Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A metafísica da epidemia

por henrique pereira dos santos, em 13.07.20

"Começamos a apreciar mais o Universo belo que temos à nossa volta, que vem dessa perda de perfeição. Parece que se queremos estabilidade e dinâmica, não devemos pedir perfeição".

Guido Tonelli, numa entrevista muito interessante no Público de ontem (o entrevistador, Pedro Rios, é bastante responsável pelo interesse da entrevista, é justo reconhecer).

Os físicos teóricos, quando conseguem falar a linguagem das pessoas comuns, produzem frequentemente filosofia interessante. Trabalham nos limites do conhecimento, discutindo problemas essenciais e permanentes das sociedades humanas, a começar pela origem disto tudo. A sensação que me dá é que procuram não perder o contacto com os fenómenos físicos, ao mesmo tempo que se movem permanentemente no mundo da metafísica.

Mas como me faltam capacidade e conhecimento para discutir metafísica, a verdade é que esta citação me pareceu o arranque evidente de um simples post sobre o que me parece ser um dos mistérios da gestão desta epidemia.

Qualquer médico dirá - e se não disser, dizem as bulas dos medicamentos - que qualquer remédio tem efeitos benéficos e negativos, ou para citar Paracelso, a diferença entre o remédio e o veneno, é a dose.

Este princípio está na base dos procedimentos de autorização dos medicamentos, fito-fármacos e, de maneira geral, do uso de qualquer químico de síntese.

Esses procedimentos centram-se na clarificação do saldo entre vantagens e desvantagens: se o saldo é positivo, para o lado das vantagens, o produto pode ser autorizado, embora possa vir associado a inúmeras restrições do seu uso, como acontece, por exemplo, na radiologia, para citar um exemplo evidente e corrente.

Há muito que deixou de se permitir a difusão legal de substâncias com base na ideia de que é lógico que tenham um efeito positivo, sem consideração pela avaliação aprofundada dos seus efeitos negativos.

Ora nesta epidemia, a Organização Mundial de Saúde, mais na sua comunicação para o público em geral que nos documentos técnicos e de orientação formal produzidos, resolveu mandar às urtigas este princípio base e deu cobertura à adopção de medidas sociais nunca testadas de forma generalizada, cujos efeitos positivos na epidemia nem sequer estão cabalmente demonstrados, e cujos efeitos sociais negativos são conhecidos e relevantes, sem a menor consideração por uma cuidada avaliação de vantagens e desvantagens.

Um bom exemplo é o da proibição de visitas aos lares, que parece uma medida lógica e aceitável, mas até ao momento em que se percebe que é uma medida desumana e, mais relevante, sem relação forte com a entrada da doenças nos lares já que o principal veículo de entrada são os trabalhadores dos lares.

Mas como toda a métrica de avaliação das medidas se reduz ao número de contactos sociais - parecem um programa de investimento que conheço, milhares de milhões de euros, cujo principal indicador de resultado, nem sequer é de execução, é mesmo de resultado, é a percentagem da despesa efectuada em relação ao programado - aceitam-se todos os tipos de medidas coercivas que aparentemente garantam a paragem da circulação do vírus por via da redução de contactos físicos.

Outro bom exemplo é a discussão sobre os controlos de fronteiras como se estando o vírus a circular socialmente num lado e do outro da fronteira tivesse alguma utilidade rebentar com a vida normal das pessoas para tentar parar o vento com uma peneira. Isto sem sequer contar com o facto das pessoas serem o que são e, naturalmente, adaptarem os seus comportamentos às circunstâncias, passando a tomar um antipiréctivo antes de ir para o aeroporto, outro durante a viagem, e outro quando estão a aterrar para não aturarem as complicações que poderiam decorrer das medições de temperatura à chegada a qualquer lado.

A procura de soluções perfeitas, dirigidas a pessoas perfeitas, para gerir de forma perfeita uma epidemia é, antes de tudo, um problema de falta de consciência da posição do homem no mundo: nós somos um mero acidente da natureza, uma consequência da existência do bosão de Higgs, não somos os gestores desta coisa toda.

Quando um tipo que sabe incomparavelmente mais que eu (e que as autoridades de saúde) sobre o Universo diz que o que sabemos hoje não deve andar longe dos 5% e que 95% do Universo continua vedado ao nosso conhecimento, talvez devêssemos aceitar humildemente a nossa ignorância e abandonar toda a confiança em qualquer profeta que nos venha dizer que sabe como se gere uma epidemia com base em medidas sociais.

Não sabe e, muito mais grave, não sabe que não sabe, e portanto facilmente recomenda doses de distanciamento físico que são mais venenos que remédios.



11 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.07.2020 às 12:56

caro Senhor


Felicito-o pelo seu "post" tão equilibrado e argumentando o bom senso que tanto escasseia.
É bem verdade que o mais arrogante de todos é sempre o ignorante, que  não sabe sabe, ou admite, que o é.
Por isso George Steinar, quando apelava ao entendimento referia-se ao homo sapiens sapiens ( o homem que o sabe que é).


Cumprimentos


Vasco Silveira


Vasco Silveira
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 13.07.2020 às 13:34

Bom texto. 
O meu contributo passa apenas por sugerir que quando fizessem as comunicações da covid fosse incluído um gráfico da gripe do ano passado, só para ficarmos com um termo de comparação. 
Sem imagem de perfil

De voza0db a 13.07.2020 às 19:25


Deixem isso para LÁ!


DIVIRTAM-SE A CONTEMPLAR O CIRCO PORTRÓIKAL...


https://voza0db.livejournal.com/7660.html


Passou numa televisão perto de si...


Assim vai a FRAUDE da OPERAÇÃO COVID!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.07.2020 às 21:03

Bom-senso , lucidez , preparação e enorme  capacidade comunicacional.
Cpmts.




JSP
Sem imagem de perfil

De zazie a 13.07.2020 às 21:44

O primeiro texto seu que achei interessante.
Sim, senhor. A sério.


Também ando à procura desse tipo de reflexões. Entre ordem e acaso onde cabe o pharmacon que também tanto queria dizer remédio como veneno.


Espreite este texto deste sujeito. Tem um niquinho de interessante.

The Community of the Forsaken: A Response to Agamben and Nancy

Divya Dwivedi and Shaj Mohan


Tem aqui o link. Faz parte de um debate onde apenas esse e o Jean-Luc Nancy escreveram alguma coisa de interesse. 

https://www.journal-psychoanalysis.eu/coronavirus-and-philosophers/

Sem imagem de perfil

De zazie a 13.07.2020 às 21:51

Quanto ao que retira da coisa eu retiro o oposto.
Sou demasiado pragmática para alterar o meu comportamento em função de gráficos ou alarmismos e, muito menos, negacionismos.
Que faça proveito a quem berra e milita. Eu socialmente já vivia "ideologicamente" em cordão sanitário. Agora aumentei-o.


Significa que nem um dia fiquei em casa. Acho mesmo que nunca andei tanto a pé como em tempos de mandarem ficar tudo em casa.
Em relação ao resto, para mim uso toda a distância e higiene que também não é novidade. Agora vem a propósito e não parece mal. Mas a vontade de "desinfecta e chega para lá" era bem mais antiga.


Problemas de neuroses armagedónicas também nunca fizeram a minha cara, muito menos revoltas ou lamentações.
Estou a seguir o exemplo do meu pai na vida- Mudar de pele. Reeinventar-me. E não me tenho dado nada mal. Nunca fiz tanta coisa nova e adoptei outro lema desde que comprei uma bicicleta- "deslizar é preciso; viver não é preciso" 
Sem imagem de perfil

De José Furtado Amendoeira a 14.07.2020 às 12:47

Típica funcionaria velha, que se deleita com o sofrimento e a pobreza dos outros, porque se consegue reinventar, sendo uma mediocridade académica e vivendo do compadrio e da amizade no meio. Nem o vírus nos livra deste lixo.
Sem imagem de perfil

De zazie a 14.07.2020 às 16:07

Que grande animal


Deves estar a falar da tua mãezinha, ó besta.


Não sou nem funcionária, nem velha. Tenho profissão liberal e o mais que me mete nojo são os crentinhos que, em lhes tocando no carcanhol, fazem continhas de merceeiro à vida e se marimbam na vida dos velhos.


E são de tal maneira bestas que nem percebem que militam por merdices como muita "jubentude" nas esplanadas e nas tatuagens e depois perdemos milhões por falta de turistas.


Porque esta merda não é um capricho de neotontos. Nem é um problema local. É uma pandemia global.
Estamos agora a perder dinheiro à conta do politicamente correcto que nem se lembrou dos imigrantes a viverem a monte nos subúrbios, ou dos lares onde as mulheres deles contaminam os velhos
Sem imagem de perfil

De zazie a 14.07.2020 às 16:13

Que é que sabes de mim, grande besta?


Há muito blogger que me conhece ao vivo, incluindo um amigo aqui da casa.
Tu espelhas e projectas nos outros a trampa que tens dentro de ti.


E de forma de tal modo imbecil que apenas consegues fazer rábula facciosa ao espelho.


A estupidez foi minha em vir comentar a um antro de idiotas. Lia o João Távora e a Maria Teixeira Alves.
Mais ninguém.


Ela deixou de escrever, depois de ter sido insultada por dizer a verdade a que ninguém se atreve- a culpa desta porcaria é da China e devia ser levada a Tribunal dos Direitos Humanos.


O João Távora deixou de escrever.


E eu vou deixar de vez de vir aqui. Porque os sabujos que por aqui aparecem nos comentários são da mesma índole de grunhice de sabujos idênticos de qualquer porcaria à Aspirina B ou coisa de Jugular
Imagem de perfil

De João Távora a 14.07.2020 às 16:47

Que raio de conversa... 
Sem imagem de perfil

De zazie a 14.07.2020 às 16:51

Pode crer.
A conversa estava decente, até aparecer esse grunho que assinou um nome fictício " José Furtado Amendoeira", a insultar-me com estas lindas palavras: 


"Típica funcionaria velha, que se deleita com o sofrimento e a pobreza dos outros, porque se consegue reinventar, sendo uma mediocridade académica e vivendo do compadrio e da amizade no meio. Nem o vírus nos livra deste lixo."


Por mim, acabou. Passem bem a acarinhem esses psicoptas vindos do Facebook que isto para mim é lixeira. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.07.2020 às 16:23

Mas eu adorei ler esta  "guerrilhazinha" tão bem relatada. Li com prazer e ri-me, neste dia de tanto calor. Foi o meu momento zen. Fiquei mais "solta". 
Uma gerrinha saudável...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Carlos Sousa

    E pegando nalgumas palavras do primeiro-ministro, ...

  • Anónimo

    caro senhornestes tempos aburguesados e politicame...

  • Anónimo

    Caro Senhor"Apesar dos frequentes casos de corrupç...

  • Carlos Sousa

    O que me está a causar apreensão não é a DGS fazer...

  • Albino Manuel

    A monarquia espanhola vai aguentar. Derrubá-la é c...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D