voltar a regressar para a espécie humana.

Mais ou menos como o ébola, que já fez alguns surtos, mas que em geral não incomoda, pois passa o tempo somente nos macacos.

A gripe é uma doença que regressa todos os anos - embora sempre com vírus novos - mas a covid não é a gripe e nada nos diz que também vá regressar todos os anos.
Perfil Facebook

De António Pires a 14.05.2020 às 19:54

Há uma diferença muito grande entre a epidemia de covid e as epidemias de gripe que todos os anos, de forma regular, são responsáveis pelo acréscimo de mortalidade no Outono-Inverno: com a gripe não tem havido quarentenas, mas com a covid houve. Isso significa que, ao sairem do confinamento em que estiveram, largas fracções da população que nunca tinham sido infectadas vão ser postas em contacto com o virus. É de esperar que o número de infectados aumente e, consequentemente, o número de internados.
O surto após confinamento irá depender essencialmente da fracção de infectados na altura da quarentena. Quanto mais tardia a quarentena, maior o número de infectados e maior o número de internados, mas menor o surto posterior e vice-versa.
 É possível que resida aqui a justificação para as assimetrias observadas em Itália. Quando o governo Italiano decretou a quarentena, foi encontrar as epidemias das diferentes regiões em fases diferentes das respectivas evoluções, donde os resultados tão discrepantes.
Reparem nos dados apresentados pelo Observador na estatística do número de internados. É onde melhor se vê o crescimento brutal da epidemia de covid: em 9 dias o número de internados aumentou 5 vezes.
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 15.05.2020 às 11:19

Gostei de ouvir ontem o Pedro Simas na TVI explicando e acalmando a populaça medricas, apesar do "esforço" do pivot Alberto, para ele lhe dar "sangue".
Sem imagem de perfil

De marina a 16.05.2020 às 01:39

é evidente que isto está a chegar ao fim. e nunca teve a importância que lhe quiseram dar , basta olhar para a Índia.  é desesperante  ver como os merdia querem fazer render o peixe falando  duma hipotética segunda vaga , que , aposto , não vai haver. enfim , vivo no meio de idiotas ,  e eu que me adapto a quase tudo , a isso , infelizmente , não  me consigo adaptar , é um desconsolo brutal.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Elvimonte

    "Já agora quanto há Vit. D" Ah... Há de facto carê...

  • Anónimo

    O problema não está só nos "pivôs", nas suas forma...

  • voza0db

    Basta ver que para se entrar para uma faculdade de...

  • voza0db

    Pois...O engraçado é que em pleno século XXI ainda...

  • Anónimo

    Como não sou negacionista sobre a existência deste...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D