Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"A mí me infunden tristeza"

por henrique pereira dos santos, em 03.04.20

Como se pode verificar (escolham a base de dados que quiserem e olhem para os gráficos de casos confirmados, cuidados intensivos, mortalidade, o que quiserem), a generalidade dos países europeus estão já para lá do seu pico, em pleno planalto ou a começar a descida, independentemente da forma como lidam com a epidemia.

E no fim de Abril/ princípios de Maio, estará tudo tranquilo, quer na Europa, quer nos Estados Unidos.

A cegueira da imprensa em relação a estes sinais será ensinada nas escolas durante muitos anos, olhar hoje para os gráficos de evolução em toda a Europa e para a capa dos jornais portugueses "A mí me infunden tristeza".

Portugal passou o pico da epidemia há dias, ainda terá, talvez, algum crescimento da mortalidade e das pessoas em cuidados intensivos (há um desfasamento de pelo menos uma semana em relação à mortalidade e provavelmente um pouco mais em relação aos cuidados intensivos), e para a semana, o mais tardar, os números da mortalidade diária começam a descer.

Nessa altura não faltarão pessoas que hoje acham a quarentena portuguesa uma bandalheira que devia ser controlada com mão de ferro a atribuir esses resultados à quarentena que hoje acham que é uma bandalheira, muito longe da necessária brutalidade usada eficazmente pela China, acham eles.

O mesmo para Itália, para Espanha e assim sucessivamente.

A responsabilidade da imprensa no empolar do medo que nos levará à profunda recessão que aí vem - incluindo a exótica escolha de olhar para uma epidemia a partir das salas de cuidados intensivos - é uma responsabilidade que espero que liquide de vez a ideia de que a imprensa serve para educar as massas e não para dar notícias.



25 comentários

Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 03.04.2020 às 08:45

Agradeço ao HPS os seus racionais e bem documentados artigos.
Ainda não consegui descortinar qual o objectivo do governo e dos media para alimentar este "suicídio colectivo".
Ninguém ainda nos veio preparar para a grande tragédia que vem a seguir.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 10:13

'os ricos que paguem a crise'
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 03.04.2020 às 10:42

Ninguém ainda nos veio preparar para a grande tragédia que vem a seguir.

A tragédia é, em parte, inevitável. Os setores do transporte aéreo e do turismo, que são os maiores exportadores de Portugal, vão inevitavelmente colapsar. E esse colapso seria inevitável - só governos muito estouvados permitiriam que as pessoas continuassem a circular de um lado para o outro como circulavam há uns meses.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 17:35

vão voltar às senhas de racionamento
e talvez à antropofagia
fui-me habituando a comer umas gajas
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 20:50

Estou chocado com a sua linguagem. Chocado e enojado. Profundamente enojado com esta demonstração de machismo primário. O senhor está a emporcalhar esta conversa, lamento dizê-lo. A emporcalhar e a conspurcar. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 18:20

De acordo.
Técnica governamental de informação ao estimado público, incipiente e pobre, pouco profissional.
Depois paga-se.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 09:20

Bom dia.
Creio que está profundamente enganado quanto à imprensa em Portugal, OCS aliás em geral. Vão continuar a educar as massas, não a dar notícias, basta olhar para o trajecto e posturas de muitos dos e das jornalistas, e a começar por directores de jornais e TVs.
Tenha um bom fim de semana.
António Cabral
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 03.04.2020 às 14:44

Destacando na imprensa o grupo Impresa que desde o primeiro dia tem tido uma postura do "quanto pior, melhor", desde o 1.000.000 de infectados do Expresso aos "apanhados" do Polígrafo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 17:36

poligarfo
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 09:25

'abril, sempre!'
Sem imagem de perfil

De JPT a 03.04.2020 às 09:51

Acresce a isto, a visão "Malagrida Vermelho" deste fenómeno, com que diariamente somos bombardeados nos media (no meu caso, é pelo Sena Santos, na Antena 1): ou seja, que isto é fruto da sociedade capitalista (das alterações climáticas, da austeridade que mata, dos maus tratos aos refugiados) e que é o pretexto para um virar de pagina civilizacional. É evidente a volúpia que o colectivismo inerente a estas medidas provoca em certas almas (e, neste caso, nem só de esquerda). Quem diria que os "amanhãs que cantam" viriam de máscara, luvas e desinfectante na mão?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 10:11

leia no lazareto de Bordalo
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 03.04.2020 às 10:40

no fim de Abril/ princípios de Maio, estará tudo tranquilo

Oxalá o HPS tenha razão, mas temo que não tenha, quero dizer, o governo e a diretora-geral da Saúde parecem desejar muito prolongar a epidemia por decreto. Na ótica deles, quanto mais os números da epidemia caem, mais é preciso reforçar as medidadas de confinamento e repressão, mais é preciso dizer que estamos apenas num "planalto" e que a epidemia continua sem parar.
Sem imagem de perfil

De zazie a 03.04.2020 às 11:20

Quais gráficos?


https://www.worldometers.info/coronavirus/#countries



Como se pode verificar (escolham a base de dados que quiserem e olhem para os gráficos de casos confirmados, cuidados intensivos, mortalidade, o que quiserem), a generalidade dos países europeus estão já para lá do seu pico, em pleno planalto ou a começar a descida, independentemente da forma como lidam com a epidemia.



Onde sustenta esta afirmação que ninguém (cientificamente e responsavelmente) é capaz de afirmar?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 12:10

As afirmações de estamos já para lá do pico, quando todos os números indicam o contrário poderiam ser entendidas com graça, dado a cegueira ideológica de quem as profere, não fossem quase criminosas nestes tempos que correm. Haja vergonha!
Sem imagem de perfil

De zazie a 03.04.2020 às 16:36

Completamente. Más há quem adore mentiras embrulhadas em "autoridade".
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 03.04.2020 às 16:55

É preciso ser-se muito estúpido para perder tempo a ler mentirosos e, depois, ainda fazer comentários.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 18:19

Não, sabe que gosto de ler quem tem uma visão oposta à minha (e que neste caso é oposta à esmagadora maioria das pessoas produtoras de conhecimento no Mundo). Poderia fazer como você. Rodeava-me de informação selectiva que unicamente validasse o meu pensamento. Fica a questão, qual de nós é mais estúpido?
Sem imagem de perfil

De zazie a 03.04.2020 às 20:13

Citou-se?
Sem imagem de perfil

De zazie a 03.04.2020 às 11:27

“Ninguém sabe no mundo o que está a acontecer; nós somos completamente cegos em relação a como esta pandemia está a evoluir”

31:04

https://www.rtp.pt/play/p6646/e465100/grande-entrevista

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 12:27

Caro Henrique 


estou plenamente de acordo que o numero de novos infectados, a partir do fim de abril estarão próximo de zero. 
A minha preocupação é relativamente ao que vai acontecer depois. Se nada de novo na medicação ocorrer, ou o vírus desaparecer misteriosamente, ou se descobri que o numero de infectados é enorme ( vacina de grupo viável) o que devemos fazer? 
Na minha óptica, proteger os grupos de risco e usar uma aproximação á coreia do sul para os outros, em liberdade plena. 
Qual a tua abordagem? 
forte abraço
zé miguel 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 03.04.2020 às 21:22


Zé Miguel, eu também estou de acordo que o problema é o que virá depois, porque esta epidemia não parece estar a deixar mais rasto epidemiológico que o de um surto forte de gripe.
E estou de acordo que o fundamental é identificar e proteger os grupos de risco (dadas as características da doença, eu acho que inclui os profissionais de saúde) e ir controlando o resto, no próximo Outono.
Pode ser que até lá vá havendo novidades quanto a tratamentos (que vacinas deve demorar mais).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2020 às 14:04

Caro Henrique, a mim o que mais me encanta é que as mesmas televisões que ralham e chamam nomes aos portugueses que insistem em trabalhar e circular promovam campanhas com o título «vai ficar tudo bem». A estupidez não tem realmente limites.

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • João Távora

    Eles que comam brioches. 

  • Anónimo

    Bravo, Henrique!

  • Anónimo

    José Mendonça da Cruz,Mariazinhices.ao

  • Anónimo

    José Mendonça da Cruz,Espero que tudo isto seja in...

  • Anónimo

    o contestado, detestado, empestado, etcé o bolso d...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D