Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A pátria com figura humana

por João Távora, em 15.09.22

Rei Carlos.jpg

A esquerda radical, numa reacção pavloviana, reagiu poucos dias depois da morte da rainha Isabel II incomodada com o espectável dilúvio mediático resultante do acompanhamento das cerimónias fúnebres e de transição na monarquia – pena é que não tenhamos mais oportunidades de abordar o tema subjacente. Nesse sentido, são exemplos os artigos de Daniel Oliveira no Expresso e Carmo Afonso no Público que, vexados, verberam contra a forma de governo monárquica, desprezando o facto de os países onde o sistema vigora serem dos melhores exemplos de avanço democrático.

Carmo Afonso usa até uma abordagem original, congratulando-se com os azares dos monárquicos em Portugal, como com a expropriação dos bens da Casa de Bragança por Salazar, do “perfil humilde” e “discreto” do Duque de Bragança, não referindo a abolição da monarquia constitucional portuguesa e a instauração de uma república, ditatorial, violenta e sempre minoritária no apoio popular, pela força das armas, ou o cobarde assassinato do Rei Dom Carlos e do seu jovem filho o Príncipe Real dois anos antes, práticas políticas que a colunista por certo aprova.

Como os antigos jacobinos ou os soviéticos mais tarde, os dois colunistas acreditam profundamente que a natureza humana, onde ancora a atracção das pessoas pela instituição monárquica e os seus rituais, é moldável. A construção de um “homem novo” que “considere a existência de famílias reais uma afronta” é um idealismo perigoso que, estranhamente, no século XXI ainda seduz demasiados activistas da nossa praça. Como no final da monarquia em Portugal, são poucos, mas ruidosos.

Percebe-se como a morte de Isabel II tenha colocado na ordem do dia e inundado o espaço público com relatos, imagens e testemunhos insuspeitos sobre as qualidades do regime monárquico. Afinal a “rainha de Inglaterra” fez a diferença. Não sei se será surpresa para os progressistas constatarem que sempre que se mudaram os regimes à força, apesar do sangue derramado, não conseguiram mudar as mentalidades como tinham idealizado. Ao menos o sonho de John Lennon no seu castelo de marfim, ficou-se por uma bonita e inconsequente canção: continuarão a existir países, religiões, propriedade, paraíso e inferno… enquanto existirem pessoas. (...)

Continuar a ler aqui



35 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 15.09.2022 às 17:13

Realmente o regime monárquico tem muita qualidade, tem tanta qualidade que até vai despedir quase cem funcionários do palácio. 
Imagem de perfil

De João Távora a 15.09.2022 às 17:28

Oh Carlos, isso é que é análise política, da fina e profunda. Um pequeno esforço e vai a politólogo. 
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 15.09.2022 às 17:34

Se a análise é fina e profunda não sei, o que sei é que o despedimento de uma centena de trabalhadores através de um comunicado é sinónimo de um humanismo ímpar e capaz de envergonhar muitas republiquetas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.09.2022 às 22:46

Muito gosta você de se ficar pelos títulos e de não aprofundar nunca nada.
Você até invoca um comunicado que não leu no original.
Eles vão ser dispensados dali (como é evidente) e realocados noutros serviços, são "civil servants" e como tal a algum sítio dentro do "civil service" hão-de ír parar, isso não é um despedimento.
Além do mais V. mostra (como é habitual) falta de respeito por quem é mesmo despedido.
O que não lhes agrada é que - e isso é mais que compreensível - é que passarão para lugares com menos "pompa e circunstância".
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 17.09.2022 às 16:30

Realmente deve ser um trabalho de " pompa e circunstância " meter 2,5 cm de pasta de dentes numa escova para o senhor lavar os dentes. Um trabalho altamente qualificado que não está ao alcance de qualquer um. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.09.2022 às 21:41

Resposta à sua altura neste momento, nada que me espante.
O que me espanta é que você até fazia um número razoável de comentários muito acertados aí noutro sítio e, de repente o vazio.


Até o tipo que põe a pasta de dentes prefere decerto continuar a dizer que trabalha num palácio real (isso traz por aquelas bandas "pompa e circunstância") do que dizer que passou a ser porteiro ou amanuense algures num vago ministério, é um passar de cavalo para burro demasiado duro para alguém que teve algum estatuto, só quem tenha tido uma vida profissional triste e apagada não percebe algo de tão básico .
E sabendo que se ía livrar do "Carlinhos", que essa história é com ele, mais ainda.
Mesmo o tipo que punha a pasta na escova devia fazer mais qualquer coisita nas outras 7 horas e 55 minutos, não?



Acho que você conseguia há uns tempos fazer melhor do que "atirar bolas fora" com exemplos parvos porque generaliza aos outros 99 uma situação óbviamente completamente ridícula e que afecta uns minutinhos de um deles.



Mas era do "despedimento" invocado por si que falávamos.
Lembra-se? 
Se já se esqueceu,  o que é preocupante, vá ler mais acima


Tem algo a dizer sobre o que eu escrevi sobre isso?


Sem imagem de perfil

De passante a 16.09.2022 às 00:20

despedir quase cem funcionários


Isso não era o BE?


Mas calculo que se não fechasse a casa vazia a notícia era: "Novo monarca esbulha erário público mantendo dois palácios em funcionamento."



Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 16.09.2022 às 10:20

Realmente, um monarca que tem um empregado para lhe engomar os cordões dos sapatos e outro empregado para lhe meter a pasta na escova de dentes, não está a esbulhar o erário público. 
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 16.09.2022 às 11:49


Monarca tem empregado, republicano tem assessor.
Não engoma sapato, mas engoma o ego
Sem imagem de perfil

De Zé Manel Tonto a 20.09.2022 às 21:32

Sabe quanto custa um bilhete para entrar no Palácio de Buckingham? Sabe quanto custa um bilhete para entrar no Castelo de Windsor? Eu sei, que já fui aos dois, e não são baratos.

Já entrou nas lojas de qualquer um deles, e viu a quantidade de turistas estrangeiros a comprar recordações?

Falar de esbulhar o erário público na mesma frase em que se fala da monarquia britânica é de gente completamente sem noção da estupidez que está a dizer. A monarquia britânica dá lucro ao pís, ao contrário das presidências da república de sítios pindéricos como Portugal, que não geram dinheiro nem para manter as luzes da escada acesas
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.09.2022 às 13:29

O BE está falido. Não consta que Carlos III esteja falido.
Sem imagem de perfil

De Maria Viegas a 15.09.2022 às 17:28

Excelente texto!
Apesar de eu ter uma antipatia quase visceral pela Monarquia, fiquei rendida à sua argumentação.
Sem imagem de perfil

De balio a 15.09.2022 às 18:00


os países onde o sistema vigora serem dos melhores exemplos de avanço democrático


Os não, alguns. Há atualmente, e houve no passado, monarquias que nada tém ou tinham de democráticas.
Sem imagem de perfil

De Rui Figueiredo a 16.09.2022 às 00:16

Monarquia democrática, monarquia democrática ? assim de repente só consigo lembrar-me da Arábia Saudita
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 16.09.2022 às 07:17

Na Europa?
Sem imagem de perfil

De pitosga a 15.09.2022 às 18:06

O Dan e a sra têm mãe, seguramente. O Dan será sempre conhecido como o filho do pai.
Sem imagem de perfil

De entulho a 16.09.2022 às 10:36

na minha juventude chamava-se 'dor de corno'
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 16.09.2022 às 10:43


Não bate certo, por um lado as monarquias só são queridas pelo povo ignorante ou pelos nobres que acreditam na hirarquização.
Depois temos aqueles aqueles exemplos de Noruega e Dinamarca, tidos como países progressistas, económica e socialmente avançados e exemplos de justiça social e evolução nos costumes. Que são monarquias.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.09.2022 às 13:28

Os únicos países em que os monarcas tiveram algum bom senso e perceberam que ou cediam o poder ao povo ou ficavam sem cabeça. Ao contrário de Luís XVI, D. Carlos ou o czar Nicolau, que todos perceberam tarde demais.
Sem imagem de perfil

De Rui Figueiredo a 16.09.2022 às 12:03

Além de tudo isto é bom não esquecer o caso do rei da Tailândia que fugiu para a Alemanha (outra monarquia?), junto com o arem, durante a pandemia! 
Sem imagem de perfil

De balio a 16.09.2022 às 12:23

Nos livros de História figuram muitas monarquias que se transformaram em repúblicas. Não figura, que eu saiba, uma única república que se tenha transformado em monarquia. Deve ser isto a que se chama evolução.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 16.09.2022 às 13:34

Aqui ao lado há um país que já foi uma República.
Sem imagem de perfil

De Rui Figueiredo a 16.09.2022 às 15:34

De onde o rei emérito fugiu por crimes cometidos enquanto não o era (emérito)
Sem imagem de perfil

De balio a 16.09.2022 às 15:41

E que, dizem as sondagens, gostaria de voltar a sê-lo.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 16.09.2022 às 16:20

Se as sondagens o dizem, que se faça.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.09.2022 às 13:27

Cuja monarquia foi instaurada pela marioneta de Hitler. Alguma monarquia reinstaurada democraticamente?
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 16.09.2022 às 13:37

Procura aí na biblioteca "Dutch Republic".
Sem imagem de perfil

De balio a 16.09.2022 às 15:43


Ui, isso foi há tanto tempo.
Creio que acabou, basicamente, porque após as Guerras Napoleónicas todos os reis (e rainhas, e imperadores) da Europa acordaram entre si que não deveria haver repúblicas no continente (com exceção da pobre e marginal Suíça) e portanto obrigaram todos os povos, mesmo aqueles que não queriam um rei, a ter um. Não foi propriamente por vontade do povo neerlandês.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 16.09.2022 às 16:19


Afinal não há nos livros de História ou há mas há muito tempo?


O povo neerlandês está apenas à espera que apareça lá um salvador para os libertar da opressão do rei e da sua corte. Têm de evoluir, aqueles desgraçados atrasadinhos.
Sem imagem de perfil

De Zé Manel Tonto a 20.09.2022 às 21:36

Inglaterra foi uma república durante 12 anos. Fizeram tanta borrada que imploraram ao Rei para voltar.
Sem imagem de perfil

De ptc a 16.09.2022 às 19:45

Hear hear!!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.09.2022 às 13:26

A figura humana que não conseguiu ser fiel a uma mulher e acham que consegue ser fiel a mais de 60 milhões de pessoas?

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • pitosga

    João Távora,Na sequência Tolentiana adiciono, porq...

  • Anónimo

    Prostituição - e da mais reles...JSP

  • Anónimo

    Não desvalorizando de modo algum o ensino superior...

  • henrique pereira dos santos

    Seria um bocado estúpido partir do princípio que p...

  • jo

    As vagas supranumerárias exitem, custam recursos, ...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D