Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Montis

por henrique pereira dos santos, em 02.12.20

De vez em quando publico aqui uns posts em causa mais ou menos própria, é o caso deste.

A Montis é uma associação de conservação da natureza focada na gestão directa de terrenos, prioritariamente na gestão de terras marginais, isto é, aquelas que não interessam a ninguém, nem à generalidade dos conservacionistas.

Sou um dos seus fundadores, fui o seu primeiro presidente e continuo empenhado na associação, fica a declaração de interesses feita.

Quando começámos a falar na hipótese de fazermos uma associação de conservação (éramos três, passámos a quatro, voltámos a ser três) a ideia era mais ou menos copiar o modelo da Associação Transumância e Natureza (também sou sócio, fui seu funcionário algum tempo, mas actualmente acompanho relativamente pouco), que é uma outra associação de conservação da natureza - não sei quantos hectares gere agora, mas não devo andar muito longe da verdade se disser que são à roda dos mil hectares, quase todos no vale do Côa.

Por necessidade ou convicção, queríamos apenas copiar o modelo de gestão directa de terrenos, mas não o modelo de gestão organizacional.

A ATN foi fundada muito assente na sua parceria com uma fundação holandesa (a STN, hoje extinta) e tinha fontes de financiamento externas a que nós, na Montis, não nos pareceria que fosse possível ter acesso no curto prazo, por isso concentrámo-nos em tentar resolver o financiamento da associação - a gestão de terrenos com objectivos de conservação é, de maneira geral, deficitária - em Portugal.

Olhando para o conjunto das organizações de conservação em Portugal, o que eu via (a partir daqui prefiro limitar-me ao meu ponto de vista, não garanto que as outras pessoas envolvidas tivessem exactamente os meus pontos de vista) era uma excessiva dependência de projectos de financiamento, e uma quase irrelevância dos sócios nesse aspecto.

Para mim, estas organizações pareciam-me - e ainda parecem - organizações de prestação de serviços, embora orientadas para o mercado especial dos financiadores de conservação, isto é, o Estado, as grandes empresas e as grandes organizações filantrópicas.

Para mim isto não é um defeito, é uma característica que tem vantagens e desvantagens, a principal das quais é a das organizações responderem progressivamente menos aos seus sócios e progressivamente mais às agendas dos seus financiadores.

A Montis procurou fugir disso tendo uma política de sócios agressiva - quem se quiser fazer sócio tem aqui uma ficha de inscrição e paga uma quota anual de vinte euros - e procurando usar subscrições públicas, que agora se chama crowdfunding, para financiar compra de terra e projectos concretos.

Na altura havia gente com muitas dúvidas de que isso fosse viável em Portugal, e poucos, se algum, acreditava que conseguíssemos juntar os primeiros quinze mil euros para comprar terra dessa forma, mas avançou-se para a primeira campanha, com muitas dúvidas e com a ideia de que mesmo que a campanha falhasse o seu objectivo, os ganhos de notoriedade justificavam o esforço.

Foi assim que descobrimos que o que parecia impossível em Portugal, afinal, não só era possível como havia um grande número de pessoas que jamais se ligariam a qualquer uma das grandes associações de conservação em Portugal, por discordarem dos seus pontos de vista ou dos seus métodos de actuação, ou dos dois, que não eram insensíveis à ideia de se ir comprando terra por aí para a retirar do processo económico e a dedicar à conservação da natureza.

O facto da Montis não ter pontos de vista (os seus membros e dirigentes com certeza têm, a organização, enquanto tal, não se pronuncia sobre opções de política) facilitou essa aproximação, mas tem um custo na dificuldade de mobilização que a associação tem porque é incomparavelmente mais fácil mobilizar pessoas contra qualquer coisa que a favor do que quer que seja.

Ainda assim o que gostaria de sublinar é que acaba nesta sexta-feira a quinta subscrição pública da Montis que consegue o objectivo, o que significa que a Montis mobilizou qualquer coisa como oitenta e cinco mil euros em campanhas deste tipo, ou seja, recorrendo à disponibilidade das pessoas comuns.

Para além da Montis, há outras organizações de conservação a recorrer ao crowdfunding para as suas acividades, com êxito.

Por isso quando me dizem que os portugueses não se mobilizam, que não é possível contar com a filantropia em Portugal fora dos temas sociais clássicos, e que a única solução possível é depender do Estado, seja do Estado central, seja do Estado local, eu não tenho a menor dúvida em responder que não é forçosamente assim, embora seja verdade que fazer de outra maneira dá muito trabalho, exige muita transparência, obriga a planear e executar com algum rigor, para além da sorte também ajudar.

E que a maior parte dos dirigentes das organizações, se quisermos, as elites, preferem, com alguma razão, usar as suas redes de contactos para intervir na sociedade: o preço que se paga pela liberdade, em Portugal é, frequentemente, um preço especulativo que só se paga por amor, que interesse não tem nenhum.



2 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 02.12.2020 às 17:02


Eu creio que aquilo que a Montis está a fazer já anteriormente foi feito, com sucesso, por outras organizações ambientalistas. Lembro-me em particular de ter dado dinheiro para que a Liga para a Proteção da Natureza comprasse uma propriedade em Castro Verde. E julgo saber que a Quercus comprou as suas propriedades no Tejo Internacional pelo menos parcialmente mediante subscrição pública.
Ou seja, já há muito tempo tinha sido demonstrado que aquilo que a Montis está a fazer pode funcionar, pelo menos até certa escala, em Portugal. A Montis está a abrir uma porta que já estava aberta.
O modelo de subscrição pública é um bocado enganador, porque na prática a subscrição pode ser subscrita na sua maior parte por apenas meia dúzia de doadores. Desde que haja meia dúzia de doadores (que podem ser empresas!) muito generosos, o resto dos doadores pode doar muito pouco cada um. Depois aparece nas parangonas que mil pessoas doaram e quem ouve fica com a impressão de que há mil pessoas muito generosas em Portugal, quando na verdade a maior parte dessas mil pessoas apenas doou uns trocos insignificantes.
Sem imagem de perfil

De Carlos a 02.12.2020 às 21:06

Já aqui chamei ao Balio provocador-mor. Pelo que aqui se vê, também não é cuidadoso a ler.
Tenha paciência e responda ao homem, apenas como forma de responder a outros eventuais interessados na vida da Montis.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • João

    É isso. Eis a razão pela qual o Benfica usava cami...

  • zazie

    Mas v.s sabem o que dizem ou são extra-terrestres?...

  • voza0db

    O que é um facto é que não interessa o grau académ...

  • voza0db

    A diversão é continua!Durante a época de natal e p...

  • Elvimonte

    O efeito do Natal:- na Turquia http://prntscr.com/...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D