Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A rampa deslizante

por henrique pereira dos santos, em 14.09.21

Tenho reparado que muita gente se indigna actualmente com um magistrado que é claramente excessivo com um polícia que está à sua frente a fazer o seu trabalho, mas não tenho ideia de tamanha indignação perante um magistrado - no caso e na altura, o mais alto magistrado da nação - se dirigir mal criadamente a um polícia dizendo-lhe para desaparecer porque não queremos polícias, quando o senhor estava apenas a ser diligente no seu trabalho (quando se indignarem pelo facto de ainda hoje não sabermos a velocidade a que ia o carro do Senhor Ministro Cabrita, lembrem-se bem da razão que deu origem a esta cena).

Tenho reparado na diligência da PSP, largamente apoiada por uma imprensa indignada com os "insultos de negacionistas" dirigidos a Ferro Rodrigues, ao remeter para o Ministério Público os factos sobre os quais nenhum dos intervenientes apresentou queixa. E tudo com largo apoio público, do mesmo público que há uns anos achava normal a Esquerda.net ter artigos a glorificar este tipo de intervenções.

Não, não vale a pena tentar explicar as diferenças entre um almoço privado e uma iniciatíva pública, nesse tempo, também havia esperas e insultos em situações claramente privadas (incluindo as esperas anuais em Manta Rota).

Esta progressiva delimitação da liberdade de expressão - estranhamente ouvi Paulo Ferreira, jornalista de que gosto bastante pela seu bom senso e ponderação, a defender que esse direito não inclui o direito ao insulto e é preciso haver limites - não é conjuntural e não se fica onde devia ficar, na censura social.

Hoje é notícia o facto da Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial ter instaurado um processo contra o manda-chuva do PSD do Seixal porque num cartaz resolveu pôr a fotografia de Mao Tsé Tung (eu sei que a moderna transcricção é Mao Zedong, mas gosto mais da antiga) e fazer uns comentários irónicos sobre o facto do Seixal ser localmente governado por comunistas há um ror de tempo. "A CICDR recebeu duas denúncias em relação ao cartaz. Segundo a comissão, a frase “Depois de 45 anos a comer arroz” é suscetível a “discriminar o povo chinês, sendo assim um ato xenófobo” e ainda “diminuidora da cultura chinesa”. A queixa diz ainda que o cartaz pretende diminuir “as dificuldades que os chineses passaram durante várias lutas e guerras que enfrentaram, o que os obrigou a subsistir com base no arroz”." diz o Expresso que diz uma Comissão que está oficialmente encarregada de policiar a expressão de terceiros.

Ou seja, temos uma comissão oficial a instaurar processos a candidatos eleitorais com base em opiniões mais que discutíveis (as da comissão, as do candidato, por definição, são discustíveis, por isso é que se fazem eleições).

E tudo com o apoio de uma imprensa cada vez mais confortável com a ideia de ordem e progresso e cada vez menos com a prática da liberdade.

PS: hoje, João Miguel Tavares tem um artigo sobre a vacinação das pessoas mais novas que eu subescreveria integralmente e é um excelente artigo (gostaria de o ter escrito). Com excepção da última frase que é excelente para explicar as minhas distâncias em relação aos mais moderados entre os que defendem que epidemias se gerem mais ou menos como esta tem sido gerida: "Até porque só assim podemos acabar com as temíveis variantes". A divergência parece pequena e está na substituição daquele "só assim" por "nem assim".



11 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 14.09.2021 às 10:26

Bom post. Concordo completamente.
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 14.09.2021 às 11:38

Plenamente de acordo.
É sempre a velha e estafada maneira da esquerda de ver as coisas:
Para os amigos tudo é válido, para os outros aplique-se a lei
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.09.2021 às 13:49

E por falar em vacinas:
https://visao.sapo.pt/atualidade/sociedade/2021-09-10-dados-divulgados-sobre-financiamentos-ao-laboratorio-de-wuhan-relacionam-fauci-o-niaid-e-a-ecohealth-alliance-com-a-criacao-do-novo-coronavirus/?amp= (https://visao.sapo.pt/atualidade/sociedade/2021-09-10-dados-divulgados-sobre-financiamentos-ao-laboratorio-de-wuhan-relacionam-fauci-o-niaid-e-a-ecohealth-alliance-com-a-criacao-do-novo-coronavirus/?amp=)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.09.2021 às 15:22

só é visível a trampa deslizante
Sem imagem de perfil

De pedro09 a 14.09.2021 às 19:54

muito bem...mal.
Se logo for noticia que um filho espancou o pai, nao faz mal, tambem o afonso henriques o fez e portugal sobreviveu - explicará  v/Exª. 
Na explicaçao nao esquecerá jurar a devoçao á liberdade, pois...á santa liberdade. 


Mas o que mais clarifica a essencia do seu raciocinio é justamente o incomodo com a imprensa livre. 
Pois é. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.09.2021 às 00:45

Imagino que D. Afonso Henriques depois da batalha de S. Mamede terá dirigido as seguintes palavras á sua mãe, Teresa de Leão: 
"Estás a ver, velha? Isto foi porque me deste tau-tau há dez anos só por eu não ter comido a sopinha toda". 
E ai se iniciou a longa tradição de "whataboutismo" que culminou neste post, curiosamente num blog monárquico.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 15.09.2021 às 11:03

Sem ler fica-se pederneira,
Agita-se a solidão cá no fundo,
Fica-se sentado à soleira,
A ouvir os ruídos do mundo,
E a entende-los à nossa maneira.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 14.09.2021 às 20:12

A Constituição diz que o regime caminha para o Socialismo por isso a Liberdade esteve sempre a prazo. A PSP e a comissão para a censura estão aí para o demonstrar. 


Note-se com jornalistas usam o termo "ataque" para definir o que aconteceu a Ferro Rodrigues.  Com assassinatos e vandalismo do BLM o termo empregue pelos jornalistas já eram "protestos"...


Para os mesmos jornalistas parece que só em 2021 pela primeira vez apareceram "insultos" contra o Poder em Portugal...


Na manipulação em vez de "apupos" temos "insultos" e em vez de "protestos" temos "ataques" quando os governos são de esquerda.
Notar ainda como a expressão "direito à indignação" desapareceu repentinamente do léxico dos jornalistas .
Sem imagem de perfil

De pedro09 a 15.09.2021 às 00:51

portanto chamar assassino a entidade publica  deve ser a palavra de ordem, o novo normal. 
Eu acabaria rapida e definitivamente com isso.  . Mas se quizerem fazer um pic nic num parque no meio do alentejo, ou mesmo alugarem um campo de touradas, tudo bem, até podem lá continuar sempre. 
Percebe-se que se trata de provocaçao, causar instabilidade pela instabilidade. 
Compreende-se que a policia nao ceda á provocaçao, mas que mereciam porradinha absoluta ,, sem duvida. 
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 15.09.2021 às 18:12

Deves ter descoberto que só agora é que se chamou assassino a um político em Portugal.   Sofreste uma bela lavagem cerebral.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.09.2021 às 18:45

É por essas e por outras que o meu voto vai ser de protesto.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Penso que não há qualquer vantagem em ter os minis...

  • Q Portugal

    Como se podem congratular com um "genocida" que an...

  • Anónimo

    João-Afonso Machado, sobretudo espero bem que o Al...

  • Anónimo

    Para se fazer a diferença e darmos um novo impulso...

  • Anónimo

    (cont.)A pergunta que se impõe: queremos continuar...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D